sábado, 28 de junho de 2014

Coletivização do indivíduo e perda de valores


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Natalia Vilarouca
Parece ser um crime a resistência ao coletivo. E não me refiro agora tão somente ao viés político que a dicotomia indivíduo/coletivo pode representar, mas toda uma série de atitudes e pensamentos.
Ora, vejam. O indivíduo está preso agora aos seus círculos de amizade.
São ordens que saem dos olhos do seu grupinho que anseia cada vez mais por uma unidade e coesão. Graças, claro, à fragmentação e à perda dos valores mais fundamentais.
A humanidade rasteja para buscar uma identidade grupal e extremamente subdividida.
Dane-se o indivíduo, tal qual ele é. O importante é fazer parte de qualquer grupo. Qualquer mesmo. E fingir ser espirituoso.
A grande moda é dizer que tem uma filosofia de vida. O que não se sabe, ou não se quer perceber é que essa grande filosofia pós-moderna de vida é hedonista, cínica e moralista. Tudo ao mesmo tempo.
Não se encara com naturalidade as relações afetivas espontâneas, mas colocam-se num pedestal as mais horrendas “formas de amor”, as mais espúrias, mais sacais, mais confusas e mais efêmeras. O relacionamento deixou de ser uma construção para tornar-se uma expectativa descabida de "até onde vai durar'?
Estamos tão cínicos que até mesmo aqueles que se aventuram a tirar a venda dos olhos para essa efemeridade e niilismo de valores e racionalidade, viram o rosto com repulsa para adentrar no ângulo mais confortável. Estamos muito sozinhos nas nossas zonas de conforto.
Estamos sempre mais ou menos satisfeitos.
Natalia Vilarouca é Acadêmica de Direito da Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e Especialista do Instituto Liberal.

2 comentários:

Loumari disse...


Reinstalar a Solidariedade Humana

Os valores da solidariedade humana que outrora estimularam a nossa demanda de uma sociedade humana parecem ter sido substituídos, ou estar ameaçados, por um materialismo grosseiro e a procura de fins sociais de gratificação instantânea. Um dos desafios do nosso tempo, sem ser beato ou moralista, é reinstalar na consciência do nosso povo esse sentido de solidariedade humana, de estarmos no mundo uns para os outros, e por causa e por meio dos outros.
"Nelson Mandela, in 'Walk to Freedom'
Tema(s): Materialismo Solidariedade Valor

Anônimo disse...

Essa foto e de que país? Socialista e que não é.