domingo, 15 de junho de 2014

A Justiça em chamas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Luiz Sérgio Silveira Costa

A ministra Maria Elizabeth Rocha, prestes a assumir a presidência do Superior Tribunal Militar (STM) deu uma espantosa e absurda declaração, hoje no noticiário, de que “O papel do Poder Judiciário é justamente defender minorias que foram historicamente segregadas”, referindo-se às mulheres, negros e homossexuais. Espantosa, por falar em nome do Poder Judiciário, de que não é a Chefe. Absurda, por uma juíza estar colocando a ideologia à frente da lei.

E mais: quer reavaliar a Lei da Anistia, por recomendação da Corte Interamericana de Direitos Humanos, ou seja, sugere que uma recomendação alienígena tenha precedência sobre lei brasileira.

Saiba - e VExa deveria bem saber - que o papel do Poder Judiciário é defender e aplicar a lei, independentemente de que os envolvidos sejam homens ou mulheres, brancos ou negros, hetero ou homossexuais,,,,,, índios ou não, dos movimentos sociais ou não, e que o STF já julgou constitucional a Lei da Anistia!!!

Rendeu-se aos holofotes, soltou as amarras ideológicas, e não resistiu à vaidade de ser a primeira mulher a assumir esse cargo, quando a normalidade é a mulher poder tudo, como qualquer cidadão, e desprezou as maiores características do seu  Poder, a litúrgica discrição e a cirúrgica aplicação da lei. Como disse, certa vez, Célio Borja, ex- ministro do STF: “O juiz é um ser solitário; o amigo de hoje pode ser o julgado de amanhã”. Ou como sempre se disse, “O juiz só se manifesta nos autos”.

Quando essa grave distorção chega ao Poder Judiciário, temos real razão em temer pela justa aplicação  das leis, e pelo futuro do estado democrático de direito neste país, recentemente arranhado quando um advogado, arrogante e destemperado, quiçá embriagado, se achou no direito de assomar a tribuna do plenário do STF, sem autorização, e arrostar a presidência do tribunal e, pasmem, ainda receber o apoio e beneplácito de suas corporativas, e nada republicanas, entidades de classe!!!

Como, ao comentar o lamentável episódio do advogado do Genoino, disse o presidente do STF, Joaquim Barbosa “É de temer o futuro da Justiça e do País, nas mãos dessa grei”.


Luiz Sérgio Silveira Costa é Almirante, reformado.

3 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito Almirante. Sergio, texto redondo, preciso e legal.
Este é o resultado do aparelhamento ideológico dos vários segmentos da adm. publica, não possuem mais pudor nem o respeito pelo publico.
Uma juíza desse quilite deixa duvidas ao se presenciar suas decisões, há que estar sempre na retranca e com as mãos nos recursos.
Perfeito.
Abraços e sucesso.
Carlos Bonasser
SO-MG-Rrm

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira disse:
Excelentissimo Almirante Luis Sérgio Silveira Costa, o nosso país está em uma guerra civil não declarada.
Um dia, eu disse a uma vizinha, do jeito que está caminhando os acontecimentos, o Brasil vai acabar em guerra civl.
Ela me respondeu: guerra pior do que a que estamos vivendo, não existe!
Estamos nas redes sociais pedindo que salve o Brasil. Mas não poderemos ficar indefinidamente.
Que Deus o abençoe e lhe dê muita paz.

Edna Madureira disse...

Sérgio, muito bom seu texto. Mas precisava falar com Sonia ou irmãos, questões relevantes. Poderia repassar meu contato?
obrigada desde já, Edna Madureira.