terça-feira, 20 de dezembro de 2011

“Comissão da Verdade”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por José Carlos Leite Filho

A Presidente da República sancionou a lei que cria a Comissão da Verdade (sic) com o propósito declarado de investigar violações de direitos humanos ocorridas no período de 1946 a 1988, devendo, agora, nomear um grupo governamental composto de sete membros de sua livre escolha, para tratar do assunto.

Trata-se de uma encenação surrealista cujo conhecimento não pode ser ignorado pela população brasileira e, para ajudar nesse desiderato, valer-me-ei do editorial do “O AVAIANO-Órgão Informativo da Turma Avaí”, do corrente mês, que reúne seleta oficialidade egressa da Academia Militar de Agulhas Negras, em face da clareza, objetividade e síntese com que o tema foi nele enfocado.

Eis a transcrição parcial: “Ao serem nomeados, os integrantes da dita comissão terão seis meses para elaborar um plano de trabalho e então iniciarão suas atividades, que deverão ser finalizadas num período de dois anos, quando será divulgado um relatório sobre as violações encontradas. David Bardacci, em seu livro “Toda a Verdade”, cita um anônimo que afirmou: “Por que perder tempo descobrindo a verdade, quando se pode facilmente criá-la”.

Aí está. Para que tamanha pantomima, quando já se sabe a que verdade eles pretendem chegar. Não é necessário ter mais do que dois neurônios para perceber que se trata de “jogo com cartas marcadas”, para a vingança maligna e revanchista contra aqueles que, no estrito cumprimento do dever, expuseram suas vidas para livrar o país da sanha comunista.

O período 46/48 é um embuste, pois sabemos que só serão focados os atos do período da contra-revolução de 64 e, assim mesmo só os da repressão, pois o que os terroristas fizeram não conta. Não atentaram contra os direitos humanos.

Para eles foi heroísmo o massacre do Tenente PM Mendes Júnior, o assassinato do Sargento Walder da Aeronáutica, o assassinato do capitão norte-americano, os seqüestros dos Embaixadores alemão, suíço e americano, o roubo do cofre da mansão de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, a estúpida morte do soldado Mário Kosel Filho e tantos outros. Este lado a comissão não verá.

O governo quer que o povo saiba a verdade, mas esquece que esse povo não é imbecil a ponto de acreditar que só um lado agiu. O povo sabe que “quem faz, leva”, versão popular da 3ª lei de Newton – “À toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade”. Partiram para a luta armada, receberam o troco.

Os métodos adotados foram violentos? Creio que proporcionais e compatíveis com a situação. Mas, as alegadas torturas jamais poderão ser comparadas, por exemplo, ao covarde trucidamento a coronhadas de um indefeso prisioneiro. Esta comparação o povo sabe fazer e esta é a verdade que precisa saber.

A comissão, lamentavelmente usará os seis meses, mais os dois anos, para bater papo, tomar cafezinho, ganhar boa remuneração, quem sabe até diárias e gratificações, para, no final, botar no papel a mendacidade que lhe será imposta no momento da nomeação.

Um governo que mantém um ministro que mente pelos cotovelos – “não viajei no avião (mas viajou), não conheço o empresário (mas conhece)...” tem coragem de falar em “verdade”. Ora! Faça-me o favor.”

Até quando, digo eu, o governo sentirá necessidade de mistificar em nome da verdade?

José Carlos Leite Filho é General de Exército na Reserva – linsleite@supercabo.com.br - Publicado no “O Jornal de Hoje”, de Natal-RN, em 19 de dezembro de 2011).

6 comentários:

marcelo disse...

CHOREM BRASILEIROS!
Dois fatos aconteceram no mês de dezembro de 2011. Um que deveria ser orgulho de todos os brasileiros e outro que mostra a torpeza humana quando guiada pela cegueira da paixão política ideológica.
MORREU UM HEROI NACIONAL. Faleceu no último dia 3 de dezembro em Niteroi, Rio de Janeiro, de causas naturais aos 93 anos de idade, o veterano da FEB Coronel Iporan Nunes de Oliveira.
Os senhores já ouviram falar nesse brasileiro, que, como 1º tenente na FEB, conquistou a cidade de MONTESE? O seu pelotão progredindo com dificuldade em meio a intenso bombardeio da artilharia alemã, ele e seus soldados conseguiram atingir as alturas da cidade, embora fossem cortados do restante das tropas. No dia seguinte, consolidaram as posições de dominação da localidade, destruindo os últimos focos de resistência inimiga.
A sua valentia e a sua liderança mereceram o reconhecimento de dois Países.
Por sua extrema tenacidade na liderança do pelotão durante o ataque, o TENENTE IPORAN FOI CONDECORADO PELO EXÉRCITO DOS EUA COM A SILVER STAR - QUE FOI-LHE ENTREGUE PESSOALMENTE PELO GENERAL CHARLES GERHALT EM CUIABÁ, NO DIA 15 DE JULHO DE 1946.

ELE TAMBÉM RECEBEU A ORDEM DO IMPÉRIO BRITÂNICO, CONCEDIDA PELO MARECHAL-DE-CAMPO HAROLD ALEXANDER NO RIO DE JANEIRO, EM 15 DE JUNHO DE 1948.
Recebeu ainda inúmeras medalhas nacionais, mas ao morrer nenhuma homenagem. Foi esquecido pelo seu País.
Ele e o seu Pelotão arriscaram a vida lutando pela liberdade.

Neste mesmo mês um criminoso, um assassino, completaria 100 anos e foi homenageado por autoridades brasileiras como se alguma coisa tenha feito pelo Brasil. Foi até anistiado e a família desse facínora irá receber dinheiro por ter combatido a liberdade e ter querido implantar uma ditadura.

O GRUPO GUARARAPES transcreveu alguns trechos do artigo muito bem
escrito por Reinaldo Azevedo para que os amigos não deixem de ler a desgraça que vai sendo implantando no nosso Querido Brasil.
”Carlos Marighella, chefe do grupo terrorista “Ação Libertadora Nacional” (ALN), foi homenageado pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.
Declarou, então, a conselheira Ana Maria Guedes: “A Comissão da Anistia, em nome do Estado brasileiro, faz os mais sinceros pedidos de desculpas pelas atrocidades que foram cometidas contra o herói do povo brasileiro, Carlos Marighella”.
Isso mesmo, "Em nome do Estado"!!! Do povo!!!
“Marighella era o chefe da ALN, que MATOU UMA PENCA DE PESSOAS, muitas delas sem qualquer ligação com a luta política.” “Também omite o fato de que ele foi o autor do “Mini Manual da Guerrilha Urbana", em que faz aberta e explicitamente a defesa do terrorismo e do assassinato de soldados.” E, como é sabido, não ficou apenas na teoria.
Há uma lista de pessoas assassinadas pela ALN, sozinha ou em associação com outros grupos, porém AS FAMÍLIAS DESSAS PESSOAS NÃO FORAM NEM SERÃO INDENIZADAS.

A COMISSÃO DE ANISTIA EXISTE PARA CONCEDER BENEFÍCIOS SÓ A ESQUERDISTAS CONSIDERADOS "VÍTIMAS DO REGIME MILITAR".
Os mortos de esquerda são heróis e os que não são perdem até o direito de ter um nome. Aliás, o fato desaparece”.

Como se nota, o jornalismo brasileiro, com as exceções de praxe, ajuda a enterrar a memória.

Anônimo disse...

Vai aqui uma contribuição à Comissão da Verdade.

PESSOAS ASSASSINADAS PELA ALN, DO “HERÓI” CARLOS MARIGHELLA-

10/01/68 - AGOSTINHO FERREIRA LIMA - Marinha Mercante - Rio Negro – AM.
No dia 06/12/67, a lancha da Marinha Mercante “Antônio Alberto” foi atacada por um grupo de nove terroristas, liderados por Ricardo Alberto Aguado Gomes, “Dr. Ramon”, que, posteriormente, ingressou na Ação Libertadora Nacional (ALN). Neste ataque, Agostinho Ferreira Lima foi ferido gravemente, vindo a morrer no dia 10/01/68.

- 08/05/69 - JOSÉ DE CARVALHO - Investigador de Polícia - SP
Atingido com um tiro na boca durante um assalto a uma agência do União de Bancos Brasileiros, em Suzano, no dia 07 de maio, morreu no dia seguinte. Nessa ação, os terroristas feriram, também, Antonio Maria Comenda Belchior e Ferdinando Eiamini. Participaram os seguintes terroristas da ALN: Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Takao Amano, Ney da Costa Falcão, Manoel Cyrilo de Oliveira Neto e João Batista Zeferino Sales Vani. Amano foi baleado na coxa e operado em um “aparelho médico” por Boanerges de Souza Massa, médico da ALN.

- 22/06/69 - GUIDO BONE - soldado PM - SP
Morto por militantes da ALN que atacaram e incendiaram a rádio-patrulha RP 416, da então Força Pública de São Paulo, hoje Polícia Militar, matando os seus dois ocupantes, os soldados Guido Bone e Natalino Amaro Teixeira, roubando suas armas.

- 22/06/69 - NATALINO AMARO TEIXEIRA - Soldado PM - SP
Morto por militantes da ALN na ação acima relatada.

- 03/09/69 - JOSÉ GETÚLIO BORBA - Comerciário - SP
Os terroristas da ALN Antenor Meyer, José Wilson Lessa Sabag, Francisco José de Oliveira e Maria Augusta Tomaz resolveram comprar um gravador na loja Lutz Ferrando, na esquina da Avenida Ipiranga com a Rua São Luis. O pagamento seria feito com um cheque roubado num assalto. Descobertos, receberam voz de prisão e reagiram. Na troca de tiros, o guarda civil João Szelacsak Neto ficou ferido com um tiro na coxa, e o funcionário da loja, José Getúlio Borba, foi mortalmente ferido. Perseguidos pela polícia, o terrorista José Wilson Lessa Sabag matou a tiros o soldado da Força Pública (atual PM) João Guilherme de Brito.

- 03/09/69 - JOÃO GUILHERME DE BRITTO - solado da Força Pública - SP (ver relato acima)

- 11/03/70 - NEWTON DE OLIVEIRA NASCIMENTO - Soldado PM - RIO DE JANEIRO
No dia 11/03/70, os militantes do grupo tático armado da ALN Mário de Souza Prata, Rômulo Noronha de Albuquerque e Jorge Raimundo Júnior deslocavam-se num carro Corcel azul, roubado, dirigido pelo último, quando foram interceptados no bairro de Laranjeiras por uma patrulha da PM. Suspeitando do motorista, pela pouca idade que aparentava, e verificando que Jorge Raimundo não portava habilitação, os policiais ordenaram-lhe que entrasse no veículo policial, junto com Rômulo Noronha Albuquerque, enquanto Mauro de Souza Prata, acompanhado de um dos soldados, iria dirigindo o Corcel até a delegacia mais próxima. Aproveitando-se do descuido dos policiais, que não revistaram os detidos, Mário, ao manobrar o veículo para colocá-lo à frente da viatura policial, sacou de uma arma e atirou, matando com um tiro na testa o soldado da PM Newton Oliveira Nascimento, que o escoltava no carro roubado. O soldado Newton deixou a viúva, Luci, e duas filhas menores, de quatro e dois anos.

- 29/08/70 - JOSÉ ARMANDO RODRIGUES - Comerciante - CE
Era proprietário da firma Ibiapaba Comércio Ltda. Depois de sua loja ser assaltada, foi seqüestrado, barbaramente torturado e morto a tiros por terroristas da ALN. Seu carro foi lançado num precipício na serra de Ibiapaba, em São Benedito, CE. Autores: Ex-seminaristas Antônio Espiridião Neto e Waldemar Rodrigues Menezes (que fez os disparos), José Sales de Oliveira, Carlos de Montenegro Medeiros, Gilberto Telmo Sidney Marques,
Timochenko Soares de Sales e Francisco William.

CHOREM BRASILEIROS!

Anônimo disse...

Outras contribuições para a CV

- 14/09/70 - BERTOLINO FERREIRA DA SILVA - segurança - SP
Morto durante assalto praticado pelas organizações terroristas ALN e MRT ao carro pagador da empresa Brinks, no Bairro do Paraíso, em são Paulo.

-15/04/71 - HENNING ALBERT BOILESEN - Industrial - SP
Ligado à Operação Bandeirantes, que combatia as organizações de esquerda, foi assassinado, entre outros, por Carlos Eugênio da Paz (há depoimento deste senhor no blog). Participaram ainda dação os terroristas Yuri Xavier Pereira, Joaquim Alencar Seixas, José Milton Barbosa, Dimas Antonio Casimiro e Antonio Sérgio de Matos. No relatório escrito por Yuri, apreendido pela polícia, lê-se: “Durante a fuga, trocávamos olhares de contentamento e satisfação. Mais uma vitória da Revolução Brasileira”. Sobre o corpo de Boilesen, atingido por 19 tiros, panfletos da ALN e do MRT, dirigidos “Ao Povo Brasileiro”, traziam a ameaça: “Como ele, existem muitos outros e sabemos quem são. Todos terão o mesmo fim, não importa quanto tempo demore; o que importa é que eles sentirão o peso da JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA. Olho por olho, dente por dente”.

- 20/01/72 - SYLAS BISPO FECHE - Cabo PM São Paulo - SP
O cabo Sylas Bispo Feche integrava uma Equipe de Busca e Apreensão do DOI/CODI/II Exército. Sua equipe executava uma ronda quando um carro VW, ocupado por duas pessoas, cruzou um sinal fechado quase atropelando uma senhora que atravessava a rua com uma criança no colo. A sua equipe saiu em perseguição ao carro suspeito, que foi interceptado. Ao tentar aproximar-se para pedir os documentos dos dois ocupantes do veículo, o cabo Feche foi metralhado. Dois terroristas, membros da ALN, morreram.

- 01/02/72 - IRIS DO AMARAL - Civil - RJ
Morto durante um tiroteio entre terroristas da ALN e policiais. Ficaram feridos nesta ação os civis Marinho Floriano Sanches, Romeu Silva e Altamiro Sinzo. Autores: Flávio Augusto Neves Leão Salles (”Rogério”, “Bibico”) e Antônio Carlos Cabral Nogueira (”Chico”, “Alfredo”.)- DAVID A. CUTHBERG - Marinheiro inglês - RJ
A respeito desse assassinato, sob o título “REPULSA”, o jornal “O Globo” publicou:
“Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos de Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender. Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas
o fatal risco de balas, para, logo em seguida, completar a infâmia, despejando sobre o corpo, ainda palpitante, panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiraspara suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra jovem inocente,
em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que
faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos”.
A ação criminosa foi praticada pelos seguintes terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas: - ALN - Flávio Augusto Neves Leão Salles (”Rogério”, “Bibico”), que fez os disparos com a metralhadora, Antônio Carlos Nogueira Cabral (”Chico”, “Alfredo”), Aurora Maria Nascimento Furtado (”Márcia”, “Rita”), Adair
Gonçalves Reis(”Elber”, “Leônidas”, “Sorriso”).

lgn disse...

Eu gostaria de estar totalmente enganado, mas o sargento está malhando em ferro frio, como se diz. Desde o governo de Fernando Henrique Cardoso se processa o que se chama de apequenamento das FA. Promessas de profissionalização, de investimento na modernização das FA, etc., etc. Tudo vai sendo protelado para uma data futura. Com os problemas que por certo baterão em nossas costas, os países europeus se debatem procurando uma saída muito difícil de ser achada. Haverá encolhimento da atividade econômica em todo o mundo e, mais uma vez e por esta razão, não se poderá investir em armamento, em aprimoramento ou até mesmo na manutenção das FA. Por essas e outras razões o nobre sargento deverá, se quiser aumentar seu soldo, entregar-se às tarefas civis nas horas vagas. Aliás, é o que fazem os policiais militares exercendo vigilância particular em muitos bairros desse Brasil varonil. Sigam o exemplo daqueles árbitros de futebol europeu que são padeiros, pedreiros, carteiros, etc., e fazem do futebol um bico para aumentar o minguado salário.
Ou eu muito me engano, mas o sargento está batendo na porta errada. Por detrás dela não haverá viv'alma para ouví-lo,

Anônimo disse...

Verdades chocantes.
...Sem Honrosas Exceções...

marcelo disse...

Neste país de MENTIRAS, é possível que o vergonhoso pedido de socorro do sargento gere uma suposta comoção na dama de vermelho e ela, derramando lágrimas de crocodilo, resolva dar uma esmola para os milicos.
Especialista em técnicas de guerrilha, esse golpe da mulher-macho na milicada, os pegaria de calça curta e arrebanharia mais uns milhares de votos para o seu partido demoníaco.

Os generais já estão no papo, só falta a imensa tropa de miseráveis e despreparados...