quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Caos no Rio de Janeiro

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Marcos Coimbra

O desgovernador parisiense não se cansa de falar e fazer bobagens. O alcaide carioca o segue religiosamente. O grau de irresponsabilidade e incompetência atingido pelas administrações estadual e municipal excedeu o limite máximo suportável no Estado e no município do Rio de Janeiro.

O parisiense finge ignorar os graves problemas das áreas de educação, saúde e segurança, que tanto atormentam os fluminenses. Os profissionais dos respectivos campos são pessimamente remunerados, trabalham em precárias condições e não possuem perspectiva de ascensão profissional. Na saúde, estão sendo progressivamente chefiados e substituídos por terceirizados, que ganham o dobro, indicados por padrinhos políticos, quando não cooptados, trocando sua estabilidade por dinheiro, através da subordinação a Fundações.

Na educação, os professores não têm mais condições de cumprir com sua antes respeitada missão. Mestres são agredidos por alunos ou pelos seus “(ir)responsáveis” . Quando tentam cobrar mais estudo de seus pupilos são até denunciados aos Conselhos Tutelares, por terem cometido “abusos”. Passa a ser regra de sobrevivência o professor fingir que ensina e o aluno fingir que aprende. O importante é receber o diploma de aprovação, reforçar as estatísticas das autoridades e sair analfabeto funcional.

Na segurança, até greve de policiais civis e militares ocorre. O desgovernador age com mão de ferro, mandando prender mais de uma centena de policiais e bombeiros militares, preventivamente. A mídia amestrada age despudoradamente fazendo a sua blindagem e procurando jogar o povo contra os descontentes. Acaba a greve, por enquanto, mas as seqüelas permanecem.

A população, que já foi desarmada pelos patrões do desgovernador, permanece indefesa, sem poder exercer seu legítimo direito de defesa própria, a mercê da misericórdia dos marginais. Se a polícia, normalmente, já não cumpre com eficácia sua missão, imagine em uma conjuntura como esta. Persiste o “jeitinho” tradicional, onde a polícia finge que garante a segurança e o povo finge que acredita, sendo obrigado a contratar segurança particular, paga a parte.

As obras suntuárias continuam a ser feitas, proporcionando comissões vultosas e grandiosas verbas para campanhas eleitorais, em nome do sucesso da Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. O absurdo do “prolongamento” da já congestionada linha existente de Metrô para a Barra é mantido. É óbvio que isto não vai dar certo. Ignoram o exemplo de metrópoles civilizadas como a Paris e Nova Iorque que eles tanto visitam e adoram, possuidoras de inúmeras linhas independentes de Metrô. Não são capazes de, ao menos, aproveitar as experiências positivas vivenciadas no exterior. Mas, quando o caos recrudescer, os atuais governantes estarão usufruindo seu rico patrimônio no exterior, enquanto seus atuais súditos permanecem no caos.

O alcaide repete os graves erros cometidos pelo seu mentor. Na área de saúde é só trocar as Fundações pelas OS (Organizações Sociais). Possuem os mesmos propósitos. Na educação, a situação é agravada, pois a indevida interferência de pais irresponsáveis, com o equivocado apoio de alguns Conselhos Tutelares, constituídos por pessoas despreparadas e indicadas por políticos afeta a relação professor-aluno.

Alguns absurdos são perpetrados, como, por exemplo, o caso de uma professora que aconselhou seus alunos a terem cuidado com sua alimentação, a fim de evitar sérios problemas de saúde, devido à obesidade e foi denunciada pela mãe obesa de um aluno também obeso por discriminação (“bullings”). É evidente que fica muito difícil para um educador cumprir seu dever nesta situação.

Na segurança, os guardas parecem perseguir metas de multa por infração e no combate a ambulantes, de modo irregular. Apreendem as mercadorias e ninguém sabe seu destino. Mas o alcaide se agiganta é no setor de transportes. Os equívocos são tão flagrantes, que é impossível passarem despercebidos. A persistência na tresloucada idéia de derrubar o viaduto do Perimetral, apesar do protesto unânime dos cidadãos, atinge as raias do absurdo. O alcaide possui a certeza da reeleição, pois apesar das eleições municipais deste ano, não liga para a repercussão negativa do verdadeiro atentado contra a população carioca. E não é somente esta loucura.

A implantação do BRS (Bus Rapid Sytstem) atende aos interesses dos empresários de ônibus, mas não os da população. O caos foi definitivamente instalado no município do Rio de Janeiro. Os engarrafamentos acontecem em qualquer local, em qualquer horário. As vias estão em péssimas condições, coalhadas de buracos. As calçadas, idem. A “indústria de multas” funciona a pleno vapor. As ruas estão cheias de mendigos, pedintes e “descuidistas”.

Confia no poder econômico de quem possui a capacidade de contratar grandes obras, junto às grandes empreiteiras, por “coincidência” grandes financiadoras de campanhas eleitorais. E também na incompetência da “oposição”, incapaz de se organizar e se unir para lançar candidato competitivo, capaz de derrotar nas urnas o atual alcaide.

Torçamos para que um milagre aconteça e não passemos por mais quatro anos de incúria.

Marcos Coimbra é Membro do Conselho Diretor do CEBRES, Titular da Academia Brasileira de Defesa e da Academia Nacional de Economia e Autor do livro Brasil Soberano. Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br - Página: www.brasilsoberano.com.br

3 comentários:

BRAGA disse...

Prezado Marcos Coimbra.
Não é de hoje que os "governantes" do Estado do Rio de Janeiro e da nossa queridade cidade do Rio de Janeiro (ex Estado da Guanabara e ex Distrito Federal)vem detonando o Rio. Quando JK abandonou o Rio à própria sorte, a m... se formou.
A oitava praga do Egito sa abateu sobre o Rio, tendo como ícones o casal Garotinho, infames criaturas que acabaram de "sepultar o Rio".
Sergio Cabral é o corolário dessa infame situação em que vivemos. A mídia, através da "banda podre", colocam os profissionais da Educação, Saúde e Segurança como verdadeiros bandidos. Hoje, qualquer Professor, Médico ou Policial pode ser morto ou levar porrada de indivíduos do mais baixo jaez. Maus elementos existem em todas as profissões, incluindo aí maus jornalistas que "esqueceram" também o juramento que fizeram na sua formatura. Ainda bem que existem Jornalistas como Jorge Serrão e muitos outros. Espero que o eleitorado acorde e vote conscientemente. E que maus jornalistas se arrependam e coloquem a dignidade da profissão acima de interesses espúrios e, parem de denegrir e emerdalhar toda uma tríade de profissionais que tentam ajudar a tornar o Brasil novamente nossa Pátria. É isso aí. País rico é país um com liberdade, sem roubalheira e dignidade.

Ronald disse...

Cabral é um esterco humano, um dejeto abominável e um incompetente de fazer inveja ao cachaceiro analfabeto.
Concordo que não é de hoje que o Rio encontra-se em estado de putrefação.
A Assembléia Legislativa e a Câmara Municipal sçao duas latrinas a ceú fechado porque lá dentro não chove e a vagabundagem está sempre urdindo seus maquiavélicos planos debaixo daqueles tetos que deveriam desabar igual aos prédios que cairam bem ali ao lado.
Sds
Sds

Anônimo disse...

Belo comentário, Prof. Marcos Coimbra. Atualmente moro em Fortaleza, mas vivi no Rio até o ano passado. O investimento em transporte de massa (trem e metrô), além de um sistema integrado, seria de grande valia, mas isso não interessa aos nossos governantes. Por isso, vemos o desperdício de dinheiro público, agravado com a falta de investimento na educação, segurança e saúde, pois só o que vemos é ações que repercutem positivamente na mídia. É isso.