terça-feira, 26 de outubro de 2010

Os Medinhos da Bruxa

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

Não houve debate ontem entre presidenciáveis na Rede Record. Novamente, a discussão de ideias e soluções para o Brasil passou muito longe das discussões. Pelo menos tivemos uma novidade. Dilma Rousseff e José Serra se confrontaram de maneira mais dura. O debate-boca rolou solto.

Serra fez o papel dele. Tem de correr atrás do prejuízo parecendo que é oposição ao modelo petista. O soou estranho, novamente, foi o estilo ofensivo da Dilma. Quem lidera as pesquisas – como supostamente ela está – não devia ser tão futriqueira com o adversário, como ela foi ontem.

O estilo bateu-levou é a normalidade de Dilma. Ontem, ficou claro que ela não está tão segura, quando antes do segundo turno, que venceria facilmente a eleição. Dilma tem dois temores imediatos. Que caiam na boca do povo dois escândalos recentes. O tráfico de influência na Civil, envolvendo sua amiga Erenice Guerra e o filho dela, e o esquema do grupo de inteligência da pré-campanha petista para forjar dossiês contra dirigentes do PSDB e Verônica Serra, filha do presidenciável tucano.

Se no Brasil não houvesse tanta impunidade aos poderosos, tais escândalos comprovados, na beira do processo eleitoral, já seriam suficientes para o início de um processo de impeachment do chefão Lula da Silva, e para uma impugnação de sua candidata biônica, por total falta de probidade para disputar o cargo que simboliza o máximo de poder na República.

Domingo, 31 de outubro, é dia de Halloween eleitoral. Vença a Bruxa, ou ganhe o Vampiro, o único vitorioso será o PMDB (Mula Sem Cabeça política que tem a hegemonia política em todos os governos, desde 1985, com o fim do regime dos presidentes militares e o começo da “Nova República” que já nasceu caduca sob a batuta do mesmo imortal José Sarney que continuará mandando no próximo governo, junto com Michel Temer (ganhe a candidata dele ou não).

Como diria o velho comuna João Saldanha, “quem reclama já perdeu”. O Brasil será o grande derrotado a partir de domingo que vem. A coisa pode ficar mais pior ou menos pior. O cenário previsto é ruim pra Diabo. E como terça que vem é o Dia dos Mortos, vamos aguardar serenamente para saber quem ganha uma sobrevida a partir de segunda, quando teremos o pronunciamento oficial da Presidenta ou Presidente eleito.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


PS – Por motivos técnicos, voltamos com a edição regular do Alerta Total, com notas comentadas e informações de primeira, a partir da segunda que vem, sempre de manhã cedinho. Até lá, pedimos paciência aos leitores. Postaremos artigos e análises curtas e imediatas.

6 comentários:

Carlos Alberto Simas Borges disse...

Em que pese o conhecimento acadêmico e profissional do nobre blogueiro, o conteúdo do blog, a favor do Serra, contra Dilma, Lula e PT, estão escancaradamente claros. Até as enquetes são tendenciosas. É por isso que Dilma é a melhor para o Brasil, e vai ganhar, porque nosso povo não é bobo.

Anônimo disse...

Grande "sacada" essa de "bruxa e vampiro, quem ganha é a mula-sem-cabeça". Mas eu ainda prefiro votar no "vampiro"! Não quero saber de "bruxa solta" no governo federal...

E não vou votar em quem já foi guerrilheira, participando de um grupo de mãos sujas, com atentados, roubos e assassinatos nas costas. Não quero alguém com esse passado para presidente...

Cesar disse...

Caro biologocarlossimas.

Quem não é bobo é esse pessoal do PT que quer se "enraizar" no poder...
Enquanto o nosso povo não tiver educação e cultura mínimas, o jogo eleitoral será feito desta maneira, com falácias e mentiras de todos os lados.

Anônimo disse...

26 outubro 2010

Dilma divulga carta às Forças Armadas

No primeiro sinal direto aos militares na campanha, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, divulgou ontem uma carta às Forças Armadas. A seis dias das eleições, o documento, que conta com jargões militares, apresenta compromissos como manter o serviço militar obrigatório, o regime previdenciário diferenciado, além de reforçar a política salarial praticada no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a campanha e militares ouvidos pela reportagem, não há nenhum movimento contra a candidata, mas reclamações pontuais.

Uma das queixas contra a petista é o fato de não fazer referência ao trabalho do Exército nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma de suas principais bandeiras exploradas na campanha.

Dilma já havia sido convidada para dar palestra no Clube Militar, mas não compareceu, ao contrário de seu adversário, José Serra (PSDB).

O tucano divulgou em setembro um texto com teor semelhante ao que foi assinado por Dilma - o que foi interpretado como uma tentativa de reaproximação do candidato com as Forças Armadas.

Na carta, Dilma afirma que as Forças Armadas "estão entre as instituições com maior índice de confiança" no país, promete a reestruturação da indústria bélica nacional e a reorganização das Forças.

Segundo o texto, um eventual governo Dilma dará incentivos para três segmentos "imprescindíveis para a defesa do país: cibernético, espacial e nuclear".

Dilma, que foi presa e torturada pelo regime militar (1964-1985), fala na carta em continuar marchando em "cadência uniforme" e que as realizações do governo Lula serão "potencializadas".

A candidata afirma ainda que o "profissionalismo militar é forte elemento estruturante e está enraizado em nosso consolidado regime democrático".

Ao se despedir, Dilma diz que espera contar com os militares, se vencer as eleições.

"Se eleita presidente, como Comandante Suprema das Forças Armadas de meu país, haverei de contar com o espírito de corpo que distingue homens e mulheres da caserna, sentinelas em alerta, importantes mantenedores dos valores da nossa unidade nacional".
Fonte: Folha de São Paulo

Pedro Santos disse...

26 outubro 2010

Dilma divulga carta às Forças Armadas

No primeiro sinal direto aos militares na campanha, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, divulgou ontem uma carta às Forças Armadas. A seis dias das eleições, o documento, que conta com jargões militares, apresenta compromissos como manter o serviço militar obrigatório, o regime previdenciário diferenciado, além de reforçar a política salarial praticada no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a campanha e militares ouvidos pela reportagem, não há nenhum movimento contra a candidata, mas reclamações pontuais.

Uma das queixas contra a petista é o fato de não fazer referência ao trabalho do Exército nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma de suas principais bandeiras exploradas na campanha.

Dilma já havia sido convidada para dar palestra no Clube Militar, mas não compareceu, ao contrário de seu adversário, José Serra (PSDB).

O tucano divulgou em setembro um texto com teor semelhante ao que foi assinado por Dilma - o que foi interpretado como uma tentativa de reaproximação do candidato com as Forças Armadas.

Na carta, Dilma afirma que as Forças Armadas "estão entre as instituições com maior índice de confiança" no país, promete a reestruturação da indústria bélica nacional e a reorganização das Forças.

Segundo o texto, um eventual governo Dilma dará incentivos para três segmentos "imprescindíveis para a defesa do país: cibernético, espacial e nuclear".

Dilma, que foi presa e torturada pelo regime militar (1964-1985), fala na carta em continuar marchando em "cadência uniforme" e que as realizações do governo Lula serão "potencializadas".

A candidata afirma ainda que o "profissionalismo militar é forte elemento estruturante e está enraizado em nosso consolidado regime democrático".

Ao se despedir, Dilma diz que espera contar com os militares, se vencer as eleições.

"Se eleita presidente, como Comandante Suprema das Forças Armadas de meu país, haverei de contar com o espírito de corpo que distingue homens e mulheres da caserna, sentinelas em alerta, importantes mantenedores dos valores da nossa unidade nacional".

Lúcia disse...

Vocês são mesmo descarados! Com toda a imprensa já tendo sido obrigada a noticiar a armação do "escândalo dos dossiês e quebra de sigilo" (já que as autoridades da PF foram bem claras em suas explanações), que originou-se de guerra interna entre Aécio e Serra ("fogo amigo", portanto), e do qual forjou-se uma apropriação pelo PT (já que o grupo envolvido na pré-campanha, afinal, não foi efetivado na campanha, foi dispensado), mesmo assim vcs insistem nessa farsa! Vão tomar um pouco de vergonha na cara !
Domingo, vcs terão a resposta do povo à manipulação de vcs. As pessoas simples do povo não são imbecis como vcs supõe, elas sabem distinguir entre realidade cotidiana vivenciada e manipulações e enrolações intectuais. Essa é a "simples e ridícula" explicação da vitória de Lula e Dilma: não é marketeiro nem "estratégia mirabolante" nenhuma; é a força insuperável da melhoria real da vida comum, cotidiana, de milhões de pessoas, e de sua capacidade de distinguir isso de manipulações vis, as mais variadas.