quarta-feira, 18 de abril de 2012

Delta Diferencial ou Diferencial Delta

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Cesar Maia


Na eleição para governador do Estado do Rio de 1982, a consultoria responsável pelo processamento dos votos -Proconsult- ao meio de uma enorme polêmica sobre a fidelidade da apuração, destacou seu principal técnico para explicar. Este desenhou uma equação em que procurava demonstrar porque as pesquisas estavam equivocadas e o candidato do PDS -Moreira- venceria o candidato do PDT -Brizola.

Afirmava ele, e escrevia sua demonstração, que as pesquisas não levavam em conta o fato que a vinculação total do voto levava o eleitor de Brizola, em geral de menor instrução, a errar um dos votos, ao escrever seu voto na cédula. Com isso, o voto todo seria anulado, conforme a lei determinava.

As pesquisas não poderiam pré-identificar isso. E ele escrevia no papel a expressão: DELTA DIFERENCIAL. Ou seja, DELTA seria a diferença a menor para Brizola e a maior para o total dos nulos. E por essa razão ganhava Moreira.

A rádio JB (Procópio Mineiro...) apurava o que podia e, mesmo sem poder concluir todos os votos, interrompeu a apuração e projetou que Brizola venceria. Mas o assessor de apuração do PDT -Cesar Maia- havia recolhido todos os boletins e seu processamento dos votos, apenas um pouco mais atrasado que a Proconsul, demonstrava com provas documentais que o DELTA DIFERENCIAL era apenas uma hipótese, mas que não estava ocorrendo.

Na verdade, o que ocorria era uma fraude. O "diferencial delta" era um desvio incluído no software, que ia transferindo votos válidos para nulos e, com isso, reduzindo a votação de Brizola e produzindo a vitória do candidato do PDS.

Ao meio da confusão e da polêmica, o presidente do TRE convocou as partes e perguntou o que diziam a respeito. Cesar Maia respondeu mansamente: “O PDT quer apenas a cópia das listagens da Proconsult, urna a urna, pois estamos processando tudo, boletim a boletim.”. O ex-coronel responsável pelo CPD (centro de processamento de dados) de forma cortante disse: “Então começa tudo de novo.”. O Presidente do TRE colocou a mão na cabeça e disse: “Meu Deus!”. A foto desse momento foi colhida pela imprensa que estava do lado de fora do pleno.

Nessa mesma eleição de 1982 o processamento do PDT demonstrou que pelo menos uma deputada havia tido seus votos subtraídos pelo sistema. O TRE acatou e lhe deu o mandato.

Trinta anos depois a memória desses fatos se faz necessária, pois essa fraude abriria um forte golpe no processo de democratização. Poucos anos depois, Brizola pediu que Cesar Maia assessorasse a deputada Erundina na apuração para prefeito de SP. Outra vez se evitou uma fraude e o coordenador da campanha de Maluf registrou isso na entrada da TV BAND. Erundina, entrevistada por Jô Soares, foi acompanhada por Cesar Maia para qualquer dúvida a respeito.

Nos estudos realizados, em série anterior, para a eleição de Erundina, Cesar Maia deduziu que o "diferencial delta" já havia sido usado antes e pelo menos na derrota de FHC para Jânio.

A escolha por parte de uma empresa atual do nome DELTA e os fatos das relações com Cachoeira divulgados, mostram que junto a DELTA, continua a existir um DIFERENCIAL. Coincidência ou ato falho?

Cesar Maia é Economista. Publicado no ex-Blog de 17 de abril de 2012.

Nenhum comentário: