terça-feira, 24 de junho de 2014

A pobreza não é sinônimo de virtude


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Natalia Vilarouc

Vejo que a maioria das pessoas associa a pobreza a virtudes tais como humildade e perseverança. Levar uma vida difícil mesmo que isso não te leve a lugar algum é visto como uma aura incandescente capaz de dar autoridade para bater no peito e dizer "sou pobre com orgulho".

A prosperidade, no Brasil, é encarada com desconfiança e associada à torpeza de caráter. Se for rico provavelmente deve ter roubado ou sonegado tributos.

Mesmo que a criatura seja um homem desorganizado com suas próprias finanças, frequentador assíduo do bar, violento com esposa e filhos, sua imagem de “trabalhador" que ganha mais ou menos o salário-mínimo já é o suficiente para fazer florescer nas mentes intelectuais verdadeiras odes a essa criatura nada espirituosa.

E é claro que todas as outras circunstâncias são responsáveis pelos infortúnios da vida dele, menos suas ações diárias...

O rico é o malvado. Sempre. E haja impropérios para caracterizar seus atos. Todas suas escolhas pessoais diárias, tais como usar racionalmente seu dinheiro, trabalhar incansavelmente e visão de futuro na boca dos outros se transformam nas palavras de avareza, neurose e oportunismo.

E olhem que situação escabrosa: se o pobre ganhar algo (licitamente ou não) sem que seja fruto do seu trabalho, isto é válido. Porque ele é pobre e precisa. Mas se alguém com mais posses tentar proteger o que foi fruto de seu suor não passa de um sonegador de impostos, o mais vil dos devedores, egoísta miserável que não vê que sua riqueza tem que ser distribuída.

Não preciso ir muito longe para demonstrar que riqueza na mão de quem não produziu vai fácil. Vejam em quanto tempo dura a farra de alguém que acertou na loto. A pobreza não gera virtudes.

O que se dirá, entretanto, do espírito que busca a riqueza? Este alguém terá que ter força, perseverança, fé. Terá muitas vezes que renunciar ao imediatismo, a coragem será fundamental, a visão ampla também, sem falar na habilidade no trato com as pessoas.

Em suma: o espírito que busca a prosperidade é virtuoso.


Natalia Vilarouc é Graduanda de Direito da Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e Especialista do Instituto Liberal.

2 comentários:

Loumari disse...



"Nosso Senhor ama os pobres, por isso fez tantos."
(Abraham Lincoln)



Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados
(MATEUS 5:3)

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Creio que a boa exposição da Dra.Natália pode nos ajudar a entender os motivos que levaram muitos religiosos católicos a apoiar a falsa esquerda instalada no Brasil. Max Webber tem uma boa explicação. Os pobres vão para o "céu"; os ricos para o "inferno". Esse papo imbecil é o mesmo agora usado pelo PT para buscar apoio entre os mais burros,que são maioria. Mas a "pobreza"é para os "outros",não para eles próprios.