terça-feira, 22 de abril de 2014

Comentando (em negrito) a Ordem do Dia de 19 de Abril


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Texto original: Enzo Martins Peri
Trecho comentado em negrito: Paulo Ricardo da Rocha Paiva

Nesse 19 de Abril o Exército celebra, trabalhando, seu aniversário de criação, cujo nascimento se deu no longínquo 1648 nos Montes Guararapes. Havia, naquela época, um território ameaçado pelo invasor; havia um sentimento de corresponsabilidade com a jovem Nação; e havia a grande vontade de um povo de se autodeterminar.

PRRPAIVA - Nesse 19 de abril de 2014, o EB amarga seu aniversário, subempregado para variar como gendarmeria em ação eminentemente policialesca. Que se diga, nesta época atual ameaçado também, só que agora pelo inimigo interno. Um crime organizado, de tal poder, que o obriga a liberar zonas submetidas ao seu domínio dentro do próprio território nacional. A noção das coisas está tão fora de foco que a ocupação da Favela da Maré, no subúrbio do Rio de Janeiro, teve até hasteamento da Bandeira da Pátria, assim como no Monte Castelo da Itália. Há que se considerar, de igual modo, que o sentimento de corresponsabilidade, também com a nação madura, deva persistir de forma vigilante, atuando sem cessar de forma a não se deixar ultrapassar pelos acontecimentos. Vive-se hoje um perigo bem maior do que em 1964, com uma esquerda bem mais organizada no poder, de militância bem mais numerosa, com grande massa popular comprometida por demagógicos programas assistenciais.

Enfrentamos e vencemos. Fomos gestados, portanto, em um ambiente de lutas e de sacrifícios de um povo valente, traduzido pelo sentimento de patriotismo – unindo raças e credos – que se incorporou definitivamente ao caráter da nossa gente.

PRRPAIVA - Hoje só se pode ter certeza quanto ao enfrentamento, que vai se dar mais dia menos dia, sendo só uma questão de tempo. Quanto a vencer, não se pode garantir. Já o ambiente de lutas, este ressurge. Agora, porém, de caráter intestino e em contexto de fatores desagregadores de primeira grandeza aviltados por patriotismo absolutamente fragilizado, haja vista: o sentimento racial na sociedade potencializado por sistema de cotas generalizado;  o separatismo crescente e descontrolado de índios, hoje organizados em “nações” no interior do território nacional; os numerosos cantões de quilombolas que, a cada dia, vão logrando foros de verdadeiras “zonas liberadas” nos estados da federação; um MST agressivo em situação de expectativa, que aguarda ansioso pela engrazamento de todos estes fatores para mergulhar o País em uma guerra revolucionária.

Assim, já se vão 366 anos de dedicação à Pátria, movidos pelo sentimento de servir. A história do Exército confunde-se com a história do Brasil. A história do Brasil confunde-se com a história do Exército. Podemos afirmar que a formação da nacionalidade brasileira tem a impressão digital da nossa Força. Estivemos presentes na manutenção da unidade nacional; na demarcação definitiva de nossas fronteiras; na independência da Colônia; no fim da escravidão; na proclamação da República; na preservação da integridade do território brasileiro; no esforço pela preservação da paz mundial; na proteção da nossa gente, vitimada por desastres naturais; na pacificação de áreas conturbadas e no desenvolvimento nacional.

PRRPAIVA - Nenhuma alusão, nem à “Intentona Comunista de 1935” nem à “Revolução de 1964”. Vergonha de que? Afinal de contas o Brasil é a democracia que é hoje graças ao posicionamento patriótico que o Exército sempre tomou nas situações extremas que a nação perpassou em sua história. O País foi assediado pelo perigo vermelho nestes episódios, que ornam de honra e glória a Força Terrestre, e eles foram extirpados do passado do grande leão verde oliva! E a dignidade? E o respeito com quem foi assassinado na cama de campanha? E o reconhecimento a quem combateu a luta suja dos anos 60/70? Também pudera, nosso Exército foi mais do que achincalhado pela mídia em geral, durante todo o mês de março passado, sem que ninguém, de dever e direito, ousasse levantar a voz em defesa da Instituição. Apenas alguns da chamada (quanta injustiça) “reserva raivosa” o fizeram. Mas estes indisciplinados são uns loucos. Imaginem que alguns deles tiveram até a ousadia de se reunir, fora dos quartéis é claro, para a comemoração do “jubileu” da Revolução de 1964!  Isto é um acinte imperdoável!

Mas, mesmo com esse passado histórico e participando intensamente, no presente, das inúmeras demandas da sociedade a quem serve, o Exército mantém os olhos postos no amanhã – haja vista que o passar do tempo não prepara o futuro. O futuro precisa ser construído com planejamento criterioso e trabalho duro. E é o que temos feito.

PRRPAIVA - Não compreendido: “_haja vista que o passar do tempo não prepara o futuro. O futuro precisa ser construído com planejamento criterioso e trabalho duro.” Salvo melhor juízo, se “o futuro precisa ser construído com planejamento criterioso e trabalho duro”, isto (construção com planejamento criterioso e trabalho duro) fatalmente vai demandar tempo, justamente aquele interregno necessário de preparação do futuro. Francamente, não entendido, precisaria cotejar.

Sabe-se que apenas deleitar-se com as conquistas do passado é o caminho mais curto para o desastre futuro. A arrogância é o rastilho da queda. Por isso, preservando o imutável – símbolos, valores, história e tradições –, com elevado e sólido índice de confiança da sociedade, seguimos evoluindo, mudando, transformando para acompanhar o crescimento do Brasil, que nos cabe defender.

PRRPAIVA. Há controvérsias. Há quem diga que esquece-las também é trair. Para muitos, que não se duvide, o rastilho da queda se acende quando brio passa a ser taxado como arrogância, quando o mesmo brio se perde a ponto de comprometer a obediência devida.

Não perdemos tempo e energia decantando glórias do passado. Quando as recordações superam os sonhos, o fim está próximo. Sabe-se que as organizações que vivem a olhar sobre seus próprios ombros não se dão conta do trem que avança no sentido contrário. No palco da vida a cortina ergue-se todos os dias.

PRRPAIVA - Também há controvérsias.  Muitos acreditam, sim, que o fim se aproxima mesmo quando se é obrigado a passar o tempo amargando as humilhações do presente, quando as previsões dos cenários sufocam os sonhos. Muitos dizem, também, que “o pior cego é aquele eu não quer ver”, pois, no momento, uma locomotiva carregada de pressões dominantes avança no sentido contrário do porvir da nacionalidade e ninguém consegue olhar, sobre seus próprios ombros, para aquilatar que estas são bem mais ameaçadoras do que as de 50 (cinquenta) anos atrás.

No palco da vida a cortina ergue-se todos os dias. Nesse contexto, se inclui o profundo processo de transformação pelo qual vem passando nosso Exército para capacitar a Força a enfrentar e vencer os desafios da Era do Conhecimento. São projetos estratégicos robustos, novos materiais, nova doutrina, capacitação em defesa cibernética, busca de poder dissuasório – tudo em andamento.

PRRPAIVA - Tudo em andamento com passo de tartaruga, suportando constantes cortes no orçamento. Um apetite por blindados desmesurado, injustificável face às hipóteses remotíssimas de conflito com nações do cone sul; uma poupança temerária no que concerne a dotar os batalhões de infantaria de selva (BIS) com meios anfíbios modernos (orgânicos-da própria unidade, sem precisar tomar emprestado em outras) e que sejam suficientes para o transporte de todo o efetivo de um BIS em operações fluviais. Quando se pensa, então, que temos 5 (cinco) brigadas de infantaria de selva, cada uma com 3 (três) ou 4 (quatro) batalhões, estas necessidades se agravam ainda mais!  

Em síntese, estamos receptivos às mudanças, incorporando novos processos, valorizando a ousadia, a criatividade, o questionamento e a coragem – tudo com foco na missão da Força e no futuro do Brasil – prontos para enfrentar o amanhã, assim que ele se tornar hoje.

PRRPAIVA - “Prontos para enfrentar o amanhã, assim que ele se tornar hoje”. Ufanismo e ufanismo, nada mais do que ufanismo. Hoje (que não é mais ontem), nosso Exército cumpre, com restrições, missões de garantia da lei e da ordem (GLO) e algumas de paz, de natureza externa. A defesa da Pátria, sua missão constitucional principal, tem condições de cumprir com êxito desde que não entrem no conflito, do lado do inimigo, os “grandes predadores militares”. Para que se tenha uma ideia, são em torno de 26 brigadas (módulo básico de combate) de naturezas diversas, cada uma com efetivo aproximado de cinco mil combatentes: 2 blindadas (veículos encouraçados sobre lagarta), 4 mecanizadas (veículos encouraçados sobre rodas), 10 motorizadas (organização obsoleta, devem se transformar em mecanizadas), 5 de selva, uma paraquedista, 2 leves (uma é aeromóvel), uma de aviação (helicópteros) e uma de forças especiais. Quem imaginar, 130.000 (26X5000) combatentes podem até parecer muito. Entretanto, e quanto à eficiência/eficácia dos sistemas operacionais destas grandes unidades? Estes estão em condições de operar? Consta que nem o EB nem o próprio País dispõem de recursos para equipá-las e mantê-las em operações de defesa externa contra os “grandes predadores militares”!

Soldados do Exército Brasileiro, a missão está posta! E a hora é esta. O desafio é ostensivo. Mãos à obra, unidos e coesos como sempre estivemos. E, trabalhando, celebremos com justificado orgulho mais um aniversário do nosso Exército – Instituição Nacional, regular e permanente, com maturidade estratégica e senso de legado. Gente patriótica, comprometida com o futuro do Brasil, sempre que precisarem, “chamem o Exército”! 19 de abril, Dia do Exército! Há 366 anos - Sempre pelo Brasil!

PRRPAIVA - União e coesão. Está aí um binômio que precisa ser muito bem analisado, particularmente na atual conjuntura.  Há quem diga que, antes do desencadeamento do movimento de 1964, a Força padecia com a infiltração particularmente no ciclo dos graduados, com ênfase nos subtenentes e sargentos. Mas, e hoje, quantos dentre os graduados, e mesmo oficiais, votaram em lula e Dilma nas últimas eleições? É previsível até que alguns tenham se arrependido, todavia, nem todos. Dentre estes que não se arrependeram, quantos estão filiados como militantes do PT? Diga-se de passagem que nesta situação (militantes filiados), neste parido, o total aproximado é de 600.000. Neste universo, por que razão não existiriam alguns militares? Que não nos enganemos, estes não vão se prejudicar queimando seu filme antes da hora H.  Quanto à reserva se posicionar ombro a ombro com ativa em uma situação urgente e emergencial, quem duvidar disto não está regulando bem. Vamos lutar juntos até a morte!

Brasília, DF, 19 de abril de 2014.

Enzo Martins Peri, General de Exército, é Comandante do Exercito.

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é Coronel de Infantaria com Estado Maior, na reserva.

8 comentários:

Loumari disse...

"O uso da força tem apenas um efeito temporário. Pode subjugar por certo tempo, mas não remove a necessidade de subjugar novamente: e é impossível governar uma nação que deve ser reconquistada eternamente."
(Edmund Burke)


"A força bruta, quando não é governada pela razão, desmorona sob o seu próprio peso."
(Horácio

Anônimo disse...

Sei disso não heim, Loumari! Os japoneses andam pianinho até hoje. É que tem gente que não sabe usar a força certa.

Loumari disse...

E o italiano diz: Piano, piano, va lontano.

Loumari disse...

"Eu caminho devagar, mas nunca caminho para trás."
(Abraham Lincoln)

Anônimo disse...

Caminha tão devagar que perdeu o bonde... rsrs

Anônimo disse...

Soldados do Exército Brasileiro, a missão está posta! E a hora é esta. Sois uns merdas. O desafio é ostensivo. Obedecei ao PT. Mãos à obra, unidos e coesos como sempre estivemos. Vamos todos pro caralho! Estamos fodidos mas muito bem pagos!

Calai-vos, cachorros!

Era is que o peri queria dizer mas como covarde, não disse!

Anônimo disse...

Basta! Vão ser usados pelos petralhas até quando, seu bando de... de... de escritores. Quando tanto já se sabe e nada se faz é porque o brio já não existe.

Unknown disse...

Se o PT ganhar novamente, vai ser uma tragédia total. Temos que tirar essa canalhada do governo.
Nao existe democracia no Brasil, mas sim uma ditadura disfarçada de democracia. E a tendência é piorar.
Fui militar da marinha e nunca vi as forças armadas tão desequipadas e abandonadas pelo governo.
Estamos juntos