quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Qual a Pior?

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

Os noticiários da manhã de hoje (29/08) mostram cenas de depredação executadas por mascarados ao atacarem trens no Rio que apresentaram defeitos e foram obrigados a parar.

O apresentador, preocupado, reclama a atuação da polícia, inexplicavelmente ausente após mais de 20 minutos de desordem.

Alguns instantes depois, surge a notícia dando conta que o nosso fétido Congresso, com seus bandidos mascarados, posto que votantes secretos, recusou a cassação de parlamentar, encaminhada pelo STF, preso por roubo.

Pergunta-se: qual das depredações é a mais letal para a já depauperada sociedade? A que polícia, já tardia, devemos apelar?

Dá a impressão que só resta uma emergencial transfusão de sangue.

A Europa não se curva mais

"A Europa curvou-se diante do Brasil". 

Várias vezes durante o século passado tal expressão apareceu nos principais órgãos de imprensa. 

Eram acontecimentos representativos de situações nas quais  determinadas personalidades nacionais destacavam-se por suas atuações ou criações intelectuais que enchiam o país de orgulho. Como exemplos emblemáticos, são lembrados, entre outros, a exibição de Santos Dumont em Paris, ao sobrevoar a cidade-luz , em 1906, circundando a Torre Eiffel e a Segunda Conferência de Haia em 1907 na qual a atuação de Rui Barbosa foi decisiva, firme e convincente, honrando a diplomacia brasileira. 

Neste início do século 21, no entanto, o país não dá motivos para outras reverências europeias. 

Governado por um grupo não comprometido com as tradições de política externa que sempre caracterizaram o outrora prestigiado Itamarati, o Estado brasileiro enveredou por associações com países que, embora afinados com as ideias de esquerda patológica dos seus atuais dirigentes, não contribuem em nada para o estabelecimento de bons protocolos de comércio exterior e para uma boa postura no conjunto de países que representam a rede democrática moderna.

A participação na decadente Unasul, por exemplo, com sua trupe Bolivariana, constitui a mais completa expressão da falência diplomática que afeta diretamente a modernização do país. 

O recente acontecimento envolvendo o traslado de um político Boliviano para o Brasil é representativo de uma melancólica situação que não só impede que a Europa volte a curvar-se diante do Brasil mas ocasiona, pelo contrário, uma reverência ao país governado pelo cocaleiro encardido Evo Morales, resultando na demissão de um Ministro de Estado brasileiro. 

É bom lembrar também que este é o mais recente episódio de uma série de outros, nos quais se verificou a submissão de Brasilia às abusadas atitudes de La Paz. 

São inesquecíveis, por exemplo, as ações no sentido de ocupar instalações da Petrobrás, as inspeções em aeronaves que transportavam autoridades brasileiras e a inação em relação a torcedores de futebol aprisionados sem provas suficientes. 

Pobre Brasil, poucos são os motivos atualmente para que algum país a ele se curve e muitos serão ainda, ao que tudo indica, as razões para mesuras a governos que em nada contribuem para o desenvolvimento de uma salutar política externa. 

Paulo Roberto Gotaç é Capitão de Mar-e-Guerra,reformado.

Um comentário:

Anônimo disse...

O Itamarati já existe na realidade, apenas no papel.

Quem define a nossa política internacional è o filho da puta do bolchevique marco aurélio garcia.

Tudo o resto è conversa para boi dormir.