segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Aristóteles e o Balde de Gelo – A Caridade na Condição de Acidente


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

“Untraceable” (que chegou ao Brasil como “Sem vestígio”) é um filme americano de 2008. Não cabe aqui fazer uma resenha, elogio ou crítica dele. Digo apenas que trata-se de uma situação em que uma agente do FBI precisa encontrar um assassino serial cujo “modus operandi” consiste em transmitir a execução de suas vítimas pela internet. Ele faz aquilo que se chama popularmente de “streaming” das execuções e, numa lógica perversa, a vítima morre mais ou menos rapidamente de acordo com o número de acessos dos visitantes da página.

Seis anos depois do lançamento do filme, uma campanha cujo objetivo é levantar fundos para pesquisa e tratamento de uma doença chamada esclerose lateral amiotrófica (ELA) tomou conta da rede mundial de computadores. Conhecida como “Ice Bucket Challenge” (desafio do balde de gelo) ela consiste na divulgação de vídeos curtos em que pessoas famosas pelos mais diversos motivos aceitam ter um balde de gelo e água derramados sobre suas cabeças em “prol das vítimas da ELA”. Uma vez filmadas, o vídeo entra para internet. Assistindo o vídeo, você estará contribuindo para “pesquisa da cura da ELA”.

Antes de escrever esse pequeno artigo, procurei fazer na internet um levantamento das manifestações contrárias à “mania do balde de gelo”. Algumas são hilárias: li por exemplo que “água está sendo desperdiçada”..li sobre eventuais “reações vasovagais (termo da fisiologia) que podem tornar um banho gelado perigoso” ..enfim: li tanta besteira que percebi finalmente a chance que todas elas forneciam à algumas pessoas (algumas delas inclusive neurologistas que atendem pacientes vítimas da ELA) de bradar à plenos pulmões: “Milton, antes de criticar lembre: a campanha está funcionando! Dinheiro está sendo levantado! Pesquisas (na verdade pesquisas com embriões..rsss..mas isso é outro assunto) estão sendo financiadas!”

Confrontado com essa última frase que traz em si o peso dos fatos e não das opiniões, a chance de que qualquer pessoa possa permanecer contra o “desafio do balde de gelo” parece ínfima, não parece?? Quem, com um mínimo de vontade de ajudar pessoas doentes, com “responsabilidade social” poderia ainda se opor??

Meus caros amigos, quando escreveu “Ética a Nicômano”, Aristóteles deixou claro que virtude é a disposição de um indivíduo de praticar o bem; e não é apenas uma característica acidental da ação. Trata-se de uma verdadeira inclinação: virtudes são todos os hábitos constantes que levam o homem para o caminho do bem. Há diferentes usos do termo relacionado à força, à coragem, ao poder de agir, à eficácia de um ato ou à integridade da mente. Quando li o que foi escrito como crítica à campanha do balde do gelo, não encontrei em parte alguma referência às intenções daqueles que assistem os vídeos.

Encontrei elogios àqueles que se submeteram ao desafio, mas nenhuma observação sobre quem foi assisti-lo na internet. Vocês sabem por quê? Respondo eu o seguinte: porque a GIGANTESCA maioria das pessoas que foi ver esse tipo de estupidez não tinha a mínima intenção de ajudar ninguém com ELA, infarto agudo do miocárdio ou hemorroidas. Não passam de milhões e milhões de pessoas que, não querendo permanecer isoladas, diferentes ou desinformadas..não querendo ficar “por fora” do que “rola” na web “precisavam ver o vídeo” em que Bill Gates, Gisele Bundchen ou George Bush ficavam aparentemente, sem sentido algum, ensopados.

Quando terminei o parágrafo acima, não pude deixar de me colocar na posição de leitor..no espanto de quem lendo aquilo pensou com seus botões: temos aqui uma pessoa (mais grave ainda: um médico como o Milton) que não acredita mais na bondade...que já não crê mais no sentido da caridade e da boa ação e, tomado de mágoa com o resto da humanidade, já não pode mais aceitar que existam pessoas de bem. Para esses, minha resposta há de ser – essa sim – um verdadeiro “balde de gelo”.

Creio em Deus Nosso Senhor e, por nele acreditar, aceito acima de tudo a bondade e a caridade como características fundamentais do ser humano. Não vejo, em toda teoria que se construiu a respeito do “mal em si” mais do que um acidente..mais do que um internauta do filme de 2008 que, sem vontade de matar, acelerou a execução que era transmitida pela internet. Lembro, por outro lado, que nos encaminhamos para um mundo em que o inverso pode acontecer..um mundo em que alguém, supostamente, pode praticar o “bem sem querer”..e que nesse “bem sem querer” eu jamais vou acreditar pois diz minha fé que o verdadeiro bem implica, como Aristóteles deixou sugerido ao seu filho (e mais tarde Kant), o “querer”..que a “boa ação nasce da boa intenção do seu agente”.

Penso eu que se um dia esquecer do que escrevi, vou acreditar que toda verdadeira caridade – que deve ser sempre feita em silêncio – pode não passar de um evento comum num mundo mais comum ainda ..num mundo que é, ele mesmo, um balde de gelo e onde impera, dois mil anos depois de Aristóteles, a Caridade na Condição de Acidente.


Milton Simon Pires é Médico.

5 comentários:

Loumari disse...

Leia, Ouça, Veja, mas sobretudo, Pense

Se grandes invenções ou descobertas, como o fogo, a roda ou a alavanca, se fizeram antes que o homem fosse, historicamente, capaz de escrever, também se põe como fora de dúvida que mais rapidamente se avançou quando foi possível fixar inteligência em escrita, quando o saber se pôde transmitir com maior fidelidade do que oralmente, quando biblioteca, em qualquer forma, foi testamento do passado e base de arranque para o futuro. A livro se veio juntar arquivo, para o que mais ligeiro se afigurava; e fora de bibliotecas ou arquivos ficaram os milhões de páginas de discorrer ou emoção humana que mais ligeiras pareceram ainda, ou menos duradouras. Escrevendo ou lendo nos unimos para além do tempo e do espaço, e os limitados braços se põem a abraçar o mundo; a riqueza de outros nos enriquece a nós. Leia.
Milhões de homens, porém, no mundo actual estão incapacitados de escrever e de ler, muito menos porque faltam métodos e meios do que incitamento que os levante acima do seu tão difícil quotidiano e vontade de quem mais pode de que seus reais irmãos mais dependam de si próprios do que de exteriores e quase sempre enganadoras salvações. Mais se comunica falando do que de qualquer outra forma; o que nos dizem muitas vezes nos parece de nenhuma importância, mas talvez tenha havido uma falha na atitude de escutar do que no conteúdo do que se disse; porventura a palavra-chave estava aí, mas estávamos distraídos, ou ansiosos por nós próprios falarmos; e no vento fugiu, a outros ouvidos ou a nenhuns. Ouça.
No tempo em que a antropologia ainda julgava que o homem descendia do macaco notou-se, para os distinguir, que um, mesmo no estádio mais primitivo, desenhava; o outro, mesmo que antropóide superior, nem olhava o desenho. Imagem nos veio acompanhando pela História fora, desde as pinturas ou gravuras rupestres, cujo verdadeiro significado ainda está por encontrar, até cinema ou televisão, sobre cujo significado igualmente muitas vezes nos podemos interrogar e que se tem de arrancar o mais depressa possível ao domínio do lucro, da publicidade ou das propagandas ideológicas para que possam cumprir, como nas formas mais antigas, a sua missão de iluminar, inspirar e consagrar o mundo. Imagem o cerca. Veja.

Loumari disse...

Mas o que vê e ouve ou lê nada mais lhe traz senão matéria-prima de pensamento, já livre de muita impureza de minério bruto, porquanto antes do seu outros pensamentos o pensaram; mas, por o pensarem, alguma outra impureza lhe terão juntado. Nunca se precipite, pois, a aderir; não se deixe levar por nenhum sentimento, excepto o do amor de entender, de ver o mais possível claro dentro e fora de si; critique tudo o que receba e não deixe que nada se deposite no seu espírito senão pela peneira da crítica, pelo critério da coerência, pela concordância dos factos; acredite fundamentalmente na dúvida construtiva e daí parta para certezas que nunca deixe de ver como provisórias, excepto uma, a de que é capaz de compreender tudo o que for compreensível; ao resto porá de lado até que o seja, até que possa pôr nos pratos da sua balancinha de razão. A tudo pese. Pense.

"Agostinho da Silva, in 'Textos e Ensaios Filosóficos'
Tema: Pensar
13 Fev 1906 // 3 Abr 1994 Filósofo/Poeta/Ensaísta

Afonso Mota disse...

Em resumo, como diria Aristóteles: "É graças aos princípios e com os princípios, que se conhece o resto".
#Simples_Assim
Saudações patrióticas.
.'.C.Q.D. Prepare sua sociedade para o Exercício do Poder.

Anônimo disse...

... meu, caras que estudam demais, cabeça muito "cultas", perdem a capacidade de se divertir com coisas simples.
a galera tá contribuindo, e se divertindo, simples assim.

Anônimo disse...

Não é mais fácil simplesmente apenas doar a porra do dinheiro, sem ficar nesse "egocentrismo" de jogar a porra dum balde de gelo na cabeça pra chamar a atenção? Humanidade lixo...