quinta-feira, 18 de julho de 2013

Pecados

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

O Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ao formalizar seu papel de anfitrião da visita do Papa Francisco e temendo interferência de manifestações de rua no bom andamento do evento, declarou que o Sumo Pontífice não tem relação alguma com os pecados dos homens públicos brasileiros, exceto com o fato  de vir eventualmente a perdoá-los. 

É bom lembrar, no entanto, que o perdão do santo padre só será concedido mediante a confissão, conforme prevê a sequência sacramental do catolicismo. 

Até onde se sabe, porém, os referidos políticos pecadores não se dignaram, nem pensam, arrogantes que são, em assumir uma atitude humilde diante dos desmandos, das mentiras de campanha, da corrupção, da demagogia, do poder a qualquer custo, da falta de ética, do clientelismo, do abandono do interesse público, da esperteza, entre outros heresias pecaminosas. 

No que diz respeito às manifestações, estão concentrados somente em encontrar com quem negociar, o que provavelmente aumentará o peso dos seus sacrilégios, pois são bons de lábia . 

Além do mais, nem cogitam fazer penitências, ou seja, tomar atitudes que envolvam certa dose de sacrifício e renúncia, prova convincente de que estão arrependidos. 

Se o Papa assumir uma posição de confessor, desejando ouvir deles os pecados cometidos contra seu rebanho, então, ao contrário do que pensa o Prefeito, a visita terá muita relação com as manifestações, sim, e provavelmente o Pontífice, simples e direto como está mostrando ser até agora, verá nelas um instrumento importante para a obter a confissão da pecaminosa classe política, aproveitando a ocasião para impor algumas penitências. 

Prezado Alcaide, dê o exemplo, faça um exame de consciência, se confesse e comece a cumprir as penitências associadas.


Paulo Roberto Gotaç é Capitão-de-Mar-e-Guerra Reformado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Ao prezado cronista,
Os políticos quadrilheiros corruptos destepaiz NUNCA seriam perdoados num ato confessional ao Papa, por DOIS motivos:
1º Eventual confissão de seus crimes deveria ser sincera e ser decorrência de profundo arrependimento pelos malfeitos, o que NUNCA seria verdadeiro.
................
2º Eles NUNCA relatariam os seus pecados ao Papa, pois sabem que, mesmo no recanto fechado e reservado do confessionário, suas palavras seriam ouvidas e gravadas pelos microfones instalados discretamente pela CIA do Obama.
3º Como a maioria deles não acredita em Deus, eles não reconhecem a autoridade do Papa para ouvir e perdoar seus crimes e pecados.
...................
Desculpe alguns errinhos no meu escrito. É que estudes nas cartilhas do MEC do "gugu hadad".

Cantagalo disse...

Caro Anônimo,
Politicos quadrilheiros corruptos é pleonasmo em cima de pleonasmo.
Político sincero e honesto é aquele que uma vez comprado permanece comprado.
Os pecados deles já foram gravados pelo Assange e o jovem americano.
Tá tudo dominado.