sexta-feira, 19 de julho de 2013

Apavorada com impopularidade e perdida na economia, Dilma ameaça cortar ministérios e afagar o PT


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Leia também o site Fique Alerta – www.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão
serrao@alertatotal.net

O aumento de tensões e radicalizações durante a visita do Papa Francisco ao Brasil parece café pequeno perto da bomba econômica que ainda não estourou no Brasil. O Governo já não sabe o que fazer com a bilionária queda de arrecadação dos escorchantes tributos. O quadro confuso e caótico deve piorar porque os juros subiram, a indústria e o comércio operam em letargia, sem fechar novos negócios, e, não demora, vai afetar o cada vez mais endividado povão – que se parece com o governo na hora em que não consegue honrar o pagamento de suas contas.

O previsível aumento do custo de vida, daqui a um ou dois meses, por conta dos contratos comerciais fechados com o dólar alto (acima de R$ 2,25). A também quase certa necessidade de reajustar o preço dos combustíveis, no máximo até outubro, com impactos inflacionários diretos. E o alto custo da farinha, devido à escassez do insumo importado da Argentina, que encarece a produção de comida, sobrando para o bolso do cada vez mais descontente cidadão-consumidor-eleitor-contribuinte.

Essa é apenas a listinha mais evidente de preocupações da desgastada Presidenta Dilma Rousseff da Silva. Visivelmente atropelada pela radicalização das massas e pela conjuntura econômica internacional desfavorável, que já dá sinais de uma evidente recessão e adiamento da maioria dos novos negócios, Dilma só consegue emitir um discurso esquizofrênico (que não confere com a realidade dos fatos). Constatando que sua reeleição corre o mais alto risco nunca antes visto na história deste Brasil, a Presidenta, tardiamente, acena para aquilo que nunca soube fazer: negociar politicamente com a base amestrada e com o próprio PT (onde a maioria dos cardeais nunca a engoliu como ex-brizolista).

A turma da Dilma deixa agora vazar, discretamente, a informação de que “a Presidenta fará uma reforma ministerial, cortando uns seis a sete ministérios”, dos excessivos 40 atuais. A tarefa até deve ser fácil, já que Dilma sequer teve um dia de despacho particular com a maioria de seus ministros – o que é um dos mais relevantes motivos de queixas e um questionamento direto da fama de “grande gerentona” que a marketagem sempre atribuiu a ela. Tudo que Dilma fizer agora vai denotar sua fraqueza política, já que parecerá ter sido o resultado da pressão dos protestos populares. Desde que assumiu, sem liberdade para agir e nomear a maioria dos assessores diretos, Dilma é uma refém da parceria entre a petralhagem e a peemedebice – safadezas com as quais os 10 anos de desgoverno sempre foram coniventes.

Situação tão ou mais dramática que a da Dilma é a do seu criador Luiz Inácio Lula da Silva. A exemplo de sua criatura, Lula não pode mais andar na rua ou participar de qualquer manifestação pública aberta, sem o alto risco de tomar muitas vaias. As pesquisas mais diversas comprovam uma queda acentuada no seu mítico índice de popularidade e apontam, mais grave ainda, um aumento consolidado da impopularidade e rejeição que seu (antes santificado) nome provoca. Com problemas de saúde que tenta esconder, Lula não pode mais ajudar Dilma, e nem tem condições mais de ajudar a si mesmo.

O ocaso de Lula coincide com o mais alto desgaste da imagem da classe política tupiniquim. Vide o que acontece com o Sérgio Cabral Filho. O Governador do Rio de Janeiro, aliadíssimo da dupla Lula-Dilma, que esteve até cotado para ser vice da Presidenta na reeleição de 2014, agora não tem mais condições de aparecer em público, sem ser alvo de alguma manifestação violenta. Nas redes sociais, a imagem de Cabral é desgastada com a constatação da incompetência de seu governo junto com muitas denúncias de corrupção. Quem já não recebeu um e-mail com o bombástico arquivo “O Mundo Mágico de Mangaratiba” – um dossiê que transformaria Cabral e seus parceiros, facilmente, em réus de várias ações judiciais?

O fenômeno do “desgaste político” é altamente perigoso, porque acaba afetando a atividade política – fator essencial para a construção de uma democracia (segurança do direito e exercício da razão pública) que nunca tivemos na História mal contada do Brasil. Novas manifestações de rua devem ocorrer até o final dos atuais mandatos da Presidenta, Governadores, deputados e senadores (que agora se unem para impor, goela abaixo do povo, uma reforma política de araque, a ser respaldada por um referendo manipulável pelas urnas eletronicamente inconfiáveis).

O mundo passa por uma grande transformação, reestruturação ou nova maquiagem dos personagens no jogo de poder político-econômico. O Brasil acompanha tal fenômeno se comportando como uma menina pobre e indefesa da periferia diante do violento estuprador globalitário. Nesta nova fase da crise, todas as fragilidades do País ficam expostas como consequência direta da histórica falta de investimento em infraestrutura, educação, ciência & tecnologia – por falta de real espírito empreendedor desenvolvimentista.

Por tudo isso, o que está ruim corre o risco de ficar ainda pior.

Reaparição?



Por que Lula está precisando se esconder tanto como nunca antes na história desse País?

Recesso Espirituoso



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 19 de Julho de 2013.

6 comentários:

Anônimo disse...

Pelo menos vc está incomodando o Lula, pois na palestra ele atacou muito vc, já que vc é o único que insiste nas visitas ao Sirio Libanes e na volta do Câncer. Mas como sempre ele arrumou a desculpa de ir ao hospital, para visitar o Marcelo Deda; de madrugada?

Anônimo disse...

Hoje fui surpreendido por uma putativa pesquisa de intenção de voto realizado pelo IBOPE comprovadamente 100% petista, sobre as intenções de voto tanto em dilma como no lula.

Deu 30% na bulgara e 43 no dsalvadsor da Pátria brasileira!

Até onde vai a pouca vergonha do IBOPE?

Ontem pude ler e repasso:

"Brasil do Lula x Nosso Brasil
O Brasil que o Lula vê não existe.

A nossa realidade é bem outra.

Definitivamente hoje sei que existem dois Brasis. O idealizado pelo pretensioso Lula e seus súditos, discípulos, cupinchas e cúmplices; e o Brasil do restante. E eu estou nesse restante.

E o que pode corroborar o que digo é o artigo do ex-presidente Lula no New York Times onde diz em inglês que esses protestos que ocorreram no país nada mais são do que a glorificação de que o governo Lula foi um sucesso nos campos econômico, político e social. E eu digo: "Meu Deus". Será que ele entendeu o que ele escreveu? Melhor alguém traduzir para ele.

Isso me assusta. Ele só pode estar sofrendo com alguma síndrome. E realmente o ex-presidente deve estar precisando de ajuda, de alguém que o traga de volta à realidade. Alguém tem que ter coragem de chegar para ele e contar toda a verdade. Que até tiveram coisas boas em seu governo, mas daí achar que o que aconteceu nas ruas era como que um pedido de volta Lula, volta, por favor. Só soltando um "Meu Deus". Socorro. Polícia. Chama o síndico.

Ou ele é louco ou eu sou um sem noção que não tem o poder de discernir entre o bem e o mal.

(...)"

http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/brasil-do-lula-x-nosso-brasil/

João Emiliano Martins Neto disse...

Lula debilitado pode ser uma prova que o deus mortal que é a personificação da Esquerda, de fato, sente as próprias fraquezas humanas.

Oremos pelos nossos governantes para que parem com esse orgulho todo, pois a paz de Cristo ainda mostra o seu vigor capaz de somente a mesma trazer paz ao mundo que não pode ser dada pelo mundo e nem tirada pelo mesmo.

Jair - SP disse...

Serrão, não dá mais para agüentar a burrocracia brasileira. Tudo está muito difícil. Para empreendedores, não há apoio (em função da Agenda 21); pequenos empresários endividados, sem crédito acessível e acumulando impostos. Empresas comerciais no Lucro Presumido, pagando carga tributaria em dobro dos valores cobrados no Simples. Enfim, quero um candidado à Presidencia que não tenha estado no governo nos últimos vinte anos. Que não seja político e sim patriótico. Recomeçar. A estatística não funciona com dados viciados. Recomeçar com TUDO novo.

glauco disse...

Dilma: “robustez” do superávit primário é intocável

No link abaixo tem um texto publicado por Carlos Lopes no Jornal Hora do Povo, Nº 3170.

A mais fundamental desigualdade que existe em nosso país é aquela entre bancos e demais monopólios multinacionais – privilegiados pela atual política econômica – e os brasileiros, desde os trabalhadores até os empresários nacionais, saqueados em sua própria terra pelos primeiros.


Para a presidenta, os alertas sobre medidas que comprometem a situação econômica do país são “posturas pessimistas”.

http://www.horadopovo.com.br/2013/07Jul/3170-19-07-2013/P3/pag3a.htm

Anônimo disse...

19/07/2013 às 19:31 \ Feira Livre
SOCIÓLOGO É VÍTIMA DE SEQUESTRO RELÂMPAGO APÓS DAR ENTREVISTA SOBRE PROTESTOS

Reportagem publicada no site do jornal O Globo

O sociólogo e cientista político Paulo Baía foi vítima de um sequestro relâmpago na manhã desta sexta-feira, por volta das 7h10, quando saía de casa para caminhar no Aterro do Flamengo. Ele foi abordado por dois homens vestidos com moletons e encapuzados, e recebeu como recado que não desse mais nenhuma entrevista como a publicada nesta sexta-feira no Globo nem falasse mais nada sobre a Polícia Militar. Na reportagem, o sociólogo analisa o perfil dos grupos que praticam atos mais violentos nos protestos. Lembrando a noite de confrontos no Leblon, na última quarta-feira, ele afirmou que “a polícia viu o crime acontecendo e não agiu. O recado da polícia foi o seguinte: agora eu vou dar porrada em todo mundo”.


— Eles me abordaram quando eu estava numa passagem subterrânea indo para o Aterro, perto de casa. Eram dois homens, de toca ninja e óculos escuros. Eles mostraram que estavam armados e me levaram pelo gramado até a pista do Aterro que vai para Botafogo. Parou ali um Nissan preto, de vidro fumê, e me colocaram no carro sentado entre eles. O motorista e um homem ao lado também estavam de capuz. Só conseguia ver as mãos deles. O motorista era negro, o homem ao lado dele era branco. E os dois que me pegaram eram mulatos. No carro, me deram o recado e não falaram mais nada. Disseram para eu não dar mais nenhuma entrevista como a de hoje no Globo e para que eu não falasse mais nada da PM, porque, se eu falasse, seria a última entrevista que eu daria na vida. Eles deixaram as armas visíveis, mas não apontaram para mim — conta Paulo Baía.

Segundo o sociólogo, os sequestradores seguiram em direção a Botafogo pelo Aterro e depois pegaram um retorno para a Praia do Flamengo. Por esse caminho, foram até a Cinelândia, onde ele foi deixado em frente à Biblioteca Nacional. Baía notou que o carro não tinha placas:

— Quando desci do carro, disseram para mim: “o recado está dado”. Em casa, procurei imediatamente o Ministério Público e fiz um registro da ocorrência. Vou levar o caso ao procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, que vai me receber hoje.
http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/feira-livre/sociologo-e-vitima-de-sequestro-relampago-apos-dar-entrevista-sobre-protestos/