terça-feira, 14 de agosto de 2012

O Prejuízo da Petrobrás

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Roberto Freire

No primeiro mandato do governo Lula foi anunciado ao país, com pompa e circunstância, a autossuficiência energética, seja do etanol, em que seríamos o maior produtor de combustível renovável, como também de petróleo.

Desde então, o que temos assistido é o colapso da produção de etanol, de um lado, e a Petrobrás deslizando continuamente para sua apropriação indébita por parte do PT e sua "base aliada", vítima de processos irracionais de administração e produção.

Assim é o modo petista de administrar: a Petrobras apresentou o prejuízo da ordem de R$ 1,346 bilhão no segundo trimestre de 2012. No entanto, é necessário ampliar a análise desse prejuízo para entender como a falta de planejamento estratégico no setor energético, que sempre esteve a cargo da presidente Dilma, desde a posse do presidente Lula em 2003, nos trouxe até aqui.

Segundo a presidente da Petrobras, Graça Foster, o atual resultado é creditado ao câmbio, ao aumento de importação da gasolina, e aos preços dos combustíveis praticados pela empresa, sob as ordens do Planalto, abaixo dos preços internacionais, num subsídio a toda economia arcado pela estatal.

A importação de gasolina pelo Brasil cresceu 13% no primeiro semestre em comparação com o mesmo período do ano passado. Na primeira metade do ano, o consumo de gasolina avançou 7% em relação ao primeiro semestre de 2011.

O governo trabalhava com um cenário de expansão de produção de etanol, o que não aconteceu. Não houve planejamento para aumento de produção de gasolina em território nacional.

As novas refinarias, todas atrasadas em seus cronogramas, também não estão sendo construídas para aumentar a produção de gasolina, serão focadas na produção de diesel.

Ou seja, houve uma falha monumental de planejamento estratégico no setor, o que desencadeou a necessidade de importação crescente de gasolina, o que gera dependência externa e instabilidade de preços internos.

Como é possível o governo incentivar a compra de carros, como foi feito nos últimos anos, sem ter uma correta estratégia de expansão da oferta de combustíveis?

A política de manutenção dos preços internos da gasolina, descolados dos preços internacionais, é um subsídio que mascara a situação da economia do país.

Mantém-se o preço, à custa da Petrobras, para que não haja inflação, já que o aumento dos combustíveis impacta nos custos de toda a economia.

Poderia fazer sentido se fôssemos autossuficientes em petróleo e derivados, mas a alardeada autonomia em petróleo fruto da lorota propagandística do governo Lula durou muito pouco tempo e voltamos a ser importadores e nunca conseguimos autossuficiência em derivados, como a gasolina. O episódio demonstra que não há planejamento estratégico para o crescimento nacional.

Dessa vez o problema está exatamente no setor que a presidente mais domina: o de energia, o que desmente a sua tão exaltada competência administrativa.

Os governos Lula e Dilma não conseguiram, até hoje, formular uma política de desenvolvimento nacional, tendo sido guiados pelos ventos internacionais e respondido à conjuntura, sem projetar um futuro para o país.

Roberto Freire é deputado Federal e presidente nacional do PPS.

Um comentário:

César disse...

Na verdade o crime chamado petrobras é bem mais amplo.
A petrobras em 2007 depois de uma valorizada muito forte, resolveu dividir os papeis, aumentando a liquidez do papel sem substanciamento. O resultado, milhares de novos acionistas surgiram porconta da redução do preço do papel (ele foi dividido) e assim otários aos montes alavancaram o papel a preços imponderáveis, na divisão já com papel artificialmente alavancado graças a manobras FGTSicas, os papeis chegaram a quase 40 reais, e depois da divisão, os papeis subiram ao inimaginavel patamar de 90 reais!!! Com isso os excrementos da bovespa, os parasitas cafetões de empresas conseguiram um lucro imponderável e depois foi só queda, chegando hoje nos 20 e poucos reais, uma desvalorização de 7o e tantos por cento em 5 anos, e quem ficou com o preju foi o povão embriagado pela agenda criminosa da mídia de alavancação de ações, sem substancia de açoes das empresas.
Tudo armado, tudo para roubar mais ainda o povo. Em qualquer outro país, isso teria terminado em guerra, mas na fossa brasilis terminou em samba, pagode, axé, sertanejo, bbb, futebol e claro pedofilia e pederastia que começam com nomes infantis para a bunda, e com essa agenda de degeneração, todo mundo tomou no "bumbum". Mas se o povo quiser ter seus direitos e dinheiros devolvidos, ele terá que fazer os governantes tomarem no rabo e com areia.
Patíbulo para essa cambada!!