quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Os Folguedos na Taba

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

Em priscas eras, quando os colonizadores aportavam em novas terras, levavam para gáudio dos nativos, um monte de bugigangas, como espelhinhos, apitos e outras inutilidades.

Os silvícolas estupefatos curvavam - se perante os paramentados visitantes, e era comum os morubixabas oferecerem as suas filhas para aquecerem o leito dos mais importantes forasteiros.

A taba em comemoração, além de fumar o cachimbo da paz, entrava em selvagem e desabrido júbilo.

Passados os séculos, os nossos atuais dominadores, para o brilho da folia trazem para a indiada pequenas prendas. É tudo que a aldeia gosta.

Todos sabem (?) que em cada carro novo comercializado o desgoverno arrecada mais de 40% de impostos, diretamente do fabricante. Se ele custa cem mil reais, o desgoverno leva sem fazer força mais de quarenta mil reais.

Assim, a redução do IPI e o aumento de prazo e redução do IOF, são pequenas oferendas que podem baratear um carro em um ou dois mil reais, e nada mais. Portanto, os escambos fazem a alegria dos produtores e provocam o delírio dos silvícolas, que fumam a guimba da maconha e atarantados de satisfação, rebolam a dança – do - tipiti.

Além disso, hoje, os inebriados nativos chegaram ao maravilhoso mundo em que todos são presenteados (menos os milicos), graças aos esforços do desgoverno do tudo pelo social e dos sindicatos, que com seu peleguismo tornaram – se imbatíveis.

As reivindicações trabalhistas, salariais e sociais pipocam de Leste ao Oeste e de Sul ao Norte e a submissa imprensa publica notas pontuais, sem qualquer destaque mais profundo, e as greves longas, abusivas tornaram - se corriqueiras e fazem parte de nosso cenário diário.

Os professores, os caminhoneiros, os metroviários a PF, e muitas outras categorias exigem e ganham benesses, aumentos salariais e, assim caminha o Brasil, com os abonados esbanjando felicidade.

Extasiados, ninguém se importa com as conseqüências das greves, a dos professores, dos mestres universitários que promovem uma batelada de malefícios, como as aulas de recuperação, a perda de exames vestibulares, a perda das férias, as formaturas transferidas e os sonhos desfeitos. Mas, “la nave va”.

As diversas bolsas são aumentadas, automaticamente, idem o benefício – reclusão, e a cornucópia que alimenta o voto fácil, a ganância e a corrupção é um buraco sem fundo, de onde sempre sai mais dinheiro para a súcia em geral.

Os recursos podem escassear para a educação, para a ciência e tecnologia, para a construção de estradas, para a melhoria dos portos, mas para trivialidades e altos salários dos três poderes, nunca.

Portanto, apesar das pesquisas questionáveis anunciadas pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) /SENSUS, conhecida entidade a serviço do petismo – lulismo, que garante uma estupenda aceitação da atual presidente, como foi a do anterior, não podemos estranhar, pois é frenético o oba - oba na taba.

É um mundo de euforia e luxúria que faz o orgasmo onírico da galera.

Breve, por aclamação, para a manutenção e a preservação de um desgoverno que nos mergulha em tantas alegrias, o mais indicado será a entronização da atual e da presidência anterior, com pequenos intervalos de quatro ou cinco anos entre as duas divindades na governança do divertido povaréu.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Presidente do Ternuma, é General de Brigada Reformado.

Nenhum comentário: