quarta-feira, 16 de maio de 2012

Brasil, o Gigante Desorientado

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Andrés Oppenheimer

Más notícias para o Brasil: seu momento mágico como o mercado emergente mais promissor do mundo aos olhos das elites econômicas internacionais está se esfumaçando, e está sendo substituído por uma avalanche de prognósticos sombrios. Um artigo no próximo número da influente revista ‘Foreign Affairs’ (Assuntos externos), intitulado “Pessimista sobre o Brasil” é apenas o último de vários artigos similares publicados nas últimas semanas e que pintam o Brasil como um país que está empacado ao longo do caminho.

O artigo da ‘Foreign Affairs’, um fragmento de um livro intitulado “Breakout Nations” (Nações Fugitivas), de Ruchir Sharma, o chefe de mercados emergentes da Morgan Stanley, se baseia num argumento que temos expressado muitas vezes nesta coluna: o crescimento do Brasil tem dependido demasiado do preço mundial das matérias primas, e o país enfrentará graves problemas quando esses preços começarem a baixar.

Essa tendência já começou a se manifestar, disse Sharma. A China, o maior comprador de matérias primas brasileiras, anunciou em março que sua economia crescerá menos de oito por cento este ano pela primeira vez desde 1998.

Poucas nações em desenvolvimento têm conseguido crescer durante varias décadas seguidas graças a suas exportações de matérias primas, disse Sharma. As que têm crescido de modo sustentado durante duas ou três décadas, como a China e a Índia, o têm feito graças às suas exportações de produtos manufaturados e serviços e mesmo de matérias primas, porém com grande valor agregado.

Enquanto a China se inseriu plenamente no comércio global e se concentrou em investir em pontes e vias expressas, o Brasil se encolheu e não investiu em infraestrutura. Não é uma surpresa que a China tenha crescido quatro vezes mais rápido que o Brasil nas últimas três décadas, disse Sharma.

Além disso, o Brasil está se prejudicando ao manter uma das moedas mais caras do mundo. Isso é bom para os brasileiros que querem comprar apartamentos em Miami, mas péssimo para os exportadores de produtos manufaturados ou serviços do país, acrescentou.

“O Brasil deve reconhecer que a época de crescimento fácil para os mercados emergentes e dos altos preços das matérias primas está terminando’’, e deve realizar urgentes reformas econômicas internas visando coibir o desperdício e aumentar a produtividade de todos os setores da economia, concluiu Sharma.

No mês passado um artigo similar da agência de notícias Reuters disse que devido ao fato de a presidente Dilma Rousseff não tem impulsionado reformas econômicas audazes, o Brasil se converteu “num lugar cada vez mais estancado’’. A economia cresceu 2,7 por cento no ano passado, e se espera que cresça a uma média de 3 por cento nos próximos anos.

Na América latina, a imagem do Brasil como a nova estrela do mundo emergente também está se extinguindo.

O ex-chanceler do México, Jorge Castaneda, escreveu recentemente que, contrariamente à opinião generalizada, o México está superando o Brasil em quase todas as frentes, incluindo o crescimento do PIB e o índice de homicídios. A diferença é que os brasileiros sabem vender melhor a sua imagem, afirmou.

E o ex-presidente peruano, Alan García, me disse numa entrevista recente que o Brasil é “um gigante fatigado” que está ficando cada vez mais para trás. García fez até piada dizendo que o grupo dos BRICS — o ‘bloco’ das potências emergentes, constituído pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul— já poderia se chamar “RICS”, uma sigla que inclui os mesmos países, menos o Brasil.

Até há muito pouco, o Brasil parecia ‘imparável’, entre outras coisas por ter alegadamente “tirado 30 milhões de pessoas da pobreza” (algo que hoje é altamente duvidoso), pela recente descoberta de enormes reservas de petróleo, e por ter sido designado como anfitrião da Copa Mundial de Futebol em 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

Os portais do ‘The Economist’, da revista ‘Time’ e de várias outras publicações de tendências esquerdistas do mundo, pintavam o Brasil como a nova estrela do mundo emergente. Há apenas umas poucas semanas, o anúncio de que o Brasil superou a Grã Bretanha como a ‘sexta maior economia do mundo’ gerou uma nova onda de manifestações dos otimistas de plantão sobre essa ascensão de status brasileiro, que agora, no entanto, começa a se reverter.

Minha opinião: Compartilho com as preocupações sobre o futuro imediato do Brasil, mas sou otimista sobre isso e acho que o futuro do Brasil é bom no médio e no longo prazo. Infelizmente, para o Brasil, a classe política dirigente não apresenta as qualidades necessárias que uma grande potência mundial necessita e a corrupção e a incapacidade administrativa ainda é de grande monta.

Diferentemente de alguns de seus vizinhos, como a Argentina e a Venezuela, o Brasil pensa no longo prazo. O Brasil há muito tempo vem fomentando algumas indústrias chaves, como as das ‘energias alternativas’ e a fabricação de aviões, está tomando medidas para melhorar a qualidade de sua educação primária (?!), e recentemente lançou um programa para enviar 100.000 estudantes universitários ao exterior, a maioria deles para estudar ciências e engenharia em universidades dos Estados Unidos.

Não me parece que o Brasil seja um “gigante fatigado”. Melhor dizendo, é um “gigante temporariamente desorientado”, que infelizmente ainda não entendeu plenamente por que outros o estão ultrapassando. Una vez que saia de seu estado de confusão mental – em larga margem propiciada pela baixa qualidade da sua classe política e do alto nível de corrupção que permeia o estado e suas relações publico-privadas – e se insira mais efetivamente na economia globalizada — como fazem a China e a Índia— deverá se posicionar melhor para voltar a competir com renovadas energias.

Andrés Oppenheimer é um articulista argentino altamente conceituado nos EUA onde forma opinião sobre o hemisfério sul. Escreve para o Miami Herald, onde foi publicado no sábado, 05 de maio de 2012. aoppenheimer@elnuevoherald.com Traduzido por Francisco Vianna.

2 comentários:

Martim Berto Fuchs disse...

Lendo o que este Sr. escreveu, dá vontade de explodir. Todo mundo sabe o que o Brasil deve fazer, menos os governantes brasileiros e as tais das “zélites”, sempre preocupadas em primeiro lugar esquentar seus rabos.
Percorrendo os blog que tratam do assunto, vemos com tristeza o número de pessoas aparentemente intelectualizadas que defendem com unhas e dentes os atos das duas principais quadrilhas brasileiras: a do FHC e a do Lulla.

http://capitalismo-social.blogspot.com/2011/12/6-poder-parlecutivo.html

Anônimo disse...

bem feito eu nunca acreditei no brasil e muito menos nos seus governantes