segunda-feira, 31 de março de 2014

31 de Março de 64


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Aileda de Mattos Oliveira

Não, as águas de março não fecharam o verão de 64.
Foi a Contrarrevolução que cerrou o mês para um balanço geral e avaliar as condições de governança, após os abalos causados pelos sectários de Moscou, não só à Instituição Militar, mas a toda organização estrutural do Estado.
O Movimento Militar de 31 de Março de 64 consolidou-se nestes cinquenta anos, tornando-se efeméride substantiva na história contemporânea brasileira, integrada ao ritualismo castrense e, por essa razão, imune a qualquer apagamento temporal, por já estar inscrita nos anais dos atos humanos, em favor do respeito e da lei, portanto, sacralizada.
Os fatos históricos são indeléveis e se mitificam pelos anos afora por todos que reconhecem, na sua concretização, atitudes únicas, inevitáveis, de líderes que surgiram em momentos cruciais de salvaguarda da Nação.
Por essa razão, as efemérides fazem parte de outra realidade, imperceptível aos medíocres donos do poder, que se mantêm cativos à ideia fixa e negativa de corrupção das almas pequenas.
Por defender-se a coerência e a postura cívica, não se reconhece na presidente, cujo passado, ideologicamente, relaciona-se aos fatos que ocasionaram a Contrarrevolução e que a denuncia como autora de ações que ofenderam a integridade nacional e a de inocentes pessoas físicas, nenhuma autoridade para invadir o recinto militar, e contaminá-lo com as suas idiossincrasias.
Repete-se: não se reconhece nela autoridade para determinar aos Comandantes das Forças que impeçam os seus subordinados de praticarem o ritual simbólico, intrínseco ao reduto militar, levando-os a profanarem a data que solenemente revive, no tempo, os momentos em que civis e militares se irmanaram para manter a ordem, regulamento de conduta inscrita na própria Bandeira, à qual juraram defender.
Se o revisionismo comunista tem em mira à retirada desta efeméride incômoda do calendário militar, por relembrar mais um fracasso das estratégias vermelhas da tomada do poder, apenas cumpre uma norma de sua democracia de fachada, na qual a unilateralidade é parágrafo único e absoluto.
O que não se pode acalentar nos braços da lealdade à Nação, por total incoerência, é a leniência de Comandantes que se sujeitam a despir-se de sua dignidade para se deixarem apascentar no redil da pastora Dilma. Omissão é um ato de traição à Pátria, que juraram defendê-la em quaisquer circunstâncias, e morrer por ela se preciso for. Mentirosos! Juraram em falso! Juraram em vão! A ela se igualam!
A História registrará o silêncio de todos que, pelo perjúrio, renunciaram ao seu dever de se oporem às arbitrariedades de quem alimenta os cofres de outras nações, politicamente contrárias aos interesses do Brasil, à custa, justo, do tributo do contribuinte brasileiro.
Não se esquecerá, também, de que, dóceis, fingem que não veem a sua pastora alimentar os lobos para, em breve, saciar-lhes a fome despótica com eles próprios, ovelhas, e comemorarem, pastora e lobos, a sórdida trama urdida contra a soberania do país.
Na página final desse lamentoso capítulo, relativo aos nomes dos que seguiram as trêmulas e obedientes palavras de recuo, ler-se-á um terrível adjetivo acusador: cúmplices.
Este é um dia de júbilo para os íntegros civis e militares que, ombreados, seguiram as palavras e as ações de todos os líderes das Forças, que deixaram para a posteridade, exemplos de bravura e de honradez, sem se submeterem aos apelos traiçoeiros das hostes adversárias.

Aileda de Mattos Oliveira é Dr.ª em Língua Portuguesa e membro da Academia Brasileira de Defesa. 

6 comentários:

Anônimo disse...

Saudações aos heróis de 64!
Não ao comunismo, ontem, hoje e sempre!

Patriota.

Anônimo disse...

VIVA AOS VALOROSOS MILITARES DE 1964 E VIVA A DRA AILEDA DE MATTOS OLIVEIRA PELA BRAVURA, CORAGEM E HONRADEZ.
Eles (militares), por evitar que nosso país fosse transformado em uma ditadura comunista nos moldes da antiga União Soviética que matou milhões de pessoas que queriam apenas ser livres. A exemplo desta catástrofe, ainda resiste Cuba que mantém seu povo na miséria e escravizado. Muitos destes comunistazinhos que são detentores de cargos públicos, poderiam nem existir se não fosse pela intervenção militar que além de expulsar os comunistas, promoveram uma conciliação do nosso povo que a praga comunista insistia em desunir, dividir.
Ela (Dra Aileda de Mattos Oliveira), Pela coragem, bravura e honradez por homenagear os militares e por dizer a verdade, uma vez que já vivemos uma ditadura e não podemos mais expressar nossa opinião.


Anônimo disse...

Se os comandantes militares forem convidados para um jantar no Palhaço da Alvorada hoje à noite, eles que se cuidem.
Muito provavelmente serão servidos como prato principal da noite...
=====================
SALVE 31 DE MARÇO DE 1964!!

Anônimo disse...

VAMOS COMEMORAR O CONTRA-GOLPE MILITAR FAZENDO UM FOGUETÓRIO HOJE ÀS 20:HS.
EU JÁ COMPREI OS MEUS FOGUETES!

Anônimo disse...

Hoje é dia de comem(oração)! Vou pedir a Deus para que intervenha...
Vou trincar a taça!
Salve o "Golpe"!
Tlim,tlim!
Forte abraço!

Anônimo disse...

Quando se curvam diante da anta revanchista, assassina e terrorista demonstram que nao honram as calças que vestem... quanto mais a farda. O que esta corja de comunistas vingativos está fazendo é um desrespeito aos brasileiros. É revanchismo baixo e sórdido. E olha que foram anistiados... Tinham que estar presos pelos crimes que cometeram e estao cometendo contra o nosso Brasil.