sábado, 11 de agosto de 2012

Cachimbo da paz ou caixa de guerra!

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ernesto Caruso

Dias passados o coordenador da ONU na Síria, Paulo Sergio Pinheiro, em entrevista na TV tratou das questões dos direitos humanos na guerra civil lá existente. Entrementes a jornalista lhe fez uma pergunta sobre a Comissão da Verdade, já que integra a tal comissão. Foi relator do Programa Nacional de Direitos Humanos nas versões de 1996 e 2002.

As suas declarações não deixam dúvidas quanto ao seu pré-julgamento. Não são palavras de paz que brotam da mansidão dos gestos e delicada expressão, mas rajadas com rosas e espinhos a golpear as frontes dos contendores que não empunharam a Bandeira das facções na luta armada que ele defende, do terrorismo, do sequestro e morte de cidadãos que não vestiam farda e não portavam armas.

A lei nº 12528/11 que criou a Comissão da Verdade, no Art. 1º dispõe como finalidades efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional. No artigo seguinte que será integrada por membros de reconhecida idoneidade e conduta ética. Atributos reforçados no parágrafo primeiro de que não poderão participar da Comissão aqueles que “não tenham condições de atuar com imparcialidade...”. Assim, idoneidade, ética e imparcialidade não são palavras ao vento. São fundamentos da conduta de vida e desta feita expressos na lei, perfeitamente dispensáveis, mas não o foram como marca dos bons propósitos.

Classifica a Síria como regime autoritário de 36 anos e complementa “Não estão mais em moda esses regimes dinásticos, em que filho do presidente vira presidente...”. Em outra entrevista: “Creio que tudo será acelerado quando houver efetivamente uma passagem de poder de Fidel Castro para seu irmão ou outros sucessores.” Pois é, a ditadura dos Castros perdura desde 1959. Lá se vão 53 anos de violação dos direitos humanos, presos e greves de fome até a morte.

Sobre o que esperar da Comissão da Verdade, a resposta não é imparcial: “os brasileiros terão em mãos uma narrativa complexa,... que relate com veracidade o que levou à morte e ao desaparecimento de brasileiros durante a ditadura.”... “Por um lado, a comissão chega tarde, porque o regime autoritário militar terminou em 1985... desde 1995 tem havido a continuidade de uma política de governo para elucidar esses crimes... A comissão se beneficia, principalmente, da luta dos familiares nos últimos 40 anos... as Forças Armadas ainda hoje repetem interpretações míticas e ideologizadas sobre os fatos passados e são as únicas na região a não admitir que houve tortura... As Forças Armadas de hoje não têm nada a ver com os crimes cometidos por seus antecessores nos governos militares. Espero que o trabalho da Comissão da Verdade sirva para os comandos militares entenderem que nós somos seus melhores aliados para livrar a instituição dessa responsabilidade.” Exorcistas!?

Mostra o caminho da punição, mas diz que não é tarefa da Comissão. Omite as ações criminosas de sequestro, terrorismo e guerrilha dos grupos revolucionários comunistas. Não havia um sequer que primasse pela democracia capitalista, mas, sim, pelo estado máximo, do partido único, sem propriedade privada e sem liberdade religiosa.

O ser imparcial, ético e idôneo, com objetivo de reconciliar seria edificar o Memorial da Verdade e da Reconciliação, onde à esquerda estaria a literatura produzida pelos ex-guerrilheiros e ex-terroristas, depoimentos, vídeos, fotos, os manuais que produziram como o do Marighela (“O espião apreendido dentro de nossa organização será castigado com a morte. O mesmo vai para o que deserta e informa a polícia.”), do Che Guevara, Guerra de Guerrilha, os cursos feitos em Cuba, China, URSS, os colegas que “justiçaram”. À direita, os textos e depoimentos dos agentes do estado que os combateram e venceram nas armas e, a muitos nas ideias, pois abominaram o marxismo e, a coleção em 15 tomos 1964, 31 DE MARÇO, BIBLIEX. Ao centro, cópias dos jornais que relataram a situação revolucionária do país no pré 1964, o episódio no 31 de março e as suas manchetes, e livros de quem que não participou da luta armada, mas que a vê sob próprio enfoque.

Cachimbo da paz ou caixa de guerra? Não é melhor o cidadão poder acessar o Memorial e tirar as suas conclusões?

Ernesto Caruso é Coronel Reformado do EB.

3 comentários:

Anônimo disse...

Como o Brasil está, sou a favor da guerra civil.

Anônimo disse...

Os nossos militares vão ser perseguidos e presos, para isso a soviética e ilegal "Comissão da Verdade", vai ser implacável.

Nem duvidem porque essa "comissão" da porra tem a proteção do Foro de São Paulo, do PT e do PC do B.

Vocês vão ser como gado para o abate nos matadouros, com a singela diferença que não são gado e em vez do matadouro, será a prisão. Diferença quase nula.

Tem mais!

Quando forem presos, deixarão de receber aposentadorias e para quem está no ativo, o pré, já que o estado cuidará de vocês. Das vossas familias, nada! Ficarão na miséria!

"A perseguição a militares no Uruguai

Tenho insistido em alertar os militares brasileiros acerca do que está acontecendo com os militares dos países vizinhos, em especial os da Argentina, Uruguai, Chile e Colômbia, sob as ordens do Foro de São Paulo. Este artigo traduzido abaixo é mais um alerta da similitude entre o que eles estão sendo obrigados a suportar e o que está acontecendo entre nós, principalmente com a implantação da "Comissão da Verdade". Repito: não façam caso omisso desses alertas, não fechem os olhos para esta realidade infame.

Em várias e distintas oportunidades comparou-se a situação dos diferentes países da região a partir do retorno aos sistemas democráticos, uma vez concluídas as guerras contra o levante popular dos anos sessenta e setenta.

Em todos os casos, cedo ou tarde produziu-se uma reação por parte dos que foram derrotados durante os enfrentamentos, reações similares ou quase calcadas entre si, embora com resultados diferentes no que se refere à projeção política do problema.

(...)"

Anônimo disse...

Poderão consultar esse artigo, em:

http://brasilacimadetudo.lpchat.com/index.php?option=com_content&task=view&id=15733&Itemid=141