quinta-feira, 20 de março de 2014

Dilma e seus deslizes


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Márcio Accioly

Com o intuito de criar álibi com relação à compra da refinaria de Pasadena, EUA, que deu prejuízo de mais de um bilhão de dólares à Petrobras, a presidente Dilma Rousseff declarou ter recebido “informações incompletas” antes de dar aval ao negócio. De nada sabia. A presidente, que afirmava ter doutorado em economia, sem ter, é a mesma que faliu uma loja de sua propriedade, em Porto Alegre, vendendo artigos de R$ 1,99. O Brasil é muito bom: qualquer aventureiro pode assumir seu comando.

Interessante observar que estamos nos desmontando, a educação foi para o beleléu, não existe transporte público, a saúde só a temos na propaganda oficial e a roubalheira continua a todo vapor. Mas ninguém faz nada vezes nada e o caos se aproxima a incrível e impressionante velocidade! O apagão elétrico não vai demorar muito a chegar (os reservatórios estão quase na lona), vai faltar água e, pior, vai faltar comida. O Brasil já deveria estar num racionamento de energia há alguns meses.

Em vez de racionamento e outras medidas inadiáveis, continua-se a insistir numa Copa do Mundo que dificilmente será realizada. Sabe-se agora que a Fifa se encontra no mato sem cachorro. E que, inclusive, tentou encaminhar a disputa para outros países que não aceitaram. A situação é grave e não se sabe o que fazer. Não por causa da Copa, mas por conta da oportunidade que se apresenta como chance ímpar de fazer protestos correrem o mundo, desnudando governo onde pontifica a bandidagem.

Dilma Roussef não diz “a” com “b”, não consegue articular uma frase de improviso e não se faz entender por ninguém que possua meia dúzia de neurônios. Mesmo assim, foi apresentada ao distinto público como expert em qualquer assunto administrativo e profunda conhecedora da questão energética, já que esteve na Secretaria responsável pela pasta, no Rio Grande do Sul, foi ministra de Minas e Energia e passou pela Casa Civil onde mexia em todos os ramos da administração.

O PT é uma fraude, legenda onde a cúpula foi condenada por roubos inomináveis. Dilma é o seu subproduto mais cruel. As pessoas que vivem nas cercanias do poder se assustam com o tratamento dispensado pela presidente aos subalternos. Ela é capaz de jogar aparelhos de telefone celular na parede, de arrancar notebook das mãos de quem acha que lhe está incomodando e jogar com violência no chão, além de fuzilar pessoas verbalmente com palavras de baixo calão.

Mas se fosse somente isso, ainda estaria muito bem. O problema é que Dilma entende de administração pública assim como José Sarney pode ser creditado com o título de pessoa honesta. No caso do prejuízo causado a Petrobras (mais de um bilhão de dólares), a hoje presidente votou favoravelmente à compra fraudulenta de uma refinaria em frangalhos, quando era ministra das Minas e Energia e presidente do Conselho de Administração daquela empresa.

Sua excelência só não conseguiu acabar com a Petrobras ainda, assim como fechou as portas de sua loja de R$ 1,99, porque o dinheiro público financia a pouca vergonha, com cada um dos brasileiros trabalhando cerca de seis meses para sustentar qualquer pirata que chegue ao poder. Para que se tenha ideia da situação da Petrobras, quando Dilma ascendeu à presidência da República cada ação valia R$ 29 e hoje está na casa de R$ 12,60. E ninguém faz nada, absolutamente nada!

Comenta-se que quem liberou a informação da participação da presidente no prejuízo da refinaria foi o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli. Ele estaria cansado de apanhar sozinho. O negócio agora é aguardar o vai e vem de processo que deverá terminar no STF e deverá ser votado por Toffoli, Barroso e Lewandovski. E ainda tem gente que acredita que todas essas histórias terão final feliz.


Márcio Accioly é Jornalista.

3 comentários:

Anônimo disse...

Ela vendia seus produtos por 1,99 ...e comprava por 3,00. Excelente administradora. A mesma estratégia está sendo empregada na Petrobrás. Estão detonando o Brasil!

Anônimo disse...

Esse barroso e mais um idiota que gosta de fazer apologia a grande maravilha que ele e. Se depender dele vai ficar 3 horas enchendo o saco dos ministros de valor para dizer nadegas. O idiota pensa que mesmo não sabendo nada de leis o povao não ve que sempre da voltas e voltas para justificar o injustificável o toffoli também pau mandado do pt e o levandowski levando sempre os outros no sentido de rodear rodear rodear a questão ate cansar mas não dizendo absolutamente nada. O levandodowski parece que esta sempre dormindo nas sessões, ainda assessorados pelas duas pt bostas e o tal de viúvo inconsolável e claro que aqui no brasil, em minúscula mesmo a tal ação vai ser ceu azul de brigadeiro, os esqueletos vao ficar escondidos no armário ou seja qualquer deles vai sentar em cima do processo ou esconder no fundo da gaveta. Este e a forma petralha de trabalhar, escondem, escondem, escondem e camuflam, mentem, mentem, mentem e nunca sabem nada. Agora vivem bêbados do bom e do fino e comendo dentro do planalto com sessões permanentes dos petralhas, agora o planalto e a sede do pt e todos os barrigas de aluguel que recebem seus salários do povo brasileiro, venderam suas consciência porque toda vez ganham verbas astronometricas para calar, mas saída dos cofres públicos porque o pt ficou rico mas não gasta o deles para bancar. Como vemos solução vinda dos patriotas brasileiros, nem pensar porque estão muito ocupados em vender suas conciencias. Mas não se preocupem a punição vem de fora Uncle Sam dará um jeito na matéria e a Rainha Elisabeth II e seus Lordes vao mandar a conta. La a justiça não se vende. Quem viver vera.

ducamillo disse...

Sr. Accioly, a culpa não é dela...entenda, a culpa é da "Oligarquia Transnacional", que segundo o Sr. Serrão, é quem dita as regras do jogo. Isto posto, alem do PT, alguém ou alguns mais, lucraram com esta negociata. Mas fique tranquilo, tudo vai mudar afinal, a tal oligarquia transnacional vai expulsar o PT e colocar outro "P" qualquer na governança do Brasil. Certo Sr. Serrão???
Robertho Camillo.