segunda-feira, 21 de maio de 2012

Para onde caminha (ou se desencaminha) o Brasil

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Mitnos Calil

A humanidade passa por uma das mais graves crises de sua História, SEM SOLUÇÃO À VISTA. Para justificar este alarme basta citar a decadência da Europa em torno da qual já se firmou um consenso: ela vai descer a ladeira em direção ao abismo. Já faz algum tempo que tenho dito que a "humanidade está marchando em direção à beira do precipicio", o que se deve a uma ruptura no sistema de poder mundial que era centralizado nos EUA em parceria com o Reino Unido.

Os EUA continuam, "estourados na frente" como a maior potência militar do planeta mas perderam a hegemonia do poder econômico agora dividido com os colegas neo-capitalistas da China. Antes que alguns julguem estas palavras iniciais como catastrofistas, esclareço que marchar rumo à beira do precipicio não significa cair no precipicio. Penso que ainda o mundo não vai acabar.

Se num país como o Brasil temos 20 milhões de pessoas passando fome e nada acontece do ponto de vista de uma transformação estrutural, temos aí um sintoma claro de uma "psicologia da resignação", a qual, ao contrário do que muitos pensam, é universal, não sendo meramente uma "vergonha nacional".

20 milhões de famintos no Brasil? Isso é uma cifra irrisória: um bilhão de pessoas passam fome no mundo, sendo que apenas TRÊS PESSOAS (dá pra acreditar nisso?) têm mais dinheiro que o PIB de 40 páises com 600 milhões de habs. A fonte é quente: jornalista Washington Novaes, em entrevista concedida às 17,30 hs. no dia 1 de maio de 2012, à globo news) Quase a metade dos famintos são crianças, segundo pesquisa divulgada pela BBC de Londres - http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/10/101012_fome_relatorio_jf.shtml.

Como disse Saramago em entrevista concedida há alguns anos a uma emissora de tv do Brasil, a espécie humana é a mais cruel das espécies. Lembro a propósito que o cara mais rico do Brasil, Eike Batista, está angustiando com a sua meta de ser o mais rico do mundo. Sem perceber a sua insanidade, expôs este "sonho" para milhões de brasileiros postados diante da telinha global. Passo a palavra para psiquiatras e psicanalistas fazerem o devido diagnóstico. Crueldade e loucura em geral se entendem muito bem.

Selecionei alguns trechos da matéria do jornalista Jorge Serrão reproduzida abaixo, para efeito do contraditório, que tem por finalidade esclarecer as dúvidas dos

leitores. Trata-se portanto de uma provocação benigna, para a qual peço a tolerância dos amigos, agradecendo ao Serrão por ter nos contemplando com suas instigantes colocações que serão utilizadas como subsdio para a TRID - Teoria da ruptura institucional democrática (em gestação) e que não equivale a um golpe militar. Se for necessário podemos mudar o R para reforma, embora seja um termo fraco diante das barbáries que se sucedem em nosso país.

Prossigo abaixo em azul. Frases selecionadas da matéria de Jorge Serrão, domingo, 20 de maio de 2012, no site Alerta Total:

a) "Com militares neutralizados ou transformados em meros funcionários públicos fardados, fica mais fácil manter o Brasil como uma mera colônia de exploração mantida artificialmente na miséria, para proveito dos esquemas globalitários" - Jorge Serrão

Os militares já estão neutralizados por força do oficio, já que sua missão, conforme reza a constituição federal, é assegurar a garantia dos próprios poderes constitucionais e " por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem". Como os poderes constitucionais estão garantidos, o não cumprimento das leis aliado à desordem vigente, só podem contar com intervenção das FFAA se os politicos assim determinarem. Além disso os militares da ativa não podem abrir a boca, sob o risco de serem penalizados. Portanto eles são funcionários públicos fardados com a missão básica de defender a Pátria contra a invasão de exércitos estrangeiros. Entretanto, falta aos militares da ativa e da reserva uma estratégia para tempos de paz. A Escola Superior de Guerra já elaborou essa estratégia? Não seria o caso de montar um departamento da Paz?

b) A economia vai bem? Não. Guido Mantega parece alarmado e em ritmo de derretimento. Sexta-feira passada, o dólar teria chegado, facilmente, a uns R$ 2,20, se o Banco Central do Brasil não tivesse intervindo. O monstro da inflação já começa a mostrar a pontinha de seu enorme rabão. Nossa política econômica desindustrializante, com riscos futuros de desemprego, pode interromper, bruscamente, a lua de mel da classe emergente com o governo do PT-PMDB. O divórcio econômico, amante de uma política incompetente, corrupta e pseudo-assistencialista, pode servir de motivação psicossocial para uma ruptura. (...) Que problemas conjunturais seriam capazes de provocar uma ruptura institucional no Brasil? De cara, o motivo mais contundente: uma crise econômica que inviabilize o esquema de crédito fácil, a juros altos, para o consumismo, gerando uma desgastante e real oposição capaz de apoiar a substituição do atual esquema de governo. Desastres econômicos, com efeitos destrutivos sobre a vida dos reles mortais cidadãos, podem mandar governos para o raio que os parta. (...) A técnica golpista é sempre a mesma. Governantes só são defenestrados por aqui quando interessa aos controladores do globalitarismo. Lula da Silva não caiu com o escândalo do mensalão porque não interessava ao Poder Real Mundial derrubá-lo. Fernando Collor foi derrubado porque não se mostrou confiável aos controladores. Curiosamente, aqueles que são retirados da Imperial Presidência são substituídos por outros que trabalham para o mesmo “patrão”. Troca-se o seis pelo meia-dúzia. No ilusionismo do golpe, nos é imposto engolir “o mais do mesmo”. Hoje, tal nome é Nelson Jobim.

1) Não me parece que o Manteiga esteja muito alarmado, não. Cerca de 30 milhões de brasileiros estão festejando a sua migração das classes D e E para a classe C, também chamada de "nova classe média". As filas nos supermercados continuam longas, inclusive nos caixas reservados para os idosos. Basta o Brasil continuar crescendo entre 2 e 3% ao ano, mantendo a inflação no limite de 5% ao ano, para o povo continuar apoiando a Dilma ou qualquer outro presidente, mantendo-se assim o status quo.


2) Me parece que o PRM - Poder real mundial deve estar preocupado com problemas mais sérios do que um novo golpe no Brasil


3) Quanto à queda de Collor e a nâo queda de Lula, isso foi decorrência de estilos diferentes de personalidade. O Collor foi ingênuo e peitou o Congresso, Lula, uma velha raposa sindical, virou amigo de Sarney e cia. A queda do Dirceu se deve às mesmas razões psicológicas (narcisicas): peitou o Bob Jeff e se ferrou.

d) Em entrevista ao Estadão, o ex-ministro do Exército do governo José Sarney, o General reformado Leônidas Pires Gonçalves, aos 91 anos de idade, resolveu quebrar o silêncio. Leônidas classificou a Comissão da Verdade como “algo extemporâneo”: “uma moeda falsa, que só tem um lado”. Avisando que “é impossível mexer na Lei da Anistia, que foi fruto de um acordo no passado e que já foi chancelada pelo Supremo”, Leônidas também mandou um recado nada velado à Chefona-em-comando Dilma Rousseff: “Se quiserem fazer pressão no Supremo, o poder moderador tem de entrar em atuação no País”. Traduzindo: “Poder Moderador” seria a força a quem o Núcleo oculto das Forças Armadas daria sustentação em caso de ruptura institucional ou constitucional. Quem teria “a força”, atualmente, é Nelson Jobim. Curioso é como o General que nos impingiu 20 anos de poder para Sarney, agora sabendo que o vácuo institucional está próximo, tenta exaltar o nome de Jobim como o “Salvador da Pátria”, caso seja necessário um “mandato tampão”(.....) Golpes só acontecem no Brasil quando existe o interesse da Oligarquia Financeira Transnacional que nos controla e “marioneta” nossos políticos e dirigentes desde que o Brasil é Brazil. Em todos os casos, o tal “Núcleo Oculto” do Exército comanda tais operações. Tal verdade histórica dói. Mas precisa ser dita.

1) Como em qualquer corporação de grande porte, as FFAA tem suas diferentes correntes núcleos ocultos, sendo um deles jobinista. O Jobim foi discipulo do Golbery??


2) Não entendi porque inventaram essa comissão teatral da verdade, que só está criando confusão. Será mais uma encrenca psicológica? Ou para desviar a atenção do mensalão?


3) Atenção de quem? Da midia ou do povo? O problema do mensalão não poderia ser resolvido com uma "penabranda"? Por exemplo: perda dos direitos politicos pro resto da vida. Como o Dirceu não tem mais ibope para ser presidente, ele aceitaria de bom grado. (se não for vitimado por mais um surto narcisico).

e) Do mesmo PMDB de Jobim, Sarney continua tão poderoso que consegue manter o jornal Estado de S. Paulo sob censura, enquanto goza de todas as liberdades como ilustre companheiro do Estado Petista... Coisas dos poderes pouco visíveis... - Jorge Serrão

Pois é: se a Dilma mantiver com o Sarnaca os mesmos laços de amizade cultivados por Lula, a crise institucional provocada pela "comissão teatral da verdade" não acabará em golpe e sim em meia pizza, ou melhor pizza midiática.

i) “A insólita revelação do sr. Nelson Jobim de que, na promulgação da constituição de 1988, ele próprio participou de uma fraude para introduzir no texto constitucional artigos que não foram votados pelos constituintes, deixa o hoje ministro do Supremo em posição ética e jurídica delicada, para não dizer insustentável, como integrante da mais alta corte constitucional deste país. Como pode alguém que deliberada e conscientemente violou, no nascedouro, a Carta Magna, ser agora aquele que vai julgar, no Supremo Tribunal Federal, as questões constitucionais?”

Mais uma confirmação de quanto a corrupção está institucionalizadas nos 3 poderes, escancaradamente, e mais discretamente em qualquer outro poder, como o da midia, por exemplo.

Mitnos Calil é Presidente do Instituto Mãos Limpas.

Um comentário:

Martim Berto Fuchs disse...

Concordo com quase tudo que o Sr. Mitnos Calil escreve, mas só uma pergunta: - Mãos Limpas de que ? Já não nos basta a triste revelação do caráter do ex-senador Demóstenes ? Tem que se continuar com essa colher de chá para os petistas ? Eles pregavam ética e moral até assumir o Poder; depois, como FHC, mas não de forma explícita, pediram que esquecêssemos seus compromissos éticos e morais.
Não existe mãos limpas quando se trata de política, pois a mesma é torpe por natureza, ainda mais no Brasil, país do jeitinho. Nem nossos pseudo amigos liberais jogam limpo conosco.
Precisamos é debater uma nova proposta dentro de um novo paradigma - não confundir com para Dilma - que fuja dos velhos conceitos de esquerda e direita à que os poderosos nos mantém atrelados. Gosto muito de uma frase antiga do Joelmir Betting: erguer-se puxando os próprios cabelos.

http://capitalismo-social.blogspot.com/2011/12/2-novo-contrato-social.html