quinta-feira, 26 de julho de 2012

Estratégias de advogados de defesa transformam o PT em “réu honorário” no processo do mensalão

Edição do Alerta Total- www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alertawww.fiquealerta.net  
Por Jorge Serrão

Agosto tem tudo para ser o mês do desgosto para o Partido dos Trabalhadores. Será praticamente impossível evitar que o julgamento do mensalão não repercuta, negativamente, sobre a legenda. Por mais que, nos bastidores, o criminalista Márcio Thomaz Bastos tente criar uma estratégia comum de defesa para os mensaleiros, a jogada é atrapalhada pelos interesses individuais de cada réu, que sonham se salvar de qualquer condenação. Além disso, a maioria das táticas dos defensores, direta ou indiretamente, jogam a culpa no PT – ente que se transforma no réu honorário do mensalão. Era tudo que os petistas não queriam às vésperas da eleição municipal de outubro.

O termo “mensalão” parece amaldiçoado no Executivo e no Judiciário. A presidenta Dilma Rousseff já teria ordenado aos seus ministros que não teçam comentários públicos sobre o maldito tema que prejudica, justamente, o partido político no poder. Na tentativa de impedir que o mensalão monopolize a pauta política, o governo se prepara para plantar notícias positivas na mídia amestrada e anestesiada pela verba de publicidade oficial (principalmente das estatais). O anúncio de medidas econômicas de impacto também atende à tática indireta de turbinar a imagem do PT (que será arrasada pelo mensalão) para a eleição de prefeitos e vereadores.

No Supremo Tribunal Federal, a palavra mensalão também é alvo de uma higienização midiática, não devendo ser pronunciada publicamente por nenhum dos ministros. A ordem geral é que o julgamento seja tratado sem o emprego do pejorativo termo popular. Para este malabarismo político-linguístico, a comunicação togada usará a expressão técnica “Ação Penal 470”. A intenção é não melindrar os advogados de defesa – alguns deles que até sonham em ser indicados pela presidenta Dilma para o STF, nas duas vagas que se abrem até o final do ano. Os defensores tentarão provar que o tal “mensalão” nunca existiu – como sempre pregou o chefão Lula da Silva. Assim, ninguém poderia ser condenado por um crime inexistente.

O julgamento do mensalão, de qualquer forma, será ruim para o governo e para o PT. O primeiro será alvo das denúncias de manipulação de verbas estatais de publicidade, que transitaram pelo Banco do Brasil – conforme tese dos advogados do Banco Rural, com base nas acusações feitas pelo Ministério Público. O segundo ficará mal na fita com a tese do defensor de Delúbio Soares. O advogado Arnaldo Malheiros Filho (um dos cotados para uma futura vaga no STF) sustentará que o tesoureiro do PT fez tudo de acordo com as ordens e decisões da Executiva do partido. Se tal tese vencer, Delúbio pode até ser condenado, mas não o será sozinho.

Por tantas contradições e visões diferenciadas nas estratégias de defesa de 38 réus, o mensalão pode até acabar resultando em grande impunidade – só punindo alguns. Mas o PT, mais diretamente, e o governo Lula (que faz parte do passado) devem sair com a imagem seriamente desgastada do julgamento da “Ação Penal 470”.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 26 de Julho de 2012.

6 comentários:

Ronald disse...

Vamos colocar a vagabundalha em cana ou partir para a anarquia porque p que não dá para aceitar mais é o que a PTralhada escroque e escrota vem fazendo.

Anônimo disse...

Atenção galera.

Cuidado com o Hotmail, pois estão bloqueando as senhas indicando que só pode conter 16 carateres, mesmo quando a minha que uso há muitos anos, tem muito mais.

E não dá para reclamar.

Quem tem conta Hotmail, fica sem e-mail. Na m@rda, mesmo! Perdi tudo!

Ditadura do proletariado do Hotmail. Confiou, se ferrpu!

Anônimo disse...

Exportações brasileiras no positivo apenas porque a safra de soja foi excelente!

Nossas exportações estão na m@rda! Nosso PIB è uma m@rda, está negativo! A nossa inflação está nos 47% ao contrario que este governo soviético afirma!

"Com preço recorde, grão vira principal item da pauta de exportações e Brasil pode superar os EUA como o maior produtor do mundo"

(...)"

http://www.paznocampo.org.br/boletim/textos/preview.asp?nr=191

Anônimo disse...

"Crescem suspeitas de que ataque rebelde que matou quatro autoridades do regime foi, na verdade, um trabalho interno

Se no início parecia absurda, a hipótese já é considerada cada vez mais plausível por membros da oposição síria. Para estas pessoas, o atentado em Damasco ocorrido dia 18 de julho, que matou quatro autoridades importantes do regime, foi uma encenação do próprio governo e não uma operação das forças rebeldes.
A nova versão diz que os membros do governo mortos no atentado – entre eles influente vice-ministro da defesa e cunhado do presidente Bachar Al-Assad – teriam, na verdade, sido assassinados pelo próprio regime porque buscavam uma aproximação com a oposição.

"Entre os mortos, havia nomes cotados para participar do pos-Assad", assegura Ayman Abdel Nour, chefe de informações do All4Syria. "O regime sabia que o desaparecimento poderia desmoralizar o exército, mas preferiu correr este rico a ser golpeado pelas costas."

A tese de uma manipulação é reforçada pelo fato de que, durante a reunião onde aconteceu o suposto atentado, não havia nenhum chefe de segurança. Outro fato importante é que os porta-vozes das forças rebeldes não deram quase nenhuma informação sobre suas reivindicações. "Não temos nenhuma prova tangível do que aconteceu em Damasco, mesmo que o ataque tenha acontecido à luz do dia, em um bairro residencial", estima Haytham Al-Manna, chefe do Comitê de coordenação para a mudança democrática, instalado em Paris.

(...)"

http://opiniaoenoticia.com.br/pelo-mundo/atentado-em-damasco-teria-sido-uma-manipulacao/

Anônimo disse...

"Crescem suspeitas de que ataque rebelde que matou quatro autoridades do regime foi, na verdade, um trabalho interno

Se no início parecia absurda, a hipótese já é considerada cada vez mais plausível por membros da oposição síria. Para estas pessoas, o atentado em Damasco ocorrido dia 18 de julho, que matou quatro autoridades importantes do regime, foi uma encenação do próprio governo e não uma operação das forças rebeldes.
A nova versão diz que os membros do governo mortos no atentado – entre eles influente vice-ministro da defesa e cunhado do presidente Bachar Al-Assad – teriam, na verdade, sido assassinados pelo próprio regime porque buscavam uma aproximação com a oposição.

"Entre os mortos, havia nomes cotados para participar do pos-Assad", assegura Ayman Abdel Nour, chefe de informações do All4Syria. "O regime sabia que o desaparecimento poderia desmoralizar o exército, mas preferiu correr este rico a ser golpeado pelas costas."

A tese de uma manipulação é reforçada pelo fato de que, durante a reunião onde aconteceu o suposto atentado, não havia nenhum chefe de segurança. Outro fato importante é que os porta-vozes das forças rebeldes não deram quase nenhuma informação sobre suas reivindicações. "Não temos nenhuma prova tangível do que aconteceu em Damasco, mesmo que o ataque tenha acontecido à luz do dia, em um bairro residencial", estima Haytham Al-Manna, chefe do Comitê de coordenação para a mudança democrática, instalado em Paris.

(...)"

http://opiniaoenoticia.com.br/pelo-mundo/atentado-em-damasco-teria-sido-uma-manipulacao/

Anônimo disse...

"Crescem suspeitas de que ataque rebelde que matou quatro autoridades do regime foi, na verdade, um trabalho interno

Se no início parecia absurda, a hipótese já é considerada cada vez mais plausível por membros da oposição síria. Para estas pessoas, o atentado em Damasco ocorrido dia 18 de julho, que matou quatro autoridades importantes do regime, foi uma encenação do próprio governo e não uma operação das forças rebeldes.
A nova versão diz que os membros do governo mortos no atentado – entre eles influente vice-ministro da defesa e cunhado do presidente Bachar Al-Assad – teriam, na verdade, sido assassinados pelo próprio regime porque buscavam uma aproximação com a oposição.

"Entre os mortos, havia nomes cotados para participar do pos-Assad", assegura Ayman Abdel Nour, chefe de informações do All4Syria. "O regime sabia que o desaparecimento poderia desmoralizar o exército, mas preferiu correr este rico a ser golpeado pelas costas."

A tese de uma manipulação é reforçada pelo fato de que, durante a reunião onde aconteceu o suposto atentado, não havia nenhum chefe de segurança. Outro fato importante é que os porta-vozes das forças rebeldes não deram quase nenhuma informação sobre suas reivindicações. "Não temos nenhuma prova tangível do que aconteceu em Damasco, mesmo que o ataque tenha acontecido à luz do dia, em um bairro residencial", estima Haytham Al-Manna, chefe do Comitê de coordenação para a mudança democrática, instalado em Paris.

(...)"

http://opiniaoenoticia.com.br/pelo-mundo/atentado-em-damasco-teria-sido-uma-manipulacao/