domingo, 15 de dezembro de 2013

Estão faltando Guerreiros

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Brickmann

Já está no Supremo a denúncia de cartel (e, portanto, de superfaturamento) no Metrô e trens urbanos de São Paulo. Há quatro políticos investigados (Arnaldo Jardim, PPS; e três secretários do Governo Alckmin. Dois do PSDB, José Aníbal e Edson Aparecido, e um do DEM, Rodrigo Garcia). É um bom começo. Mas, considerando-se que o caso começou no Governo Covas e continuou com Alckmin e Serra, não estará faltando gente a ser investigada? 

Os próprios governadores, por exemplo. Os secretários de Transportes - gente que deve conhecer o ramo e estranhar o preço cobrado. Os secretários de Justiça. Corregedores, promotores, Tribunal de Contas. Serão todos como o pessoal que não viu o Mensalão, não sabia de nada? O cidadão paga este aparato todo para sentir-se seguro com a aplicação de seus impostos. Se não funciona, por que gastar com ele? 

Imagine um grande banco. É possível que haja alguma roubalheira. Certamente haverá muitas tentativas de desvio de recursos. Mas o banco tem um sistema de vigilância que reduz seus riscos. Se banco pode, por que Governo não pode?

Há mais, há mais. Não existem no mundo muitas empresas que trabalhem no ramo de transportes ferroviários. As que operam no Brasil terão formado cartel apenas em São Paulo? E seriam corretíssimas com os demais Governos?

Na reunião do PT, diante de Lula e Dilma, houve três gritos de guerra, proclamando Dirceu, Genoíno e Delúbio "guerreiros do povo brasileiro". Estes já foram apanhados pela Justiça. Mas muitos outros "guerreiros" aguardam sua vez.

Olho de vidro

Há casos muito interessantes de cartel. Um deles envolve duas obras, e duas empresas reunidas em consórcio. Numa das obras, a empresa A tem 93% do consórcio; a outra, 7%. Em outra obra, a empresa A tem 7%, a outra 93%.

A coisa estava tão fácil que as empresas nem se preocupavam mais em disfarçar.

História real

Na década de 80, um grupo europeu queria saber por que sua subsidiária brasileira não vendia para os clientes da matriz. Um dia, o diretor brasileiro resolveu o problema: levou à sede do grupo uma lista dos obstáculos para fornecer às multinacionais aqui instaladas. Não passou um mês, todas essas empresas passaram por ampla reformulação, que envolveu desde a diretoria de suprimentos até a recepção.

Se uma empresa pôde fazer, por que o Governo não pode?

Guerra à Justiça

No congresso do PT, José Genoíno foi aclamado como "guerreiro do povo brasileiro". Outro guerreiro não foi lembrado: o comandante do Exército, general Enzo Peri. Deve ter ficado feliz com o esquecimento: tudo o que quer, agora, é passar despercebido. Peri é obrigado a retirar a Medalha do Pacificador do "guerreiro do povo brasileiro", conforme o artigo 10 do decreto 4.207/02, que manda cassá-la em caso de condenação judicial por crime ou atentado contra o Erário.

Se continuar quieto, pode ser alvo de representação judicial de qualquer cidadão.

Quem paga a campanha

O Supremo Tribunal Federal está decidindo se empresas podem ou não contribuir para a campanha eleitoral de candidatos. Já existe gente comemorando a possibilidade de que, depois desse julgamento, venha o financiamento público de campanhas - uma velha reivindicação do PT, pela qual você, cidadão, ganhará o direito de pagar para quem quiser se candidatar. Nem é preciso comemorar: hoje, já existe farto financiamento público de partidos e campanhas. Só o horário eleitoral chamado gratuito custa R$ 600 milhões por ano em isenções fiscais; e, como é o Tesouro que paga, as emissoras cobram tarifa cheia, sem desconto.

Outras verbas, como o Fundo Partidário, dão às legendas uns três bilhões por ano.

Carlos Brickmann é Jornalista - carlos@brickmann.com.br - www.brickmann.com.br

Nenhum comentário: