terça-feira, 15 de março de 2011

Poderosos e Poder

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Podem identificá-los como seitas secretas, iluminattis, controladores mundiais, bilderbergers, skull&bones, rhodes scholars, CFR (Conselho de Relações Exteriores), Trilateral Commission, Brotherhood, Clube disto ou daquilo. Eles estão presentes, controlam até o Real que sobra no seu bolso e sabem o que você pensa... Poder material contra poder espiritual.

A conspiração para o governo mundial existe. E depende da energia que a gente, mesmo inconsciente, canalise para potencializar sua realização. Há séculos a riquezaa das nações tem sido aplicada prioritáriamente em guerras. Os governantes das nações do mundo inteiro, armam exércitos, armam grupos rebeldes para manter a gente aterrorizada e obediente.

Os desenhos geopolíticos, estratégia de defesa, fabricação de armas sofisticadas, planos de ataque, mapeamento de áreas, logística, espionagem física e eletrônica, capacitação de tropas, tudo exige o dispêncio de somas astronômicas. O resultado das guerras tem sido, em última instância, a posse ou domínio de recursos maateriais.

A finalidade objetiva dos poderosos é selada com um tratado, firmado sobre montanhas de cadáveres e cidades em escombros. Geralmente o vencedor passa à condição de sócio, promovendo a reconstrução da área devastada e criando empregos nas áreas de exploração econômica, enquadradas no esquema clássico: países desenvolvidos - ricos, também ditos "civilizados" e "nações em desenvolvimento"... eterno.

Poder-se-ia dizer: países com poder econômico e militar e países submetidos, "endividados". De repente, uma crise! Melhor dizendo um golpe dos bancos. E se expõe a fragilidade da riqueza sob controle dos banqueiros, donos das grandes corporações, que decidem unilateralmente a forma de pagamento: quero um pedaço da Amazônia, quero dominar a agro indústria, quero que vocês deixem as fronteiras livres, quero que vocês...

Com tanto querer, com tanta dívida, o portal Terra publicou no dia 225 de Fevereiro o relatório da UNICEF, com as perspectivas imediatas para os jovens dos "países em desenvolvimento". Diz a ONU: "centenas de milhares de jovens estão sendo usados por grupos armados como 'soldados, espiões, mensageiros ou escravos sexuais". Omitiram os mortos, os mutilados e os abortados. Omitiram os "soldados" do narcotráfico.

A desgraceira segue: "150 milhões de crianças entre 5 e 14 anos estão sendo forçadas a trabalhar... 1 milhão de menores estão na prisão... 13% da força de trabalho mundial de menores de 19 anos não têm emprego... e o desemprego vai aumentar." Parece até recado enviesado, prá fortalecer as posições dos comunistas da ONU, que prometem mundos e fundos como o tal "criança esperança".

E os governantes só priorizam os resultados econômicos que são utilizados para pagar juros aos banqueiros, sobre uma dívida impagável. Houve um tempo em que cada país tinha sua moeda, seu lastro ouro garantindo o que estava em circulação. Agora a garantia é a força de trabalho, a capacidade de pagar impostos e os recursos naturais abundantes que são retirados a preço aviltante. Os ricos DEPENDEM das reservas e do trabalho dos pobres "países em desenvolvimento".

Porisso os pobres são enrolados como dependentes da moeda padrão internacional inventada pelos bancos. Tudo isto seria evitado se cada país criasse seu próprio dinheiro. Por que os governantes não fazem isto? Simples: quem tentou se livrar da rede bancária internacional, foi assassinado.

Agora vejam como eles são humanos: o Japão enfrentando a pior das tragédias pede um empréstimo. A resposta é: "Não!". Mas para os grupos que lutam para derrubar Kadafi e para os outros que se insurgem no Oriente Médio e para as diversas guerras, eles liberam dinheiro imediato, sem limites.

Para "salvar da crise fabricada", o sistema financeiro que inventaram, impuseram e utilizaram para praticar fraudes e roubos, para forçar os países a pedir mais empréstimos...fabricaram da noite para o dia trilhões, quatrilhões, quintilhões de moedas... para emprestar aos governos. E dos "países em desenvolvimento" exigem que comprem mais, paguem mais e utilizem cada vez mais tóxicos mentais e químicos importados.

"Então meu, não tem saída!" Melhor, tem sim. Vivemos em ciclos e somos envolvidos por líderes responsáveis por grandes obras como: manutenção da ignorância, matanças seletivas, aprovação de venenos para consumo das populações, fabricação de mísseis, armas químicas e biológicas, prisões e torturas, genocídios, controle populações, perseguição religiosa, zonas de exclusão... e muito discurso e muita promessa.

Ter consciência disto, já é um passo. A nós, cabe, com tolerância e humildade dar o exemplo, respeitando a liberdade e a integridade do outro, praticando a disciplina do autodomínio e do auto conhecimento, vivendo sob o comando do poder maior que mobiliza o coração de cada um.

Buscando a sabedoria, podemos condzir cada ação e cada palavra para o objetivo eleito. E assim, servir ao irmão, à família, à Pátria, à Humanidade e a Deus, a Inteligência Universal, certos de que somente o saber nos torna donos do nosso nariz, neste trânsito de tempo incerto.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Nenhum comentário: