sábado, 26 de março de 2011

Carta ao Guerreiro Arnold Schwarzenegger

Documento no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Índia Avelina

Guerreiro Americano, que vive na América como nós, Saudações.

Milhões cresceram vendo você vencer sozinho quadrilhas poderosas e políticas injustas em seu país.

E agora o vemos dedicando tempo e trabalho à causa amazônica.

É por isso que admiramos você:

Essas ações inspiram em nós o desejo de lutar pelo que é certo e justo.

Ficamos felizes e vimos saudá-lo, porque somos de paz.

A espada que Rondon deixou em Roraima representa amizade, união e solidariedade;

jamais a beligerância e a intransigência étnica.

Além disso, a presença do grande desbravador entre nós marca a época em que muitos do meu povo vestiram roupas pela primeira vez e podemos nos proteger do frio e das picadas de insetos.

Vivíamos em paz: índios, caboclos, colonos, viajantes.

Até que determinados religiosos decidiram implantar a discórdia e o racismo em nome de Deus e de Jesus Cristo.

Na Raposa/Serra do Sol, na Missão do Surumu, índios do meu povo foram doutrinados para praticar a injustiça a fim de expulsar muitos cidadãos brasileiros que lá viviam.

E, com a conivência de instituições brasileiras, usaram a polícia para

separar famílias em índios e não índios, desprezando a relação ancestral de parentesco entre índios e não índios, ribeirinhos, mestiços em geral, não só em Roraima, mas em todo o Brasil;

usando apenas o olhar da discriminação;

sem nenhum critério científico para distinguir índio de não índio.

Destruíram casamentos, separaram maridos de suas mulheres e de seus filhos, criando feridas que jamais serão saradas, num dantesco gesto de desumanidade.

O Deus do ocidente prega o amor, a união,não o ódio nem a separação de povos.

Por isso, vimos nos unir a você, Guerreiro,

Para, juntos, combatermos a coação, a injustiça,a violência com que

demarcam terras indígenas só para atender a metas propostas e decididas em fórum como esse, sem consulta livre, prévia e informada das minorias que, em termos quantitativos, são a maioria desprovida dos direitos fundamentais.

Somos humanos, somos irmãos, somos parentes.

Temos inteligência, emoção e vontade própria.

Por que impor aos índios uma vida diferente e precária, se há décadas organizações pedem dinheiro e realizam convênios em nome de acabar com essa miséria e abandono?

Por trás disso, está a ambição, não a preservação das nossas culturas.

É impossível preservar tradições quando juntam etnias diferentes para justificar a demarcação de territórios maiores?

Será coincidência o interesse das mineradoras estrangeiras nessas mesmas áreas?

Será coincidência estarem discutindo a exploração mineral em terras Indígenas e reformulando o estatuto do índio?

Escolhemos o Guerreiro Americano para levar nossa mensagem, na esperança de que as organizações nacionais e estrangeiras reflitam sobre o que é imposto aos povos indígenas, aos amazônidas em geral e ao país onde vivem nossos compatriotas, a partir de eventos mundiais como esse aqui.

Finalmente, por meio destas singelas palavras, manifestamos nossas aspirações, dizendo que queremos:

desfrutar os direitos à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança, à propriedade;

desenvolver boa educação, boa saúde, boa economia, boa cidadania, bons trabalhos;

dispor de boa alimentação, boas casas, boas estradas, bons transportes e de energia elétrica confiável; direitos cívicos como todos que desejam ter desenvolvimento e liberdade.

Nós queremos gozar os direitos fundamentais e os direitos humanos, assegurados na Constituição Federal e nos diversos diplomas internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Grande guerreiro americano, nós precisamos e nós acreditamos em você...

Talvez você possa vir a ser nosso ?agente? para conseguir fomento para suprir nossas necessidades nas áreas de educação e na segurança alimentar, prover financiamento para compra de máquinas e equipamentos, para execução dos nossos projetos sustentáveis.

A índia Avelina, Macuxi de 90 anos, é guardiã da Espada de Rondom. A carta foi entregue ontem ao ator e ex-governador da Califórnia (EUA) Arnold Schwarzenegger. O documento contém denúncias e desejos dos índios da Raposa Serra do Sol, a demarcação mais polêmica dos últimos anos e que gerou anos de conflitos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Os macuxis defendem os interesses nacionais com mais garra e verdade que os nossos legisladores e governantes.
O ruim é pedir socorro ao ator político americano por não ter resposta entre os mesmos brasileiros assimilados pela globalização

Anônimo disse...

Brasileiros que estavam cultivando nessas terras, na Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, foram expulsos. É o Brasil defendendo os seus Índios? Que nada, foram os Ingleses, de olho no Nióbio brasileiro. Digitem Niobio no seu instrumento de procura e saibam mais.