quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Petralhas temem condenação de políticos do mensalão e vingança de Marcos Valério e Duda Mendonça

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Leia também o site Fique Alertawww.fiquealerta.net  
Por Jorge Serrãoserrao@alertatotal.net

O destino pós-mensalão é um tema desagradavelmente discutido pelo chefão Luiz Inácio Lula da Silva e sua eterna sombra de poder José Dirceu de Oliveira e Silva. Quando não se encontram, reservadamente, como agora, Lula e Dirceu sempre se falam por celulares criptografados de última geração ou por telefones via satélite. Como os dois nunca deixaram de se falar quase que diariamente, desde que Dirceu foi forçado a deixar a Casa Civil no primeiro mandato de Lula, caso o famoso "consultor de empresas" acabe condenado no julgamento do Mensalão, a petralhada já teme que alguma “armadilha golpista” prejudique Lula – até agora blindado e preservado. O termo"golpe" sempre é usado pelos caciques do PT, a boca pequena, quando seus esquemas ou negócios secretos vêm à tona...

A petralhada já se apavora com a “reviravolta” entre a otimista previsão inicial de votos de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (que seriam favoráveis aos petistas). O novo cenário agora é de quase certa condenação aos principais políticos do esquema mensaleiro. Logo mais, com o voto-saideira do ministro Cezar Peluso – que se aposenta na questionável expulsória dos 70 anos de idade -, tem tudo para ser condenado o deputado federal João Paulo Cunha, candidato a Prefeito de Osasco (cidade estratégica para os esquemas petralhas). Já se especula em uma pena mínima para ele de nove anos de reclusão – pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Ou pena máxima de 46 de prisão.

Se João Paulo for para a cadeia – o que parecia impensável semanas atrás -, torna-se enorme também o risco de condenação para José Dirceu - denunciado, injustamente, pelo ministério público como o chefe da organização criminosa do mensalão. Todo mundo sabe que o poderoso chefão era outro, mas este até agora continua poupado). Diante deste risco concreto, a cúpula petralha (Lula á frente) já joga para Dirceu desistir da ideia de se candidatar à Presidência do PT. Dirceu será obrigado a apoiar, muito a contragosto, a reeleição do companheiro Rui Falcão.

O negócio anda tão tenso que até mexe com o psicológico de Lula. Milagrosamente curado de um câncer na laringe – na versão dos médicos -, o ex-Presidente agora corta um dobrado com um edema na garganta que causa dor e lhe atrapalha falar. Lula só deseja que o dele continue fora da reta do mensalão. Mas o desejo pode ser atrapalhado por algumas condenações. Temor máximo é que, condenado e preso, Marcos Valério resolva romper o silêncio mantido até agora e se vingue dos parceiros petralhas. Temor gigante também com uma condenação a Duda Mendonça – que é o maior arquivo vivo e testemunhal de como a máfia petralha promoveu um jogo sujo com políticos, na super lavanderia de dinheiro do mensalão.

A coisa está muito feia porque o STF já abriu uma brecha para condenar os réus com base em testemunhos e no contexto da acusação. O tal “julgamento técnico” – que facilitaria uma eventual impunidade – já não funciona como o previsto pela petralhada. E o cagaço aumenta com o risco real de mensaleiros condenados se vingarem com a eventual condenação e prisão. Se isto acontecer, o barraco vai cair.

Festa da impunidade?

A Advocacia Geral da União (AGU) e o Ministério da Justiça farão logo mais um anúncio festivo da repatriação de US$ 1.080.000,00 (uns R$ 2 milihões) desviados durante o escândalo do Banestado, na distante décade de 90 do século passado.

O caso, que levou ninguém para cadeia apesar de uma CPI do Congresso que os petistas manipularam em 2003, envolveu remessas ilegais e divisas para o exterior.

A grana só volta para cá graças ao empenho da Corte Distrital de Justiça de Nova York que confirmou a tese de que os ativos depositados em nome de brasileiros nos EUA eram produto de crimes praticados aqui no Brasil.

Inflação prevista

A União Brasileira de Avicultura (Ubabef) prevê uma queda de 10% na produção de carne de frango este ano – o que deve encarecer o preço do produto.

A culpa é da alta dos preços do milho e do farelo de soja, principais ingredientes da ração para os pintinhos e também para os porquinhos.

Em função do encarecimento ou falta de frango e carne suína para o mercado interno – já que a prioridade é exportar os produtos - a previsão também é de aumento do preço da carne bovina.

Ou seja, o risco de uma perigosa alta de inflação após a eleição é muito grande – e pode ficar ainda maior se o governo liberar o aumento nos preços dos combustíveis desejado pela Petrobrás.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Agosto de 2012.

3 comentários:

Anônimo disse...

O ministério público deveria ser investigado até ás últimas consequências por não ter denunciado lulla como o chefe da organização criminosa do mensalão.

Quanto recebeu em US$ ou R$ para não incluir lulla como réu?

Só pode, ou então pela sua incompetência deveria ser excluído do cargo e detido enquanto as investigações prosseguissem contra seu putativo gesto.

Anônimo disse...

Tem foto!

Como pode ter legitimidade para ocupar o cargo de ministro do STF se não conseguiu aprovação para o cargo de Juiz de primeira instância, nem nunca escreveu uma obra jurídica) e "ilibada conduta moral" (??), aos 41 anos, será, logo, logo, o decano do STF, pois lá permanecerá até os 70 anos...


"Dá-lhe Toffoli

E o Ministro Toffoli, conhecido como "aquele que é, mas que nunca deveria ter sido", votou a favor da absolvição do Deputado João Paulo Cunha.

-"Então um ar de espanto percorreu o semblante de todos no recinto".

Infantil e sem graça o nosso chiste, quase idiota, dizem os descrentes.

Sabemos quem é o Ministro, as suas origens, os seus apegos, os seus amores, as suas pretensões, e o quanto paga, e está disposto a pagar para chegar aonde chegou, e lá manter-se doa a quem doer.

André Comte-Sponville, conhecido filosofo francês, legou-nos de seu livro "Pequeno Tratado das Grandes Virtudes", lapidares lições sobre as virtudes, entre elas, a FIDELIDADE.

Aparentemente, Tofolli é fiel aos seus princípios basilares, sentimentos impalpáveis, objetos aleatórios, quimeras viscosas e fugidias e tão etéreas, que dizem as más linguas, nem ele as conhece; outras afirmam, que ele nem as tem.

Mas é fiel. É um virtuoso. Como os mais crápulas Generais de Hitler foram para o seu amado chefe. Fieis inclusive na perpetração do holocausto.

De uma fidelidade fora-de-série e, desse modo, acima dos questionamentos de reles mortais.

Toffoli reconhece os seus amos e os venera. É fidelíssimo.

O seu apego a algo ou a alguém ao extremo é um sinal de que ele possui a virtude da fidelidade, e por eles é capaz de morder a própria mãe, o que dirá dar um chute na verdade, ou virar as costas para o que é justo.

Logo, é preciso reconhecer que estamos diante de um expoente. Por fidelidade é capaz de qualquer coisa, inclusive absolver um crápula e condenar à morte um inocente.

Homens como o Ministro alçaram-se aos píncaros tão altos na sua posição exponencial que comandam a própria consciência, agora subordinada aos seus destemperos, portanto exclui-se das virtudes e valores incomensuráveis do restante da ralé, que é assolada por uma vozinha impertinente que lhe sussurra "não faz isto irmão, está errado".

Assim, sem lenço e sem documento, e o melhor, sem consciência, e sem freios, lá vai o Ministro.

Mesmo os mais cretinos, também podem ser fieis aos seus ódios, aos seus vícios, aos seus despudores.

Questionado se não estaria impedido de julgar os réus do Mensalão por suas conhecidas e inquestionáveis ligações com o lado dos mensaleiros, peremptoriamente, e sem um rubor, asseverou, "NÃO".

Portanto, ao sabermos dos votos do Ministro Toffoli, tiremos o chapéu e admitamos, "o cabra é fiel até na falta de vergonha".

Toffoli deve ter dado a sua palavra a alguém, "não acusarei nenhum réu do mensalão". E firme como uma rocha e, exemplarmente fiel absolveu e absolverá a quem quer que seja até a "bruxa malvada que azucrinou a Cinderela".

Que ninguém ouse acusá-lo de não dedicar fidelidade absoluta ao seu dono. Pois cometerá uma lapidar injustiça. E mais: com o seu "notório saber jurídico" (não conseguiu aprovação para o cargo de Juiz de primeira instância, nem nunca escreveu uma obra jurídica) e "ilibada conduta moral" (??), aos 41 anos, será, logo, logo, o decano do STF, pois lá permanecerá até os 70 anos...

Por conseguinte, dá-lhe Ministro, e vai fundo que "nóis guenta".

http://brasilacimadetudo.lpchat.com/index.php?option=com_content&task=view&id=15801&Itemid=141

CESAR PINTO CEL PM disse...

CARO AMIGO JORGE SERRÃO.
OS MINISTROS RICARDO LEWANDOWISKI E DIAS TOFFOLI FORAM DESIGNADOS PARA O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, NO SEGUNDO MANDATO DO EX-PRESIDENTE LULA, EM 2006 E 2009 (COMPROMISSADOS COM ELE), ENQUANTO OS OUTROS INDICADOS PELO EX-PRESIDENTE, FORAM NO 1º MANDATO (DESCOMPROMISSADOS COM O EX-PRESIDENTE).
POR IRONIA DO DESTINO, APÓS O ACOLHIMENTO DA DENÚNCIA DO MENSALÃO, (PROCESSO Nº 470), FEITA PELO PROCURADOR GERAL DA UNIÃO E MINISTÉRIO PÚBLICO AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. COUBE A RELATORIA DO MENSALÃO AO MINISTRO JOAQUIM BARBOSA, QUE COM A SUA INTEGRIDADE, CORAGEM E HONRA, APÓS SETE LONGOS ANOS, CONCLUIU SEU RELATÓRIO CONDENANDO TODOS OS RÉUS ENVOLVIDOS NO PROCESSO, (ANOS ESTES, DURANTE TODO O MANDATO DO EX-PRESIDENTE, QUE CERTAMENTE COM A AJUDA DE OUTROS ALIADOS, CONSEGUIU EMPURRAR COM A BARRIGA, ESTE PROCESSO ATÉ O FIM DO SEU SEGUNDO MANDATO PRESIDENCIAL).
NÃO SE SABE COMO O MINISTRO RELATOR, CONSEGUIU MANTER SIGILO QUANTO A SUA POSIÇÃO, AGUARDANDO INÍCIO DO JULGAMENTO DO PROCESSO Nº 470.
QUANDO O EX-PRESIDENTE E OS RÉUS ENVOLVIDOS TOMARAM CONHECIMENTO DA ACUSAÇÃO E DA CONDENAÇÃO DE TODOS OS ENVOLVIDOS NO PROCESSO, ARMARAM UMA ARAPUCA (ARMADILHA), PARA PEGAR O MINISTRO RELATOR E CONSEGUIRAM. NOMEANDO O MINISTRO RICARDO LEWANDOWISKI, PARA REVISOR DO PROCESSO, QUE EM SEIS MESES, CONSEGUIU DESQUALIFICAR A ACUSAÇÃO FEITA PELO MINISTRO RELATOR JOAQUIM BARBOSA.
SÓ NÃO ESPERAVAM QUE OS OUTROS MINISTRO INTEGRANTES DA CORTE SUPREMA DO PAIS, QUE SÃO PATRIOTAS E CONSCIENTE DOS SEUS DEVERES PERANTE A NAÇÃO BRASILEIRA, ACOMPANHASSEM O MINISTRO RELATOR JOAQUIM BARBOSA.
COM EXCESSÃO DO MINISTRO DIAS TOFFOLI.