sábado, 11 de fevereiro de 2012

Pausa para informação – I

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

A leitura de “Who Rules America?”, um revelador trabalho da equipe do National Vanguard Books, me lembrou um tempo de vida enfrentando o trânsito alucinado, durante horas, com o saldo de dois assaltos. Um deles com um revólver apontado na cabeça. O outro, simples, ingênuo até, com um estilete me roçando a jugular.

O “bandido” era uma criança esquálida, suja, descalça, com os olhos fundos emoldurados por pálpebras arroxeadas em contraste com a palidez da face. Repetia apenas: “Dinheiro! Dinheiro!” – Calma!... Retirei do bolso uma pequena quantia e entreguei, para vê-lo afastar-se correndo. Um motociclista que havia assistido à cena perseguiu o garoto, agarrou-o pelo braço e entregou à polícia que estava adiante.

Fui parado e me devolveram a merreca monetária, que recusei e disse que poderiam deixar com o pequeno “meliante”. Prossegui tomado por extremo peso no coração: comiseração, sentimento de impotência próxima da ternura diante daquela pequena vítima devastada pelas drogas.

Passou o tempo em que o radio era o veículo de informação nas muitas horas em trânsito. Passou! Agora temos a informação homogênea, repetitiva, empastelada. Aquela criança, que então era exceção agora é encontrada em todo o Brasil. Aquelas notícias que eram exceção assustadora, agora são “normais”, rotineiras.

Os crimes copiados do cinema e das novelas, centenas de crianças e adultos nas ruas, como trapos ambulantes viciados em drogas, fazendo ponto a poucas quadras das delegacias de polícia. Acidentes com vítimas, tragédias nacionais e internacionais, crimes pavorosos, assaltos, miséria extrema, podem ser vistos a cores durante cinco horas sucessivas pautando os jornais televisivos que antecedem as novelas.

A leitura aprofunda a informação, para compreender a revolução de costumes, os cabrestos mentais que eliminam as liberdades e subvertem aquilo que ficou conhecido como o “sonho americano”, muito semelhante ao sonho de qualquer colonizado. O estudo aplica-se às políticas da globalização que encurralam todas as nações, submetendo-as à vontade de algumas centenas de poderosos internacionalistas, que controlam a quase totalidade dos recursos da terra.

Esta gente detém com exclusividade a mais poderosa das armas: a persuasão científica que atinge cada pessoa. “Não existe poder maior no mundo de hoje que o controlado pelos que manipulam a opinião pública na América. Nenhum rei ou papa da antiguidade, nenhum conquistador militar ou pregador aproximou-se do poder que têm as poucas dúzias de homens que controlam a informação de massas e entretenimento na América”.

Aqui nos vendem a idéia de que os governantes socialistas estão “no caminho certo” e que o Estado defende os indefesos contribuintes. Vale dizer que o poder de persuasão se exerce de modo similar no mundo inteiro. As mesmas técnicas são aplicadas deliberadamente a cada informação, vista, ouvida, lida. Está presente no discurso oficial, nos textos escolares, no treinamento de pedagogos, nos cultos religiosos, no cinema e até nos jogos eletrônicos.

Os meios de difusão copiam e retransmitem o que é gerado nas mega empresas de comunicação e entretenimento de massa que operam no mundo. A lavagem cerebral começa na infância e continua durante a vida. “É este poder que modela o caráter e a mente de cada cidadão, seja velho ou moço, rico ou pobre, simples ou sofisticado”.

A grande mídia constrói nossa visão de mundo e comanda, direta ou implicitamente, o que pensar e em quem votar. Quem estiver contra é logo chamado de fanático religioso, psicopata degenerado, bandido, traidor, ladrão, viciado, perigoso e outros rótulos, que vão conformando as mentes para que as populações acreditem viver no melhor dos mundos e aceitem como perfeitos os atos do governo, seja uma intervenção, uma ação policial ou uma lei impositiva para novos comportamentos e restrição de liberdades.

A história chega distorcida em todos os lares através de “mini séries” caracterizadas pelas técnicas de manipulação da opinião roteirizadas pelos mestres da mídia de massas, com muita propaganda e sugestão de comportamentos. As notícias são editadas com ilustrações carregadas de mensagens subliminares e o tom de voz e ênfase dada pelos locutores afeta a interpretação do que vemos e ouvimos. Tudo chega como prato feito e “politicamente correto”. As técnicas da informação psicológica da lavagem cerebral em massa removem as dúvidas e instalam a passividade e aceitação do “tudo pelo social”.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

7 comentários:

lgn disse...

Sr.Arlindo, acompanho com interesse seus escritos que refletem o seu universo mental, aquele que determina como se pensa, como se fala e como se age para ter coerência. É uma verdadeira ilusão crer num poder terreno que manipula e determina o rumo da humanidade. Tenho formação científica e assim como aprendi que todo e qualquer fenômeno físico está amparado por leis comecei a pesquisar os fenômenos de natureza psicológica. Seria curioso senão estúpido imaginar que o Universo tivesse em alguns fenômenos a presença de leis imperativas e em outros a ausência delas. O que nos confunde é o timing, pois enquanto os fenômenos físicos estabelecem uma rápida relação entre causa e efeito, nos chamados fenômenos humanos, ou psicológicos, o timing é totalmente diferente. Uma ação ocorrida há anos acaba por ter seu efeito agora, ou ainda amanhã. "O semear é livre, mas a colheita é obrigatória", linguagem utilizada pelo mais notável dos psicólogos conhecidos. Muitos julgam que estamos imersos num meio onde o bem e o mal nos disputam dando tanto a um como a outro a mesma potestade, o que é um erro lógico. Duas forças opostas de mesma intensidade se anulam. Fosse o mal a força dominadora e eu não estaria aqui para escrever qualquer coisa que tivesse valor contrário. Resta-nos observar que é o Bem que detém a força suprema e que o mal é uma desarmonia que busca se reequilibrar na ação positiva. Mais ainda, quando Jesus nos aconselha a reagir ao mal com o bem ele sabe perfeitamente que duas forças de qualquer intensidade, mas de mesmo sinal, se acentuam em sua resultante. Ora, a vingança, a raiva, a violência colocadas como respostas à ação negativa de um agente somente precipitará um par de forças negativas que desequilibrará o conjunto e que somente se restabelecerão quando forças positivas se interpuserem no sistema e o reequilibrarão. Do ponto de vista psicológico há queda, involução ( soma de forças negativas ) e subida,ascensão ou evolução (forças positivas). Seria uma grande tolice considerar que isso é idéia minha, ou alucinação. Apenas estudo com afinco o que outros extraordinários seres nos legaram e o que é importante, jamais aceitar ou acreditar em algo que não conseguimos compreender ou aceitar pelo uso da razão. Longa vida ao sr.

Manoel Vigas disse...

Saudações.


Sr. lgn disse... 9:42 AM


“. . . É uma verdadeira ilusão crer num poder terreno que manipula e determina o rumo da humanidade.”

Primeiro gostaria de lembrar-lhe que no texto do Sr. Montenegro ( Pausa para informação – I ) houve um esforço supremo para INFORMAR sobre os “subterrâneos do poder”.

DIFÍCIL TAREFA !!!

ASSIM, AFIRMO SEM DÚVIDA ( lógica pura e simples --- usada obrigatoriamente nas definições científicas ) QUE A HUMANIDADE VEM SENDO “CONDUZIDA”, TAL QUAL “GADO HUMANO”.

SIM, ELA É “CONDUZIDA” DE FORMA MUITO ÚTIL PARA USO E ABUSO DOS SEUS BRAÇOS ESCRAVOS.

E . . . . IMPEDIDAS DE PENSAR !!!

E, . . . . UMA VEZ DESINFORMADA É FACILMENTE MANIPULADA PSICOLOGICAMENTE PARA ACEITAR IRRACIONALMENTE UMA MENSAGEM HIPNÓTICA.

( mais conhecida como LAVAGEM CEREBRAL, usada abusivamente na MÍDIA servil )

Acredito que o ilustre comentarista leu o texto “an passant”.

Isto é um fato muito comum nestes dias conturbados, e não me cabe comentar.

Mas aproveitando seu explícito raciocínio cristão, lembro as palavras do evangelho (Mateus, X: 34-36) :

“Não julgueis que vim trazer paz a Terra;

não vim trazer-lhe paz,

mas espada; . . . “

PORTANTO RESTAM TRÊS ALTERNATIVAS:

1º) SEGUIR O MESTRE E SAIR DA “ZONA DE CONFORTO” PARA LUTAR.

2º) FAZER "ouvidos moucos", E SEGUIR A TURBA IGNARA E ESCRAVA.

3º) ABRIR OS OLHOS E AO CONSTATAR TAL INDIGNIDADE, REVOLTAR-SE.

E . . . . IMEDIATAMENTE REINVINDICAR O BEM, O CORRETO, O HONESTO E O VERDADEIRO, . . .

. . . LUTANDO ABERTAMENTE.

( lamentavelmente esta última alternativa requer muita coragem, e poucos se dignam )

Atenciosamente.
Manoel Vigas

Anônimo disse...

Manoel Viegas

Bastava dizer ao sr. Ign que fosse ler o Blog do Montenegro (não tem este nome) como 4ª opção!

Não custa nada ajudar os ignaros a deixarem de o serem!

Agora, não entender o que Montenegro escreveu, só revela absoluta desfaçatez como anda este planeta e somente explicável pela sua vassalagem a qualquer religião xiita.

lgn disse...

"Vulgus vult decipi,ergo decipiatur"
O povo quer ser iludido;logo, seja iludido.
Estudo há algum tempo - o que me faz um estudante, nada mais do que isso - informação e comunicação, tanto do ponto de vista das empresas para as tornarem mais eficientes, como também sobre o impacto que nos causam no dia-a-dia. Comunicação, para mim, não é apenas troca de informações, mas convergência. Assim, só existe comunicação entre pessoas se elas convergem, se compreendem, caso contrário o que houve foi apenas ruído, nada mais. Cada uma sai convicta que detém a verdade e voltam felizes para seu mundo particular. Li e compreendi perfeitamente o texto do sr. Arlindo e ele, em quase todos os seus artigos, volta a identificar uma característica marcante que é o controle global por grupos de pessoas, consideradas poderosas, que pretendem determinar o que Marx considerava como o comando da história. Um enquadramento global pensado e executado. O que fiz, foi antepor a esse propósito, uma força infinitamente maior que atua no que chamamos, digamos assim, imponderável. O poder material efêmero e o poder espiritual, eterno.
Foi mais para chamar a atenção do Sr.Arlindo sobre esse fato, nada mais do que isso. E o anônimo já lascou um ignaro, um idiota, um imbecil assim sem mais e me fez lembrar o velho barão de Itararé:"De onde menos se espera é que não sai coisa alguma".
Tenham um bom dia, senhores!

Manoel Vigas disse...

Saudações.

Sr. lgn disse... 7:21 AM . . . disse:

“ . . . e me fez lembrar o velho barão de Itararé:"De onde menos se espera é que não sai coisa alguma".”

ESTA RÉPLICA INSPIROU-ME PARA UM COMPLEMENTO FINAL :

Sim, com esta observação ausente de argumento . . . . também lembro o mesmo Barão de Itararé:

"Não é triste mudar de idéias, triste é não ter idéias para mudar."

Assim, procurando ser útil, poderemos completar com “dicas” tão atualizadas que parecem ditas hoje (2012): sobre a MÍDIA SERVIL e a LAVAGEM CEREBRAL:

“Dick Sutphen” . . . no seu magistral . . . “Psychologie und Landmark Education” :

*************

Depois da Revolução Russa, Lênin percebeu rapidamente as aplicações potenciais da pesquisa de Pavlov.

Três estados distintos e progressivos de inibição transmarginal foram identificados por Pavlov:

O primeiro é a fase equivalente, em que o cérebro dá idêntica resposta a estímulos fortes ou fracos.
O segundo é a fase paradoxal, nela o cérebro responde mais intensamente aos estímulos fortes que aos fracos.
O terceiro é a fase ultraparadoxal, onde padrões de respostas e comportamentos condicionados invertem-se de positivo para negativo ou vice-versa.

*************
Então, nesta altura dos entendimentos, poderemos também lembrar uma passagem de um outro livrinho:

“Escuta, Zé Ninguém!” de . . . “Wilhelm Reich”:

********
********
És o “homem médio”, o “homem comum”.
Repara bem no significado destas palavras: “médio” e “comum”.

Não fujas. Tem ânimo e contempla-te. “Que direito tem este tipo de dizer-me o que quer que seja?” Leio esta pergunta nos teus olhos amedrontados. Ouço-a na sua impertinência, Zé Ninguém.

Tens medo de olhar para ti próprio, tens medo da crítica, tal como tens medo do poder que te prometem e que não saberias usar. Nem te atreves a pensar que poderias ser diferente:

livre em vez de deprimido, direto em vez de cauteloso, amando às claras e não mais como um ladrão na noite. Tu mesmo te desprezas, Zé Ninguém,

Dizes: “Quem sou eu para ter opinião própria, para decidir da minha própria vida e ter o mundo por meu?”

E tens razão: Quem és tu para reclamar direitos sobre a tua vida? Deixa-me dizer-te.

etc., etc., etc...

********
********

Atenciosamente.
Manoel Vigas

lgn disse...

Pombas, sr.Manoel Vigas, se o sr. não encontrou argumento algum no que coloquei é problema seu. Constantemente interfiro nos ditos do Sr. Arlindo e, pelo que eu saiba, ele não se mostrou infenso ao comentário e nem me considerou pretensioso ou mal educado. Eu não estou aqui para gastar tempo com quem quer que seja, portanto, tanto o sr. como o corajoso anônimo, podem procurar outro assunto para comentar e não os comentários. Se o Sr. Arlindo, ou o titular do blog julgarem inconveniente a minha presença por aqui eles têm a chave do cofre. Insisto, comunicação é convergência e se os senhores estão convencidos de que argumentam com lógica e convicção e não encontram resposta à altura de suas demandas, diz o bom senso para procurarem suas turmas, só isso. Não gastem chumbo em bugio, como se diz aqui no sul. Procurem se enturmar com quem tenha figurinhas para trocar com os srs. Procurem não permitir que a entropia os desgaste.

lgn disse...

A propósito Sr.Vigas e anônimo, não estou nenhum pouco interessado no que os srs. escrevem, portanto, insisto, recolham seus pertences ou então, o que é mais saudável para o blog, respondam diretamente aos articulistas.

Não:não quero nada
Já disse que não quero nada.

Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer!

Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!

E nem preciso continuar para expor o que penso através desse extraordinário vate.