quinta-feira, 5 de julho de 2012

O mundo nas costas do Brasil

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Aileda de Mattos Oliveira

Como mostram os filmes americanos, há sempre um grupo de alunos revoltado, fortalecido pela vista grossa que lhe faz a direção da escola e, por essa omissão, põe em prática o poder do mais forte sobre o pacífico colega que ali está, apenas para cumprir a sua obrigação de aluno: estudar. Este, educado, de família organizada, passa à condição de judas a ser malhado toda vez que a gangue lhe corta os passos por inveja e por arrogância, já que se apoia no trabalho da violência em equipe.

Alegoricamente, o Brasil faz o papel dessa vítima, não por ser educado e ter a casa organizada, mas por ser untuosamente submisso e não reconhecer no seu corpanzil o poder de impor as suas posições em relação à gangue de países, ditos, desenvolvidos, sempre dispostos a lhe criar sanções e a lhe ditar reprimendas, em conjunto. Além disso, dentro de suas próprias fronteiras, fazem a mesma vista grossa os chamados Três Poderes. Tanta pompa no título, tanta podridão no interior dessas instituições!

Por isso, o ‘aluno’, embora fisicamente desenvolvido, toma constantemente pancadas de onguinhas ordinárias que sobrevivem da benemerência com o dinheiro alheio bordoadas dos piratas da Corte europeia todos cobrando ao abobalhado gigante que mantenha seus mais de oito milhões do “berço esplêndido” conservados para a oxigenação dos vulneráveis pulmões da gringalhada de olho grande na sua biodiversidade.

E por ser “cordial” e de “natureza pacífica”, como repetem os brasileiros mal-intencionados e de genética entreguista, seguem os corruptos dirigentes desta emperrada nação, as pegadas da gangue, ao impedir o crescimento do país em apologia aos ‘cientistas’, arautos do apocalipse, que já determinaram ser o Brasil o provedor do mundo.

Seus adeptos são rápidos no gatilho. Aplaudem as manobras colonizadoras e mandam mensagens por e-mails, pedindo assinatura em listas de adesão à proibição da poda da mangueira no quintal ou da roseira que ainda resta no jardim. Claro que o exagero nos exemplos é proporcional às idiotices que enviam.

Índios típicos de novela, de arco e flecha, em perseguição a seguranças de órgãos federais, ameaçando ônibus com lanças em riste, mas pondo na tanga dez reais de cada foto com os tupiniquins cariocas, idiotizados, neste tecnológico século XXI, como os franceses na época de Caramuru-Paraguaçu.

Índios urbanos, entrando no vagão exclusivo das mulheres, no metrô, causando rebuliço na cidade, congestionada pelo fechamento de ruas, pois os chefetes de estados que aqui vieram fazer turismo à custa do contribuinte brasileiro, não poderiam se atrasar para a farsa montada.

Se eles levassem as favelas de que tanto gostam de visitar, se levassem os buracos nas calçadas, se levassem as pistas malpavimentadas, se levassem os pivetes, se levassem os traficantes, as poças de água sujas, os congestionamentos, o metrô desorganizado, as enchentes, aí, sim, seriam bem-vindos.

Índios que não podem se integrar à sociedade brasileira a pretexto de manterem as suas tradições, mas podem perdê-las na promíscua camaradagem com os sem-terra e nas noitadas de bebedeiras, após as encenações diurnas com o seu aparato bélico colonial. Índios de fancaria que causam pena ao engrolarem frases decoradas sobre capitalismo, estando eles a serviço dos charles, dos françoises hollandes e dos obamas espertos. A que chegaram as tribos nas mãos dos capatazes daqui e de acolá!

Os índios, sabidos, não se integram à sociedade brasileira para fugir dos impostos a que estariam obrigados como qualquer mortal trabalhador. Como é bom (para eles) continuarem inimputáveis!

Todos nas costas do Brasil que, por isso, vive deitado, sem forças para livrar-se dos trapaceiros de lá, dos guerrilheiros-governantes daqui, do espécime mais nocivo, mais asqueroso, física e moralmente, produzido nesta terra, como o ex-presidente, sem nenhuma qualificação positiva, por ser a própria negação de si mesmo.

Todos nas costas do Brasil: brasileiros sem vínculo com a terra estrangeiros que os compram por saberem de suas preferências pelas ‘verdinhas’ e não pelo verde os fundamentalistas da ecologia que não podem ouvir uma língua estranha falar em caos ambiental que aplaudem a sua própria sentença de escravizados dos conceitos alheios.

Todos nas costas do Brasil. Gostaria de ver o gigante sacudir os parasitas que o sugam e atirá-los contra um paredão cheio de espinhos.

Aileda de Mattos Oliveira é Prof.ª Dr.ª em Língua Portuguesa. Membro da Academia Brasileira de Defesa.

Um comentário:

Nelson Coelho disse...

Bela reflexão e muito coerente mas por muitos disto discurso politicamente incorreto. Concordo em gênero numero e grau e vou mais longe nas costas do brasil estão da mesma forma políticos sanguessugas, pessoas que nunca pagaram previdência e com direito a aposentadoria e por ai vai o Brasil somos nós com nossos impostos trabalhando quase 5 meses para pagá-los. Que falta sinto de ver pessoas coerentes a falar verdades