quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Legalização do porte de drogas não tem como tramitar no Congresso

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Cesar Maia

Mais uma vez o mesmo grupo de idealistas do consumo de drogas foi ao Congresso apresentar um projeto de lei para legalizar o uso de drogas, descriminalizando o usuário. Dessa vez não se trata apenas da maconha, mas a cocaína, heroína, ecstasy, crack, vem tudo junto nessa proposta, nesse pacote.

Qualquer manual de economia de início de curso dirá que se aumenta o consumo, ou aumenta a oferta ou aumenta o preço. De um lado, perde a sociedade com a expansão do mercado de drogas e dos usuários. Do outro, perde o usuário que tem que pagar mais para os traficantes.

Mas essa proposta não tem como tramitar no Congresso. Todas as pesquisas de opinião, nacionais e locais mostram que –dependendo do momento e do lugar- entre 85% a 95% são contra. Mesmo em bairros mais ricos das grandes cidades e nos níveis de renda maiores, esse número só é menor quando se trata exclusivamente de maconha. Quanto menor o nível de renda maior a rejeição a qualquer tipo de legalização da maconha, que dirá de um pacote com todas as drogas. As Igrejas –todas- são contra.

Dessa forma, é impossível que o Congresso Nacional aprove uma lei sobre um tema que 90% da população rejeita. Nenhum Deputado ou Senador vai colocar o dedinho no botão e deixar seu nome registrado como responsável pela legalização do consumo de drogas no Brasil. E os poucos que estariam dispostos a colocar, vão fazer força para essa matéria ficar passeando nas comissões, audiências..., e não ir a plenário nunca.

Cesar Maia é Economista. Publicado no ex-Blog de 27 de agosto de 2012.

3 comentários:

Anônimo disse...

Como é possível um grupo de pessoas tomar decisões contra a opinião de milhões? Ainda mais nessa questão que envolve drogas maléficas. Não se sabe se são ingênuos ou indiferentes às consequências, mas o fato é que as leis têm sido cada vez mais frouxas envolvendo uma questão que considero de segurança nacional, diante dos enormes estragos que atingem, especialmente a nossa juventude, cada vez mais degradada. Esse tráfico maldito, por extensão, ainda acaba afetando toda a população, através de uma violência inaudita, abragendo o Brasil, de leste a oeste, de norte a sul. Cagliostro

Anônimo disse...

A massa encefálica desses idealistas virou paçoca ou então fumaram todos.

Cesar disse...

Deixe-me ver se entendi, alcool que mata milhões, que é o maior vicio de todo o planeta (no mínimo 2.5 bilhões de dependentes no mundo), que garante inclusive a destruição da familia, pode. Mas claro que esse os donos são os bronfmam e lemanns da vida que comandam essa desgraça no mundo.

Agora a maconha que pode ser plantada por qualquer um, que até os idos de 50 era uma erbácea normal e quase obrigatória em qualquer jardim, que é planta medicinal, e a planta com a melhor fibra textil do planeta, essa não é legal.
Será que é porque nenhum excremento conseguiria se locupletar com ela se ela fosse livre?
Será que é porque os canalhas traficantes, os de verdade são os mesmos que mandam nessa latrina, ou será que é porque ela acalma as pessoas gerando uma diminuição no crime e consequente redução de verbas faraônicas para esse estado latrina?
Como vemos, o preconceito acéfalo campeia nos copos de cerveja, e esses mesmos copos são os que vão garantir mais infelizes mortos assassinados no transito (aquele que garante verba brutal para os salafros legisladores e criminosos do sistema de saúde.)e aleijados.
Realmente as razões para a defesa do álcool são perfeitas!!
Sugiro que estudem antes de comentar bobagens.
Diazepan, barbitúricos e estimulantes para matronas ansiosas e personagens sem viço pode, agora uma erva que nasce em qualquer lugar não pode. Acho realmente que os legisladores sabem mais do que a natureza e por isso o mundo está super legal.
Parabens aos bebedores de wisky 20 anos, estão mostrando uma profissiencia no argumento que mostra para que serve o alcool.