sábado, 26 de abril de 2014

Roleta Viciada é Golpe de Estado


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio Ribas Paiva

O Estado é ente ficcional, instituído pelos povos para administrar a coisa pública e proteger as pessoas.

A estrutura administrativa do Estado é o limite de atuação dos governos, escolhidos para cumprir o que foi instituído pelos povos.

Qualquer personalismo, no trato da coisa pública é usurpação do Poder do Estado, que ilegitima os governantes, porque foram escolhidos para exercer o mandato em prol da Nação, nunca, objetivando interesses pessoais, como é regra no Brasil.

Para governar o seu Estado, os povos estabeleceram vários métodos de escolha, sempre objetivando “escolher o melhor entre iguais”. As monarquias, por exemplo, escolhem os chefes de estado via sucessão sanguínea e educam os futuros monarcas para o seu mister: cuidar da coisa pública.

As sociedades primitivas escolhiam os melhores guerreiros para governa-los e chefiar seus exércitos. Modernamente, nas repúblicas, e também nas monarquias parlamentaristas a seleção dos governantes é feita através de processos eleitorais, mas o objetivo primordial permanece: “a escolha dos melhores entre iguais”.

Qualquer mecanismo de escolha, que não se preste a escolher o melhor entre iguais, para governar, é ilegítimo, configurando GOLPE DE ESTADO.

Um GOLPE DE ESTADO pode ocorrer por levante popular, por intervenção militar, que remova um governo ou, “de GABINETE”, como é o caso dos vícios nos mecanismos eleitorais, que impeçam o exercício do direito de livre escolha do eleitor.

A Nação Brasileira, apesar de todos os seus esforços,  ainda não conseguiu estabelecer mecanismos adequados de escolha dos seus governantes.

Os governos militares, que pacificaram a sociedade e lançaram as bases para o Brasil potência, não aprimoraram as instituições, porque, não estabeleceram mecanismos de escolha confiáveis, para garantir a democracia. Inadvertidamente, delegaram essa missão fundamental para a classe política, que legislando em causa própria, deformou o processo eleitoral, para garantir seus interesses e eternizar-se no Poder do Estado.

Devido a essa ilegitimidade, o processo político eleitoral brasileiro, deixou de escolher os melhores entre iguais, tornando-se verdadeira “roleta viciada”, para atender, exclusivamente, aos interesses de poder da Classe Política, a qual se aproveitou da suposta redemocratização, para dar o GOLPE DE ESTADO no povo brasileiro, tomando de assalto a estrutura do Estado.

Esse Golpe escravizou o povo, criando a Casta dos Governantes, verdadeira monarquia do crime, que oprime a Nação, satisfazendo interesses próprios e do poder transnacional.

A classe política, matreiramente, fez crer ao povo, que este elegeria os governantes “diretamente”. Na verdade, todas as eleições são indiretas, porque os candidatos são previamente escolhidos pelos chefes partidários. O eleitor só escolhe dentre os que já foram escolhidos.

As eleições majoritárias são como páreos, em que “todos os cavalos são do mesmo dono”. É por isso, que Fernando Henrique salvou o mandato de Lula, no escândalo do mensalão. Por muito menos Fernando Collor foi cassado.

Foi essa “Roleta Viciada”, que “escolheu” Collor, Fernando Henrique, Lula, Dilma e corre-se o risco de “entronizar” Aécio Neves; políticos que, em hipótese alguma, são os “melhores entre iguais”, que o povo brasileiro poderia eleger.

Collor foi caçado pelos seus pares, para salvar o regime político deles. Fernando Henrique é o “Rei da Privataria”, que doou a Vale do Rio Doce, a Siderúrgica Nacional e a telefonia, para o poder transnacional. Lula é o senhor mensalão. Dilma é o “poste” eleito pelo padrinho, que não esclareceu a sua participação nas inúmeras irregularidades praticadas na gestão da Petrobras e, Aécio Neves, que Governou Minas, sem impedir o subfaturamento das exportações do Nióbio Mineiro, prejudicando Minas Gerais e o Brasil.

Por tudo isso, os segmentos esclarecidos da Nação, civis e militares, têm o dever de interromper o círculo vicioso de Golpes de Estado, praticados pela classe política, contra o bom povo do Brasil, através dos seus processos eleitorais viciados e, portanto, ilegítimos!

A Nação vive hoje e constrói a história do Brasil diariamente. Não há o que esperar. Resta impedir, urgentemente, o Golpe de Estado, consubstanciado nas eleições, dos que já foram eleitos!


Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente da Associação dos Usuários de Serviços Públicos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Escolher entre os que estão ai vai ser a mesmice. Todos eles falam a mesma linguagem. São todos de esquerda. A m.......erda e a mesma o que vai mudar são as moscas. Se não for feita uma higienização total vamos ficar na mesma, isso já vem sendo provado desde a abertura. O que fazer. Primeiro modificar o numero de partidos políticos. Não se justifica esse numero de partidos que não trazem nada de útil para o brasil e o povo brasileiro. O que esses partidinhos de m...erda querem eu vc e a torcida o flamengo quer. Um empreguinho publico para não fazer nada. Depois diminuir o tamanho de ministérios que não fazem e nem fiscalizam nada. Depois diminuir numero de deputados, senadores, vereadores, estaduais, municipais e federais. E uma maquina inchada que não faz nada so fica o dia inteiro planejando onde vai ser o próximo golpe. Da vergonha ver como os congressistas trabalham, as salas vasias nem mostram o auditório para não se ver que as sessões são feitas com poucas pessoas, a frequência não e obrigadoria e se sua excelência faltar não sera descontado. Num pais serio muitos dos que estão no congresso hoje há muito já deveriam ser dispensados pelos órgãos de fiscalização. No brasil não temos nada temos os órgãos de fiscalização, gente ganhando sem trabalhar, porque não fiscalizam nada. Viva a vagabundagem, a malandragem se não foi feita uma limpeza nessa promiscuidade nunca deixaremos de ser pais de ultimo mundo. Nunca teremos avanços em nenhum sentido. O pais esta a deriva e o povo pensando em futebol. Ate quando esse tipo de conduta vai nos beneficar em termos de futuro. O que nossos descendentes receberão de herança do que trabalhamos?Nada. E preciso não ter neurônios para não saber o que esta acontecendo no pais. Ate quando este estado de coisas vai prevalecer. Por menos esse grupo de safados dos idos sessenta já deveriam ter sido expurgados da nação. Acorda brasil, senão babau.

Roberto Cortez disse...

Discordo do autor do artigo, no que diz respeito à "privataria de FHC".O Estado sempre foi incompetente para fazer as empresas estatais produzirem, dar lucro e atender à população, mormente no que diz respeito à telefonia. Jamais o Estado será mais competente que as empresas privadas bem administradas.Está mais parecendo papo de socialista com certa admiração pelo PT.

Álvaro Garcia do Ó disse...

Sr. Roberto Cortez,
Entendo que o autor, ao criticar a "privataria" ocorrida no governo FHC, quiz se referir à maneira como foi feita. Uma espécie de "liquidação de patrimônio público". Preços e condições de pagamento valendo, inclusive, "moeda podre" !
Isso foi feito em nome do "Estado mínimo" uma das condições de governo neoliberal. Sou testemunha de que a CSN - Companhia Siderúrgica Nacional, foi alienada ao setor privado por condições bem abaixo do valor real, e mais, várias áreas não afins com o negócio siderúrgico, fato que trouxe limitações ao município em torná-las públicas.

Martim Berto Fuchs disse...

Só mesmo um novo Contrato Social para mudar o rumo do abismo em que estamos sendo levados.
O autor tem toda razão. Com este sistema político não tem volta. É o caos. Estamos nas mãos de bandidos.

http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2012_08_01_archive.html

Nacionalista disse...

O Brasil precisa urgentemente de uma radical mudança no seu sistema político-institucional atual. O Pacto Social foi quebrado e traído quando a classe política se locupletou do poder para enriquecimento próprio formando uma “monarquia de conveniências pessoais”. O mesmo ocorre com o Judiciário Brasileiro.Urge um “novo modelo”, um Novo “Regime Político-Institucional” composto das Armas Nacionais como Poder Fiscal e Moderador e Uma Elite Pensante Meritocrática para através do exclusivo ato de servir à Pátria “SEM SE SERVIR”, aí sim poderemos colocar a nossa Nação nos trilhos da Ordem e do Progresso. Do jeito que está com este estelionato eleitoral de jogo de “cartas marcadas” cujos cavalos do páreo são todos do “MESMO DONO”, NÃO DÁ MAIS PARA CONTINUAR! Cabe aos nossos Militares cumprirem o seu dever de interferir para restabelecer as Instituições de Poder que foram totalmente corrompidas por “meros agentes operacionais” à serviço exclusivo da “Elite Globalista Financeira Transnacional”, também conhecido como “Chatham House”, de onde saem as ordens para escravizar as massas nos países alvo de seus interesses econômicos. Ou fazemos isto, ou serão mais 200 anos de escravidão! Não há outra saída possível além da “Ruptura Legal” e formação de “NOVO REGIME POLÍTICO-INSTITUCIONAL” isento de ideologias, influencias lobistas e partidos políticos que não representam em nada os anseios do Povo e da Nação. Obrigado pela leitura e espero que encontre alguém que compreenda exatamente o que aqui foi dito. Saudações!

Nacionalista disse...

O Brasil precisa urgentemente de uma radical mudança no seu sistema político-institucional atual. O Pacto Social foi quebrado e traído quando a classe política se locupletou do poder para enriquecimento próprio formando uma “monarquia de conveniências pessoais”. O mesmo ocorre com o Judiciário Brasileiro.Urge um “novo modelo”, um Novo “Regime Político-Institucional” composto das Armas Nacionais como Poder Fiscal e Moderador e Uma Elite Pensante Meritocrática para através do exclusivo ato de servir à Pátria “SEM SE SERVIR”, aí sim poderemos colocar a nossa Nação nos trilhos da Ordem e do Progresso. Do jeito que está com este estelionato eleitoral de jogo de “cartas marcadas” cujos cavalos do páreo são todos do “MESMO DONO”, NÃO DÁ MAIS PARA CONTINUAR! Cabe aos nossos Militares cumprirem o seu dever de interferir para restabelecer as Instituições de Poder que foram totalmente corrompidas por “meros agentes operacionais” à serviço exclusivo da “Elite Globalista Financeira Transnacional”, também conhecido como “Chatham House”, de onde saem as ordens para escravizar as massas nos países alvo de seus interesses econômicos. Ou fazemos isto, ou serão mais 200 anos de escravidão! Não há outra saída possível além da “Ruptura Legal” e formação de “NOVO REGIME POLÍTICO-INSTITUCIONAL” isento de ideologias, influencias lobistas e partidos políticos que não representam em nada os anseios do Povo e da Nação. Obrigado pela leitura e espero que encontre alguém que compreenda exatamente o que aqui foi dito. Saudações!