domingo, 11 de setembro de 2011

Dilma Rousseff e as apreensões na Semana da Pátria

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva

Quem é na verdade a presidenta eleita? Sabe-se que é oriunda da classe média alta e teve educação pautada no tradicional. Ainda jovem, todavia, o ideário socialista, que abraçou entusiasmada em 1964, foi de molde a iniciá-la na militância e a fazêla participante da luta armada no Comando de Libertação Nacional e, depois, na Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, esta liderada por Carlos Lamarca. Presa por quase três anos, entre 1970 e 1972, uns e outros, inclusive ela, afirmam ter sido torturada neste período.

Como definí-la se, quando titular da Casa Civil e convocada para prestar esclarecimentos no Congresso, teria se esquivado ficando o dito por não dito? Sim porque, hoje, sua fama de guardiâ da lisura administrativa já está sendo cantada em prosa e verso. Com certeza é corajosa pois assumiu a maternidade do PAC, por outorga de Lula, justo um programa cujo gerenciamento vem sendo volta e meia investigado pelo TCU.

Essas aprensões, em verdade, estão a amadurecer desde o último pleito presidencial justamente pela sua falta de opção. Os candidatos eram todos de mesmo viés político-filosófico e, se considerado o rumo de desintegração social palmilhado pelo País, embrionário nos mandatos de FHC e amadurecido nos de Luiz Inácio, mais um governo com esse apetite diferenciador de etnias e a identidade nacional estará pulverizada. Assim, não há cidadão que não se quede apreensivo neste “7 de setembro” a conjeturar sobre qual seja o verdadeiro projeto psicossocial de quem assumiu a chefia do governo?

Como não ficar apreensivo se o solo da pátria mãe, hoje, admite que “quilombos” e “reservas indígenas” sejam impeditivos de circulação pelos irmãos de outras etnias? Em verdade, todos se lembram, não vai longe o dia em que o cidadão negro não se considerava afro-descendente, mas, tão somente, brasileiro como seus irmãos de outras origens. Como não se inquietar com a vulnerabilidade admitida nos verdadeiros “kosovos” concedidos aos indígenas?

Seus antepassados, ainda hoje reconhecidos e exaltados pelo passado heróico das tribos, os temiminós de Ararigbóia, os potiguares de Poti, os manaus de Ajuricaba, aquela argamassa de guerreiros de acendrado amor à Pátria que nasceu em meio à cobiça dos estrangeiros, por certo, não se sentiria à vontade apelando para cortes internacionais dominadas pela gang do Conselho de Segurança da ONU. È lamentável a que se conseguiu reduzir atualmente o “espírito imortal de Guararapes”, aquele mesmo, de indizível sentimento de brasilidade que forjou o Exército e que, parece, só é mantido intacto no seio das Forças Armadas!

Qual a percepção de nossa presidenta para expressões tais como: sistema de cotas, quilombolas, nações indígenas? Para onde vamos com esses vocábulos desintegradores que estão sendo usados amiúde por políticos, intelectuais, professores, membros de uma elite descomprometida que, em absoluto, não atinou ainda para a era de cizânia na qual está a se chafurdar a nação? Que alguém responda, devemos esperar de Dilma Roussef a mesma demagogia desagregadora e mambembe de Lula ou, quem sabe, seremos surpreendidos com uma visão de estadista como a de Pedro II, com o tirocínio geopolítico como o do Barão do Rio Branco, com sentimento de integração nacional como o do Duque de Caxias? Se isto acontecer, a grata surpresa é claro, só poderíamos aplaudi-la e de pé!

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é Coronel de Infantaria e Estado-Maior.

Nenhum comentário: