quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Mini Manual da CV ou o Decálogo da “Enrabação”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

Em solidariedade ao recente movimento de louvação ao vate do terrorismo, Carlos Marighella, cuja obra é considerada pela Academia Brasileira de Letras um clássico da literatura universal, sugerimos com os mesmos propósitos daquela incomparável obra – prima, a instituição de um mini manual para usufruto da Comissão da Verdade (CV):

Primeiro - Não deixar escapar nenhum Agente da Repressão constante do listão.

- O importante é que a punição seja exemplar para que nunca mais os fantasiados de verde - oliva e simpatizantes se metam a besta.

Segundo - Não duvidar dos pobres e inocentes “torturados”.

- Acreditar, piamente, nas alegações dos coitados “torturados”, ainda mais que os “torturadores” nunca serão escutados. Como quem cala consente, trolha neles.

Terceiro - Não deixar de divulgar e tripudiar o nome dos acusados.

- Partir do principio de que um paladino da subversão não mente jamais, e quaisquer acusações e nomes que surjam nas investigações deverão ser divulgados sem piedade. Doa a quem doer.

Quarto - Não aceitar provas que possam aliviar o peso da lei que deverá recair na cabeça dos agentes acusados.

- Embora tal medida já esteja prevista nos Estatutos da Comissão, os seus membros não poderão ler obras como a “Grande Mentira”, “A Verdade Sufocada”, e outras que constam no index do governo petista por desvirtuarem a verdade.

Quinto - Não admitir alegações de que os “torturadores” agiam cumprindo ordens.

- Considerar que os “torturadores” cumpriam ordens da ditadura militar, portanto as ordens careciam dos respaldos legais.

Sexto - Não questionar se os “torturados” pretendiam instalar uma ditadura comunista.

- Repudiar a acusação. É conhecido de sobejo que os “torturados” ansiavam por decretar a vigência de uma democracia tipo marxista – leninista.

Sétimo - Não aceitar qualquer alegação para minimizar atos falhos.

- Não esquecer que as simples ameaças do tipo “é bom confessar senão vais levar umas tapas”, mesmo que as tapas não tenham sido aplicadas, o stress da ameaça, causou danos morais irreparáveis, que nem uma polpuda indenização poderá minimizar.

Oitavo - Não deixar de aplicar aos “torturadores” a máxima sentença.

- Sempre que possível apoiar, explicitamente, o projeto de lei da deputada Luiza Erundina que prevê o fim da Lei da Anistia e a execução dos “torturadores” em hasta pública.

Nono - Não justificar a tortura por causa do terrorismo.

- Tortura é crime em qualquer circunstância; terrorismo, com propósitos humanitários e/ou libertários e/ou ideológicos, não.

Décimo - Não se esquecer de por em praticar a máxima cubana “Com escrotidão, porém com ternura”.

- Em caso de dúvida, mesmo diante de tantos casos escabrosos e histórias inverossímeis, não esquecer que o acusador sempre tem razão e se praticou um ou dois atos terroristas, por sua determinação e coragem, deve ser enaltecido como um herói.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Presidente do Ternuma, é General de Brigada Reformado.

4 comentários:

Anônimo disse...

Se os militares defenderam a nação do comunismo porque tem tanto medo de serem presos pelos crimes que cometeram? Porque pelo que eu saiba, os "terroristas" como o jornalista Vladmir Herzog tiveram a pena máxima: tortura e morte. Por que os militares torturadores tem tanto medo de uma cadeiazinha? A pergunta que não quer calar.

Anônimo disse...

Anônimo das 1:44

Para si seu bastardo soviético, a pergunta que não quer calar! Se os militares defenderam a Nação dos soviéticos que queriam derrubar o regime democraticamente eleito, apenas cumpriram seu Dever e mal, porque deixaram vivos tanto FDP soviético que hoje estão milionários com as recompensas recebidas mamando nas tetas da Viúva. Estou errado, seu bastardo soviético? Veja, seu bastardo soviético, você até escreve no respeitável e democrático Blog de direita em vez de o fazer no do Dirceu!

Vocês, bastardos soviéticos, recebiam ordens diretamente do Komitern situado no Kremlin em Moscou. Estou errado, seu bastardo soviético?

Vocês, bastardos soviéticos quiseram por meio da força instalar um regime soviético não só no Brasil mas em toda a AL.

Vocês bastardos soviéticos, mataram, torturaram e mutilaram inúmeros brasileiros quer militar, quer civis. Estou errado, seu bastardo soviético? Quem começou? Desde quando foram os militares, seu bastardo soviético?

Porque querem agora, na vingança, prender os militares pois têm uma terrorista vossa no Poder que mal sabe falar? Covardes! Sempre o foram!

Vocês, bastardos soviéticos, estão lançando as sementes de uma guerra civil. Vai ser bom voltar a pegar em armas e exterminar vossa raça bastarda! Vocês nasceram para serem abatidos! Continuem com os vossos planos!

Anônimo disse...

Anônimo da 00:00

Primeiro, não simpatizo com o Dirceu. Segundo, eu gosto de fazer um contraponto, o que esse blog, diferentemente do sectário Coturno Noturno, me permite fazer. Se você quiser fazer o mesmo que eu faço, é só ir pra Carta Maior ou Conversa Afiada, acho que eles também permitem isso.

Nós recebíamos ordens do Kremlin? Faz me rir. Eu sigo a minha ideologia, que não permite tortura e muito menos mexer com a mulher e filhos dos outros como os militares do golpe fizeram com os democratas. A minha ideologia diz que todo mundo tem que ter educação e saúde de qualidade, não essa porcaria do SUS.

E outra, quem começou foram os militares, que depuseram João Goulart. Vai negar que torturam um jornalista que educava o povo com palavras sinceras, o jornalista Vladmir Herzog? Se isso não é covardia o que é?

Você parece que parou no tempo da Guerra Fria, é isso que andam ensinando nos quartéis até hoje?

E você acha que só o PT enricou? Olha o PSDB e o DEM. FHC vendeu as grandes estatais brasileiras a preço de banana e com financiamento do BNDES ainda por cima, você acha que ele não está rico hoje?

Anônimo disse...

O comunista, subversivo e antipatriota Vladimir Herzog, judeu, havia sido detido para averiguações e nem preso estava, pois tinha sido deixado cochilando numa saleta. Repentionamente, na calada da noite, seus colegas terroristas se libertam aproveitando-se da calma reinante no local (até os guardas cochilavam) e vendo-o ali de bobeira, decidiram matá-lo à traição. Logo, foram os próprios comparsas de Herzog, os comunistas companheiros dele, que após asfixiarem-no, encenaram o enforcamento dele, colocaram o cadáver numa cela para incriminar os que o detiveram e fugiram em seguida. Assim sendo, toda essa gritaria encenada pela Comissão da Verdade não passa de encenação pra engabelar os otários de hoje, que não fazem a mínima ideia do tipo de bandido que era esse tal Herzog.