sábado, 7 de abril de 2012

Estigma - d'aprés Veríssimo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gil Ferreira

Luiz Fernando Veríssimo, em sua coluna no Globo, fez coro aos esquerdopatas que, inconformados com as derrotas que sofreram em 1935, 1964 e nos ano 70, pleiteiam uma Comissão da Verdade unilateral, que se constitua em um Tribunal do Santo Ofício para os militares que os impediram de implantar no Brasil uma ditadura comunista.

E numa aparente orquestração, foi secundado, algumas páginas à frente, por Ancelmo Góis, com nota assemelhada sobre quem ele, parcial e sarcasticamente, chama de “viúvas da ditadura”, no que acoberta os milhares de “viúvas do terrorismo” que circulam livremente pelo Brasil, deitando seu proselitismo deletério – “antes, a trave nos teus olhos”, disse Alguém cujo martírio relembramos precisamente hoje.

Ato contínuo, enviei à Seção de Cartas de O Globo uma resposta a Veríssimo, adaptando seu próprio texto. Naturalmente, não foi publicada hoje, nem deverá sê-lo nos próximos dias. Então, retransmito-a a outros jornais, para que, a seu critério, divulguem-na da maneira que julgarem adequada. Para maior clareza, insiro mais abaixo o texto de Veríssimo.

Prezado Veríssimo, sobre seu texto de 05/04/2012:

É difícil acreditar que não exista, entre os esquerdopatas, uma corrente, ou talvez até uma maioria, que reprove a atitude da Ministra dos Direitos Humanos (que restringe a abrangência da Comissão da Verdade às violações cometidas “pelo Estado”, ao contrário do que diz a lei, que universaliza esses delitos), ou da Ministra das Mulheres, da Deputada Luiza Erundina, alguns procuradores e outras autoridades, que insistem em fazer da tal comissão um Tribunal do Santo Ofício, ao arrepio de decisão do STF e da própria lei que a criou.

Dos órfãos do comunismo (falecido em 1989, com o Muro de Berlim) podem-se esperar bravatas e violência urbana (contra idosos!!!) como a do dia 29/03 na Cinelândia, mas ignora-se até que nível vai a distorção da realidade entre os que continuam a idolatrar Cuba e o “socialismo”, ao afirmarem que os militares pretendem o silêncio, sabendo que não é essa a verdade – os militares não querem o silêncio, mas sim que a verdade, que não temem (ao contrário dos esquerdopatas) seja buscada em ambos os lados.

Entende-se a resistência da esquerda a mexer na lama em que jogou, por exemplo, os cadáveres de um Tenente da PM morto a coronhadas e o de um soldado morto por uma bomba, mas é impossível que se continue a sonegar à Nação uma parte tão importante de sua história. E é impossível que ainda confundam a preservação dos “puros ideais marxistas-leninistas” com o silêncio, e prefiram o estigma das acusações de terrorismo (anistiado e indenizado) ao esclarecimento de quem os financiou e treinou, tanto quanto dos assaltos, sequestros e justiçamentos que perpetraram.

Gil Cordeiro Dias Ferreira é Oficial de Marinha na Reserva e Administrador - gil.ferreira@globo.com

Um comentário:

augusto disse...

Quem tem o conhecimento dos verdadeiros fatos tem que mostra-los, pois só estamos tendo as informações de um dos lados, quem não era nascido nessa época está sendo manipulado, ainda mais que agora eles estão no poder. São os donos da máquina de fazer e distribuir dinheiro.