domingo, 3 de outubro de 2010

A Nação Tiririca

“Nesta eleição, nem mesmo cristo querendo me tira dessa vitória.” (Dilma Rousseff)
Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Waldo Luís Viana

Os últimos acontecimentos da campanha presidencial demonstram a exaustão do modo petista de fazer campanha. Havia no governo e entre os partidários a convicção de que viveriam num céu de brigadeiro, com a candidata escolhida alcançando quase toda a popularidade do presidente, exibida nas pesquisas. No entanto, tal não aconteceu. Em alguns estados, ela vem caindo a olhos vistos e os petistas mais afoitos já pararam até de repartir ministérios...

Numa eleição anômala, plebiscitária, com quase todos os candidatos interpretando uma vertente do pensamento de esquerda, a equação esperta era a de que a candidata biônica iria subir exponencialmente, bastando para isso que o povo tomasse conhecimento de que era indicada pelo presidente para a sucessão. Infelizmente, essa correspondência não se expressou devidamente em pesquisas internas e qualitativas, como demonstram os institutos mais independentes.

Daí o aumento de tom nas hostes petistas, a começar pelo presidente, em Joinville, tentando reverter tendências regionais, com xingamentos a líderes da oposição e expressão do desejo fascista de extinguir pura e simplesmente um dos partidos que não reza segundo a cartilha presidencial. De outro lado, o velho, sempre útil e consagrado ex-chefe da Casa Civil, saindo das sombras, veio afirmar que a liberdade de imprensa no país é excessiva e precisa ser “domada” para não causar problemas.

Esses fatos eleitorais encobrem certa falta de cavalheirismo (fiquemos no eufemismo) de quem estaria unido e coeso em torno da certeza de vitória no primeiro turno. Outro resultado que não esse poderia ser fatal para o esquemão do governo, com cargos estatais a defender e a ideologia disfarçada (ainda) do Foro de São Paulo por continuar.

Entre os formadores de opinião, perplexos com as manifestações suspeitas de quebra de sigilo fiscal e peripécias do manjado tráfico de influência na Casa Civil e o povo mais pobre, anestesiado e agradecido ao grande chefe pelo bolsa-família e outras benesses, encontra-se a maioria silenciosa, que vem demonstrando muito dissabor com os rumos da campanha.

A perspectiva de um comediante obter 1 milhão de votos para deputado federal, em São Paulo, e eleger mais dez vagas dentro de seu partido (a chamada “bancada tiririca”), traz aos cidadãos responsáveis um sofrimento a mais que não pode mais ser disfarçado. Esse segmento sabe até que o palhaço tem razão: “pior do que tá num fica!” E o humorista não veio nem para explicar nem para confundir: apenas nos confirma que os “abestados” somos nós.

Enfim, temos o que governo sempre desejou: a burrice no poder. Quem mandará em nosso mundo serão os milhões de analfabetos funcionais, os que brevemente haverão de abocanhar as cotas nas universidades públicas. Uma inclusão de incompetência, transformada em deboche, sem qualquer premio Nobel. O povo deseducado, afinal, é o fermento das eleições petistas bem-sucedidas e da manutenção de seu poder.

No velho regime militar (eu me lembro), todo mundo tinha medo da política e só falava em futebol. Reinava uma tecnocracia, hipócrita e asséptica. Agora, infelizmente, é bem pior: se você discordar dos mandantes de plantão terá provavelmente o sigilo quebrado, a vigilância policial sobre você e até a ameaça de virar nome de parque.

Desde os tempos de Celso Daniel até Yves Hublet, longos desdobramentos históricos de suspeitas, assassinatos e cumplicidade têm sido objeto de surdo protesto de muitos cidadãos, com o correspondente descaso de nossas autoridades. Os malfeitos e as lambanças têm sido movidos para debaixo do tapete. Vide o mensalão do PT...

No Brasil, infelizmente, estamos assistindo à formação de um fascismo burro e búlgaro, baseado na continuação do culto à personalidade, com Lula e Dirceu no coração, ponto eletrônico no ouvido e gordas comissões, agora em pastas e bolsas de griffe.

Um regime típico de perseguição aos denunciantes e de blindagem dos denunciados, considerados sempre os coitadinhos. Em tal estado de coisas, o suspeito, safado e corrupto, torna-se, inexplicavelmente, vítima de calúnia e do desespero de quem denuncia.

Quem não conhece os expedientes protelatórios na Justiça para manter a garantia de que tudo no final vire mera piada de salão e motivo de distribuição de renda entre advogados ricos?

Porém – é necessário que se diga – há uma peninha: o governo, que esgotou prematuramente os coelhos da cartola e se vê acuado, precisa ganhar no primeiro turno de qualquer maneira, para não exibir sinais de fraqueza.

Não pode confessar, mas sabe, no íntimo, que a candidata-ventríloqua não tem fôlego político, nem físico, para aguentar a pressão de um segundo turno, que é outra eleição! Ao mesmo tempo, o presidente vem se expondo sem cautela e utilizando a máquina pública para defender a candidata, sem o menor pudor pelo cargo que ocupa.

E alguns de nossos juízes e procuradores também fazem parte dessa maioria silenciosa e são capazes, quem sabe!, de responder corajosa e surpreendentemente ao Estado policial em que vivemos.

A primavera vem aí, com seus encantos e sortilégios, apesar de todos os tiriricas da vida... E é cedo demais para dizer que nem Cristo tira a vitória da candidata petista. A história mostra-nos que as pretensas unanimidades são companheiras inefáveis de erros fatais. Sem contar que o último que disse ser mais popular que Jesus Cristo teve o destino que todos conhecem...

Quem sou eu para desejar ou sugerir tais vaticínios, mas sei que os que vencem são aqueles que sabem calçar verdadeira e sinceramente as sandálias da humildade. E este parece, sem dúvida, não ser o caso da candidata do governo.

Nossa nação tiririca, (in)felizmente, não é para principiantes...

Waldo Luís Viana é escritor, economista, poeta e vai escrever até quando as patrulhas petistas intervierem de vez na Internet. Ele teme que o poder institua, na prática, a frase célebre do Beira-Mar: “tá tudo dominado!” e – convenhamos – não estamos longe disso... Esse artigo é uma singela homenagem à socióloga Maria Lúcia Victor Barbosa.

Nenhum comentário: