sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Duas reflexões sobre assuntos na ordem do dia

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Luiz Sérgio Silveira Costa

Discordo de quem andou criticando o ministro Jorge Hage por sua declaração de que “....apesar de a condenação dos mensaleiros, os símbolos brasileiros da corrupção estão soltos....”. Ele não está desqualificando a prisão dos mensaleiros, mas, por força de seu cargo institucional, não pode dar nome aos “símbolos da corrupção” no Brasil. 

Mas, todas as pessoas esclarecidas, que se preocupam com o país, e não votam neles, sabem os seus nomes.  De famílias pobres na infância, estão por aí, há anos em cargos públicos, ricos, donos de emissoras de rádio e TV, belos apartamentos, sítios, fazendas, casas de praia, bois, rãs..., patrimonialistas, continuando a usar meios e recursos públicos, como se deles fossem.

Por que a Receita Federal, tão rigorosa com os contribuintes,  nada  faz?. Será porque os bens são alaranjados, ou é o governo que a impede, protejendo-os, pois fazem parte dessa coalizão governamental, só de fins, sem princípios, do poder a qualquer custo, mesmo a custo da dignidade e da honra republicana. Das duas, uma!

Só nos resta uma alegria: nenhum deles consegue sair às ruas como nós, com naturalidade, só cercados por seguranças. Como está na ordem do dia, vivem em prisão domiciliar, ou melhor, em regime semifechado, em casa ou no Congresso. Devem, como os mensaleiros, estar sentindo que não valeu a pena. Lembrando Fernando Pessoa, certamente  porque a alma é pequena...

Senhores críticos: o ministro Hage está coberto de razão!”

Barbárie no Futebol 
                                                                        
 “O Art. 129 da CF reza que o Ministério Público tem, entre outras, a função institucional de “exercer o controle externo da atividade policial”. Controle externo não é comando, não é subordinação, é supervisão funcional. O art. 144, por sua vez diz que “a segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos...” todos policiais, inclusive a PM, que é subordinada aos governos estaduais.

Assim, parece que, corretamente, o MP apenas recomendou o uso de seguranças privados, por ser evento privado, e a PM catarinense – e seus superiores - entenderam, indevida e inexplicavelmente, como ordem, deixando de cumprir o art. 144 da CF, sendo, pois, responsáveis por omissão do dever, e pelo lamentável episódio (a palavra já carrega o “ódio”)!   Por falar nisso, como não existem batedores privados, quem autorizou os batedores públicos para o deslocamento do presidente da FIFA, em evento reconhecidamente privado, em Salvador?“

Luiz Sérgio Silveira Costa é Almirante, reformado.

Nenhum comentário: