sábado, 24 de dezembro de 2011

Os infamantes três Poderes

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

Montesquieu elaborou uma teoria política em sua obra mais famosa, o “O Espírito das Leis” (L'Esprit des Lois, 1748), que se tornou a fonte das doutrinas constitucionais liberais.

Num frágil tripé, o filósofo estabeleceu o sonhado equilíbrio baseado na separação dos três Poderes.

O Executivo, responsável pela administração do território; o Legislativo, pela elaboração das leis e representado pelas Câmaras de parlamentares; o Judiciário pela fiscalização do cumprimento das leis e exercido por juízes e magistrados.

Para muitos a fragilidade do periclitante tripé apontava a necessidade de um quarto suporte, seria o Poder Moderador. Como não interessava aos outros três, ficaram apenas eles.

Partiu - se da premissa, que por sua independência, se por ilicitudes dois se juntassem, o terceiro evitaria os abusos e, se um extrapolasse, os outros cortariam as suas asinhas.

Nesta titubeante estabilidade, o Ocidente vai indo, e às vezes tropeça, mas se apruma, e segue em frente, inclusive em nossas plagas, até o PT descobrir o Brasil.

Obviamente, a possibilidade de manipulação e os interesses imediatos que cercam o Executivo e o Legislativo, tornam aqueles poderes mais suscetíveis às injunções e aos interesses nem sempre honestos.

Aqui, preexiste, atualmente, um acordo tácito apoiado na ideologia lulo - petista, com o Executivo pairando sobre os demais, aliciando por maiorias ou por nomeações os outros dois, e prosseguindo impoluto rumo à tiranização do poder, com os seus coirmãos fazendo vista grossa e, por vezes, atuando decisivamente para a sua concretização.

Em troca, nenhum mexe com o outro. O acordo tem dado certo.

Quanto ao Judiciário, pela alta missão dos seus juízes e magistrados, que prescindem de profundos conhecimentos para o exercício de suas funções, tanto intelectuais como morais, e até filosóficos, deveriam ser imparciais, pois estribam - se na aplicação da justiça.

Porem, impossível evitar a contaminação. No reino da patifaria, do levar vantagem, do abocanhar o que é meu, do eu também quero, a proliferação da canalhice é um fato berrante.

Portanto, neste pernicioso contexto, nada a estranhar quando surgem inquestionáveis indícios sobre a corrupção e a parcialidade de diversos agentes do Poder Judiciário.

Durante algum tempo, o Judiciário limitou - se a cumprir ordens, a atender aos mais esdrúxulos pedidos, em especial do Executivo, mas, lentamente, com desenxabidas justificativas foi se desviando do que deveria ser uma conduta ilibada, e de uma imparcialidade que sublinharia a sua obediência aos ditames das leis.

As recentes e estapafúrdias decisões das mais altas cortes de justiça nacionais foram de tal monta que causaram espanto aos letrados no espírito das leis, e nos leigos e iletrados, apoiados no simplório bom senso.

Pelo mau cheiro espalhado pelo País, era evidente que havia algo de podre no reino da justiça.

Eis que, os nobres magistrados, cansados de serem patifes pelos outros e sabedores que eram a própria espada da lei, decidiram por fundamentadas razões, arrancar o seu quinhão, pois o Brasil é de todos e, quem pode, pode, quem não pode se sacode.

Daí, não foi preciso muita chafurdação da imprensa investigativa para aflorar um verdadeiro dilúvio de desmandos, vergonhosos cambalachos e corrupções envolvendo juízes e magistrados.

Parece que o modo petista de ser espalhou - se como um vírus e conspurcou os demais poderes, e o Judiciário como o Legislativo tornou - se mais um paciente terminal. Ou seja, terminou por perder a sua imunização contra o vírus da imoralidade.

Neste ritmo de Sodoma e Gomorra, é fechar o País e jogar a chave fora, ou esperar sentado a ira do Divino.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Presidente do Ternuma, é General de Brigada Reformado.

5 comentários:

Anônimo disse...

O legislativo, o executivo e o judiciário, chafurdam como porcos na podridão da corrupção fazendo dela, um "status" social, um modo de vida de altíssimo padrão, sabendo que todos seus atos serão impunes!

Ainda ontem, a demente, a terrorista demente dizia que vai combater a corrupção, mas na semana passada se recusou a assinar o Tratado contra a Corrupção.

Não só, mas estranhamente, ninguém viu NENHUM ministério do PT, PC do B ou PCdoB, ministros e seus capangas, serem denunciados pela VEJA em qualquer caso de corrupção, porque eles existem!

Mais, a terrorista demente defende a unhas e dentes seu ministro mais querido, esse tal pimentel, acusado de corrupção. Defende a corrupção, por separação de partes!

Como mente a demente!

Martim Berto Fuchs disse...

Três Poderes mas com outra estrutura.
Poder Constituinte
Poder Parlecutivo
Poder Judiciário

http://capitalismo-social.blogspot.com/

Anônimo disse...

Parece que o modo petista de ser espalhou - se como um vírus e conspurcou os demais poderes, e o Judiciário como o Legislativo tornou - se mais um paciente terminal.

Senhor general, você tem no próprio ministério da defesa, dois exemplos fidelíssimos sobre que acabou de escrever.

O modo petista de ser espalhou - se como um vírus e conspurcou os demais poderes, o judiciário, o legislativo e o executivo.

O judiciário, como seu melhor exemplo o STF, seus ministros e suas ações contra a soberania do Brasil e comprovada corrupção que agora tentam impedir por todos meios ilícitos, sua investigação.

O legislativo, onde votos são comprados, MPs oferecidas como brinde também em troca de votos e qualquer lei aprovada como a DRU só para 2012 vai-nos custar R$ 64 bilhões sem qualquer controlo, faltando 2013, 2014 e 2015! Quem vai se beneficiar? Quem? Obsceno!

O executivo, controlado por internacionalistas, terroristas, criminosos, petralhada sem honra e esquerdopatas sociopatas, que estão tranquilamente transformando o Brasil na Republica Soviética Federativa do Brasil.

Para finalizar, temos as FA. Que FA? Seu ministro de defesa odeia militares e não esconde esse ódio patológico. Que faz ele ás informações confidenciais que recebe da nossa inteligência militar? Repassa a quem? E seu braço direito? O genoino?

Renunciou à presidência do PT em julho de 2005, por envolvimento em denúncias de corrupção relacionadas ao escândalo do mensalão. Em 30 de março de 2006, foi denunciado pelo Procurador Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF) como um dos líderes do suposto grupo responsável pelo mensalão. Em agosto de 2007, o STF aceitou a denúncia de Genoino e outros 11 réus pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. O deputado, que passou a contar com foro privilegiado em razão da sua eleição como deputado em 2006, ainda aguarda o resultado do julgamento.

Em 8 de maio de 2011, Genoíno, um ex-integrante da guerrilha armada que lutou no Araguaia contra o Exército Brasileiro, foi condecorado pelo Ministério da Defesa com a Medalha da Vitória, entregue a personalidades civis ou militares que tenham prestado serviços relevantes à Defesa nacional. Foi a primeira vez que um ex-guerrilheiro recebeu tal homenagem das Forças Armadas no Brasil.

Logo, que FA temos? São confiáveis? Evidentemente que não!

Paulo Figueiredo disse...

O sistema ou modelo de estrutura política idealizado por Montesquieu não previu que um quarto, e muito mais poderoso, poder iria dominar e tiranizar os outros. Trata-se do PODER AQUISITIVO.

Anônimo disse...

Uma vez, respondi uma pesquisa e disse que o poder judiciário era o maior culpado pelas mazelas do país. A minha escolha foi a menos votada.O tempo e os ocorridos estão dizendo que eu estava certo. O exemplo vem de cima.


augusto.