quarta-feira, 9 de março de 2011

Cúpula militar condena Comissão da Verdade

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão

Já está formalizado o desgaste da cúpula militar com a Presidenta Dilma Rousseff. E não é por questões salariais ou pelo novo descumprimento da promessa de reequipamento das três Forças. Os Altos-Comandos do Exército, Marinha e Aeronáutica formalizaram ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, a completa contrariedade com a criação da Comissão Nacional da Verdade – que seria uma das prioridades da ex-guerrilheira Dilma.

O Globo de hoje publica reportagem de Evandro Éboli informando que Jobim recebeu, mês passado, um documento com pesados ataques à proposta de criação da Comissão da Verdade. Na crítica militar, a comissão só serviria para abrir uma "ferida na amálgama nacional". Na interpretação da cúpula das Forças Armadas, o que se está querendo é "promover retaliações políticas". O texto foi escrito pela cúpula de Generais de Exército, tendo a adesão dos Brigadeiros e Almirantes.

Os militares apontam sete razões contrárias à comissão. Argumentam que o Brasil vive hoje outro momento histórico e que comissões como essas costumam ser criadas em um contexto de transição política, que não seria o caso. "O argumento da reconstrução da História parece tão somente pretender abrir ferida na amálgama nacional, o que não trará benefício, ou, pelo contrário, poderá provocar tensões e sérias desavenças ao trazer fatos superados à nova discussão".

As Forças Armadas pregam que não há mais como apurar fatos ocorridos no período dos governos dos presidentes militares: "Passaram-se quase 30 anos do fim do governo chamado militar e muitas pessoas que viveram aquele período já faleceram: testemunhas, documentos e provas praticamente perderam-se no tempo. É improvável chegar-se realmente à verdade dos fatos".

Os militares se apegam à decisão do Supremo Tribunal Federal que julgou improcedente a Arguição de Preceito Fundamento 153, proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. O STF negou a intenção da OAB de excluir da anistia os crimes previstos no artigo 5º, inciso XLIII da Constituição, confirmando que está em vigor a Lei 6683, de 28 de agosto de 1979, que concede a Anistia.

Confira a íntegra do documento produzido pelos militares, publicada pelo jornal O Globo:

http://oglobo.globo.com/pais/arquivos/EvandroDoc0001.pdf

O recado das Legiões para a chefona-em-comando Dilma não poderia ser mais claro e objetivo. Quem fica agora, mais ainda na corda bamba, é o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Dilma já o esvaziou desde o começo do governo. São enormes as chances de Dilma substituí-lo – ou de ele mesmo “pedir para sair”, no jargão do Coronel-Capitão Nascimento.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 09 de Março de 2011.

9 comentários:

Ronald disse...

Boa tarde Jorge,
Salve as FFAA, antes tarde do que nunca.
Que a ficha caia na cabeça da petralhada porque os defensores da Pátria não estão cochilando não.
Abçs

Paulo Figueiredo disse...

Serrão, não faz muito tempo escrevi um comentário sobre esta tal “comissão” aqui no Blog e acho oportuno repeti-lo, pois as intenções persistem.

Os esquerdopatas só estão colocando o programa revisionista em pauta porque estão obedecendo ordenamento superior. Na verdade, nem queriam e nem querem. Esta turma gosta muito mesmo é de dinheiro e isso não vai lhes render mais nada. Já receberam as bilionárias indenizações como “perseguidos políticos” nas “começões” e comedeiras.

Além de não render grana alguma, ainda há incômodo de possibilitar a abertura de arquivos com histórias comprometedoras que podem derrubar alguns mitos de falsos heróis (guerrilheiros por um dia, boi de raça, colaboracionistas, etc.etc.).

Observe que a mesma “ordem superior” (de caçar os militares) foi passada para todos os governantes “vermelhinhos” das Américas e todos colocaram em prática.

Portanto, são ordens superiores. E se forem desobedientes......

Abraço.

Anônimo disse...

Fico Muito Feliz em Ver que as Nossas FFAA estão atentas e ainda não nos abandonou, somos Brasileiros Verde Amarelo Azul e Branco, Não Vermelho, não deixem que façam aqui o que fizaeram na União Soviética de 1932 a 1933, mataram sete milhões de ucranianos de Fome, segue matéria a respeito

http://www.youtube.com/results?search_query=a+hist%C3%B3ria+sovietica+socialista+1&aq=f

Anônimo disse...

O servidor público federal militar pode acumular seu posto ou graduação com cargo público civil de quaisquer das três esferas políticas de poder?
A partir do advento do art. 42, § 3º. da CF/88, passou a ser vedado aos militares acumularem sua função com outra civil permanente; a proibição continuou a existir sob a doutrina da norma do art. 142, § 3º., II da CF/88, com a redação dada pela Emenda no. 18/98; o art. 17, § 1º. dos ADCT/88 permite a acumulação do cargo de médico militar com outro de mesma natureza, na Administração Direta ou Indireta, desde que já se pudesse verificar a acumulação no momento da promulgação da Constituição; o art. 142, § 3º., VIII da CF/88 não previu, dentre as hipóteses em que o regramento dos servidores públicos civis seria aplicável aos militares, o artigo 37, XVI, que trata da acumulação; e mesmo os médicos militares são militares em sua forma plena e, como tais, proibidos de acumularem cargos públicos. A questão da acumulação de cargos públicos civil e militar por médicos militares tem despertado equívocos de interpretação ao longo das Constituições Federais que vigeram, e assim continua até hoje. O entendimento "paisano" é de que, embora a acumulação não fosse possível, não competiria ao órgão ou entidade pública civil negar posse ao médico militar, mas sim à Administração Pública Militar, quando tomasse ciência da acumulação, adotar as medidas para a passagem do militar à reserva não remunerada.O STF em julgado entendeu ser possível a acumulação de cargos públicos civil e militar por profissionais de saúde admitidos antes da vigência da Constituição Federal de 1988, mas isto como resultado da aplicação do disposto no art. 17, § 2º. dos ADCT/88. A norma do art. 11 da Emenda Constitucional 20/98 alcança também a possibilidade de acumulação de cargos por "militares", convalidando, assim, inclusive os casos de acumulação não permitidos nos ordenamentos jurídicos anteriores. Os casos de acumulação indevida ocorridos até o advento do art. 17, parágrafo 2º. da Constituição Federal de 1988 foram portanto convalidados, e assim, aptos a conferirem ao militar, uma vez preenchidos os demais requisitos previstos na legislação respectiva, todos os direitos decorrentes do exercício dos cargos acumulados, respeitando-se, todavia, os limites constitucionais da remuneração dos servidores públicos.

Anônimo disse...

Quanto aos casos de acumulação não abrangidos pela norma do art. 17, parágrafo 2º. da Constituição Federal de 1988, estará tipificada a má-fé por parte do servidor militar se, uma vez notificado a optar por um dos cargos, não vier a fazê-lo, expressa ou tacitamente. A boa-fé nos casos detectados somente poderia vir a não ser presumida na hipótese de o servidor militar que estivesse a acumular indevidamente cargos públicos, se, uma vez notificado a optar por um deles, se negasse a fazê-lo, expressa ou tacitamente, ou seja, manifestando explicitamente a vontade de não optar, ou deixando de fazê-lo no prazo que para isso lhe fosse designado, nos moldes do art. 133 da Lei no. 8.112/90, com a redação dada pela Lei no. 9.527/97. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal sempre manifestou-se firmemente no sentido de negar aos servidores militares a possibilidade de acumularem o posto ou a graduação com qualquer cargo público civil, em quaisquer das esferas políticas de poder. Porque então inúmeros militares médicos, em franco desrespeito à Constituição e leis militares até, foram e são investidos e nomeados em cargos públicos pelo Brasil inteiro e não são notificados a optar por alguma das carreiras? Porque o sistemático descumprimento do que reza a Lei Maior e os regulamentos militares por militares que estão a exercer outros cargos públicos a nível municipal, estadual ou federal, sem que sejam admoestados e obrigados a escolher qual carreira querem afinal, ser militares ou outras profissões? A resposta está em que o serviço de saúde militar seria quase que esvaziado por conta de muitas demissões e poucos interessados entrariam nos concursos militares se soubessem que não poderiam exercer nenhuma outra atividade além da carreira militar, a qual exige total exclusividade em prol da Pátria. um anonimo servidor militar.

Anônimo disse...

Quanto aos casos de acumulação não abrangidos pela norma do art. 17, parágrafo 2º. da Constituição Federal de 1988, estará tipificada a má-fé por parte do servidor militar se, uma vez notificado a optar por um dos cargos, não vier a fazê-lo, expressa ou tacitamente. A boa-fé nos casos detectados somente poderia vir a não ser presumida na hipótese de o servidor militar que estivesse a acumular indevidamente cargos públicos, se, uma vez notificado a optar por um deles, se negasse a fazê-lo, expressa ou tacitamente, ou seja, manifestando explicitamente a vontade de não optar, ou deixando de fazê-lo no prazo que para isso lhe fosse designado, nos moldes do art. 133 da Lei no. 8.112/90, com a redação dada pela Lei no. 9.527/97. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal sempre manifestou-se firmemente no sentido de negar aos servidores militares a possibilidade de acumularem o posto ou a graduação com qualquer cargo público civil, em quaisquer das esferas políticas de poder. Porque então inúmeros militares médicos, em franco desrespeito à Constituição e leis militares até, foram e são investidos e nomeados em cargos públicos pelo Brasil inteiro e não são notificados a optar por alguma das carreiras? Porque o sistemático descumprimento do que reza a Lei Maior e os regulamentos militares por militares que estão a exercer outros cargos públicos a nível municipal, estadual ou federal, sem que sejam admoestados e obrigados a escolher qual carreira querem afinal, ser militares ou outras profissões? A resposta está em que o serviço de saúde militar seria quase que esvaziado por conta de muitas demissões e poucos interessados entrariam nos concursos militares se soubessem que não poderiam exercer nenhuma outra atividade além da carreira militar, a qual exige total exclusividade em prol da Pátria.A resposta está em que o serviço de saúde militar seria quase que esvaziado por conta de muitas demissões e poucos interessados entrariam nos concursos militares se soubessem que não poderiam exercer nenhuma outra atividade além da carreira militar, a qual exige total exclusividade em prol da Pátria.o que não ocorre com oficiais médicos de nossa região militar, vide os drs. carlos ernani kohling e aleksandra sharapin sagrilo, esta até atual chefe do posto medico de uruguaiana, os quais são ambos medicos peritos do INSS e oficiais de carreira do exercito brasileiro. um anonimo cansado de ver coisas erradas...

Anônimo disse...

Haja militares!
Enquanto isso, a terrorista passa férias em instalações militares no Natal, com total proibição de os mesmos entrarem com celulares enquanto ela lá permanecer com a filho e o neto.
Ditadura mesmo nas barbas dos militares?
Haja militares?

Carlos Bonasser disse...

Caríssimos ...
Nem precisa ser Militar para se dar conta de que graças aos governos ditos Militares pelos vermelhos revanchistas, é que podemos hoje estar falando abertamente com a devida liberdade responsável, pois do contrario se eles houvessem assumido o?Governo na época de 64, nós aqui estaríamos vestidos caqui, com chapéu de palha e uma enxada nos ombros, labutando no plantio para alimentar os chefes comunistas, nos moldes da velha URSS, como bem lembrou um nobre come3ntarista.

Ainda sobre os vermelhos revanchistas, se eles tivessem o domínio do poder em 64, hoje estriamos com nossos muros manchados de sangue de milhares de inocentes, com fez os seus heróis de Cuba, Fidel e o assassino Che, que em ato de heroísmo desferia o tiro de misericórdia nos inocentes agonizantes, tendo isso com um hobe.
Agora tem uma coisa, os nossos Oficiais Generais da atualidade devem colocar as barbas de molho, pois quando o poder sobe ao cérebro, o pseudo chefe supremo acreditando ser de fato, pode querer catequizá-los com o intuito de aparelhar os últimos redutos ainda pendentes.
Outra coisa é o ingresso desse ex-deputado, ex-guerrilheiro, ex-traidor e ex-tudo, que está assumindo cargo no MD, que dizem os articulistas que ele goza de livre transito nos meios militares, o que duvido, pode ser que tome gosto e aí o caldo pode entornar.
Na verdade os Militares devem sim se opor ao que o Governo vem querendo fazer com essa imoralidade de Comissão, pois é sabido que eles de fato entendem bem é de comissão afetas a corrupção, isso sim eles entendem. Já possuímos inúmeros livros e arquivos históricos contando o que ocorreu naquele período, inclusive contado por ambas as partes, já não há mais espaço nem para recontar a historia e nem para trazer à tona assuntos que em nada contribuiria e nem relevância teria no transcurso da nossa historia, somente mentes mesquinhas e vingativas como as dos vermelhos se servem desses expedientes maquiavélicos no sentido de transferir o foco da atenção para um determinado lado, para que outros possam na calada da noite articular manobras que serviriam para enxovalhar as poucas instituições sérias que nos restam.
Acredito que quase a totalidade da sociedade esteja perfilhada com as idéias emanadas desses Chefes Militares que homologaram esse documento, e o Jobim, como violador da Constituição, não é um elemento confiável, basta ver sua trajetória e o que é mais grave, seu interesse político fala mais alto.
Bem... Em realidade já não era sem tempo que os nossos Militares, reconheçam que são eles os defensores da Pátria e é com eles que a Nação também conta. É chegada à hora de forma sutil mostrar a esses imbecís que os Militares são antes de tudo brasileiros e como poucos são os que cultuam o amor pelo seu rincão e o verdadeiro patriotismo, valores há muito esquecidos por essa esquerdopata viciada em poder e no que é publico.
Abraços.
Carlos Bonasser.
Militar

Trico,posso aprender? disse...

vai toma no cu e não fala da minha mãe seu filha da puta