domingo, 1 de julho de 2012

Coronel Ustra

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Osmar José de Barros Ribeiro

Há algum tempo recebi de um amigo, médico psiquiatra, mensagem a qual repasso por ser importante, nos dias de hoje. Da sua leitura terão oportunidade de verificar que o massacre ao qual o meu amigo Ustra vem sendo submetido, não tem razão de ser.

Mas vamos ao texto ao qual me referi:

Amigo,

Tive ensejo de conhecer o Cel. Ustra em uma de suas palestras cá em S.Paulo. Décadas de treinamento em observação do comportamento humano me permitiram detectar algumas facetas características desse Homem:

- a dignidade natural, tranquila, sem poses, como consequência de um caráter moldado por senso de brio e honra; modéstia e simplicidade autênticas; a ingenuidade, realmente tocante em alguém com sua experiência e idade, resultado de um coração bondoso, inclinado a ajudar, confortar e totalmente incapaz de acreditar aprioristicamente na malícia alheia. Ustra é este belo tipo humano que crê na bondade e decência humanas, até prova em contrário.

Não obstante estivesse à época sob mais um “processo por tortura”, solenemente abandonado pelo EB e sendo alvo da sanhuda insídia da mídia comuno-petista, não emitiu uma única queixa ou sequer menção – um Homem de honra e coragem leva tais desgraças sozinho, sem incomodar ninguém.

Não um torturador, mas um torturado pelas incansáveis e massacrantes malícia e maldade de uma horda de canalhas a serviço de uma pseudo-ideologia genocida.

Nada a espantar quanto a isto: a História do Séc.XX está plena de exemplos comprovadores de que esse lixo sub-humano jamais produziu outra coisa que miséria, mortes e sofrimentos onde quer que atuasse; o Cel.Ustra pode vir a ser apenas mais uma entre mais de centena de milhões de vítimas desta insanidade abjeta, escura e suja, irredutível a qualquer terapia que não chumbo.

Sendo, como é, o Inimigo mortal da humanidade, esta vara de vermelhos tão somente age dentro do esperado.

Mas imperdoável, absolutamente imperdoável, é ser abandonado sob fogo inimigo – já fragilizado pela idade, só e pobre – pela Instituição a que dedicou, com brilho e honra, sua vida e talentos.

Se é verdade, como se sussurra, que o verde-oliva já está bem avermelhado… então se compreende o abandono cúmplice favorecendo a sanha destrutiva da comunalha; um primeiro inocente a ser crucificado em prol do plano de desmoralização e destruição daquele belo e forte Espírito de Brio, Honra, Integridade e Coragem que sempre foi selo, essência e privilégio do nosso Exército.

Foi…?

M.

Creio ser desnecessário acrescentar qualquer coisa, salvo o orgulho que tenho de tê-lo por amigo e companheiro de ideais.

Osmar José de Barros Ribeiro foi Oficial do EB.

Um comentário:

Anônimo disse...

USTRA TEM MEU APOIO INCONDICIONAL!
CAXIAS VERDE-OLIVA