terça-feira, 19 de agosto de 2014

Dilma mente sobre combate à corrupção, foge do tema mensalão e sai contrariada de entrevista ao JN


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Foi desastrosa para sua desgastada imagem reeleitoral, com 34% de rejeição, a entrevista dada por Dilma Rousseff à Rede Globo – não na bancada do Jornal Nacional, mas na biblioteca do Palácio da Alvorada. Tensa, irritada e atropelando os apresentadores William Bonner e Patrícia Poeta – que a pressionaram -, Dilma repetiu a velha tática de falar apenas o que lhe convinha e fugiu de responder às perguntas sobre “condescendência com corrupção” por parte do PT.

Dilma ficou na saia justa e respondeu com a peculiar arrogância, quando Bonner lhe provocou sobre a postura do PT de tratar os condenados no Mensalão como vítimas: “Vou te falar uma coisa: sou presidente da República. Não faço nenhum observação sobre julgamentos realizados pelo STF. Por um motivo muito simples: a Constituição Federal exige que o presidente da República e os demais chefes de Poder respeitem e considerem a autonomia dos outros órgãos. Não julgo ações do Supremo. Tenho minhas opiniões pessoais. Durante o processo inteiro, não manifestei nenhuma opinião sobre o julgamento. Não vou tomar nenhuma posição que me coloque em confronto, conflito com a Suprema Corte. Isso não é uma questão objetiva”.

A personalidade perturbada, por confundir o papel de candidata com a de “Presidenta” – por causa da maldita reeleição -, Dilma ainda abusou da arte de mentir – repetindo uma lorota proclamada por seu Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma insistiu na inverdade de que seu governo foi o que mais combateu a corrupção. Também repetiu a cascata de que foi o governo Lula quem criou a CGU (Controladoria Geral da União) – realmente criada por Fernando Henrique Cardoso, em 2001: “Fomos aquele governo que mais estruturou os mecanismos de combate à corrupção, aos malfeitos. Além disso, tivemos uma relação muito respeitosa com o Ministério Público. Porque também escolhemos com absoluta isenção os procuradores. Fomos nós que criamos a Controladoria Geral da União. Criamos um Portal da Transparência”.

Já que a abordagem do tema corrupção indicava que Dilma poderia sair do sério a qualquer momento, Patrícia Poeta partiu para a questão da saúde. Dilma apenas repetiu a mentirada de sempre: “Não acho (que a situação da saúde é) minimamente razoável. Porque o Brasil precisa de uma reforma federativa (...) Mas resolvemos o problema dos 50 milhões de brasileiros que passaram a ter atendimento e dos 14 mil médicos. Temos de melhorar a Saúde, não tenho dúvida. Ainda temos muitos problemas e desafios a enfrentar na Saúde. Enfrentamos um dos mais graves que há na Saúde. Porque na Saúde se precisa ter médicos. A população sempre reclamou da falta de médicos. Tivemos uma atitude muito corajosa (...) Chamamos médicos cubanos, e conseguimos chegar a 14462 médicos. E 50 milhões de brasileiros não tinham tratamento médico”.

Na hora que foi obrigada a falar de seu outro calcanhar de Aquiles, os problemas na economia, Dilma voltou a fazer o velho espelho comparativo com a distante gestão FHC (1994-2002):  “Primeiro, enfrentamos a crise, pela primeira vez no Brasil, não desempregando, não arrochando os salários, não aumentando tributos. Pelo contrário, desoneramos, reduzimos a incidência de tributos sobre a cesta básica. Enfrentamos a crise também sem demitir. E qual era o padrão anterior?”.

Como os entrevistadores citaram estatísticas negativas de desempenho econômico, Dilma partiu para o ilusionismo: “Não sei dá onde são os seus dados. Mas temos uma melhoria prevista no segundo semestre. Tem uma coisa em economia que são os índices antecedentes e os índices que evidenciam como está a situação atual. Todos esses índices indicam uma recuperação no segundo semestre vis-à-vis o primeiro semestre. Se não olhar para o retrovisor e o que está acontecendo hoje, ela está e zero por cento. Estamos superando a dificuldade de superar uma crise sem demitir, sem reduzir a renda”.

A pregação final de Dilma, após 15 minutinhos de pancadaria editorial, se baseou na marketeira repetição sobre seu papel como “Presidenta” do “Presidentro”: “Fui eleita para dar continuidade ao governo Lula. Ao mesmo tempo, preparamos o Brasil para um novo ciclo de crescimento: moderno, mais produtivo, mais competitivo. Criamos as condições para o Brasil dar um salto. Queremos continuar a ser um país de classe média, cada vez maior a participação da classe média, mais oportunidade para todos. Eu acredito no Brasil. Mais do que nunca, todos nós precisamos acreditar no Brasil e diminuir o pessimismo. E peço votos dos telespectadores”.

Se depender de tal entrevista, Dilma vai ampliar seu desgaste de imagem. Na internet, os petistas adoraram o desempenho da candidata. Os que não gostam dela meteram o pau. A conclusão é que Dilma não tem preparo para suportar pressão. Muito menos para segurar a barra de uma Nação. Mas, para uma “Presidenta” da República Sindicalista do Brazil ele parece maravilhosa...

Tudo Melhorando...


Pugilato jornalístico inútil

Do professor Nilson Lage, um dos decanos no ensino de Jornalismo brasileiro, uma avaliação crítica sobre o modelo de entrevista com candidatos à Presidência feito pelo Jornal Nacional:

"Seus vizinhos afirmam que sua casa é uma sujeira; por que a senhora não a limpa? Seu marido tem sido visto com outras mulheres; como a senhora aceita uma coisa dessas? A senhora é considerada muito feia; não tem vergonha de ser assim horrorosa?"

“Seja com Aécio ou com Dilma, com Marina ou com Serra, com Felipão ou com Neymar, esse tipo de entrevista-MMA não me agrada nem um pouco. Entrevistas devem revelar o que pensa o entrevistado, não exibir a arte argumental do
entrevistador - diferentemente do interrogatório em delegacia ou do questionamento de réus em tribunal de filme americano”.

“No caso da entrevista no Jornal Nacional, e das anteriores com os candidatos à presidência, o que transparece na extensão das perguntas e no caráter inquisidor do questionamento é a falta de vivência do entrevistador com as circunstâncias normais da profissão, em que a grande arte é provocar de modo a dar espaço, não a ocupá-lo.
Se o entrevistado tiver serenidade bastante para não topar a briga nem se enfezar, ganhará a parada, do ponto de vista de um observador neutro, seja o que diz certo ou errado no mérito. Se for um Brizola ou um Getúlio, engolirá o repórter”.


“Naturalmente, isso não afeta as torcidas organizadas: as que eram contra, continuam contra: as a favor, a favor ficam”.

Dilma no JN



A íntegra da entrevista de ontem de Dilma Rousseff à Rede Globo

Recadinho autoritário

Volta a circular nas redes sociais a desastrosa mensagem da Presidenta Dilma Rousseff, feita em 5 de agosto de 2013, para exaltar a XIX Reunião do Foro de São Paulo, no Brasil.



Bichos soltos


Doações ao Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente conosco poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.
                           
Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 19 de Agosto de 2014.

14 comentários:

Loumari disse...


Não Desperdices o Teu Tempo a Viver a Vida de Outras Pessoas
O teu tempo é limitado, por isso não o desperdices a viver a vida de outra pessoa. Não te deixes armadilhar pelos dogmas - que é a mesma coisa que viver pelos resultados do que outras pessoas pensaram. Não deixes que o ruído das opiniões dos outros saia da tua própria voz interior. E, mais importante ainda, tem a coragem de seguir o teu coração e a tua intuição. Estes já sabem, de alguma froma, aquilo em que tu verdadeiramente te vais tornar. Tudo o resto é secundário.

"Steve Jobs
Tema: Viver

tyu disse...

Tenho que agradecer e até doar uns reais para o site que me preserva da perda de tempo
em assistir uma ameba falante dando entrevista em televisão, o que mostra o nível
cultural dessa latrina.
Agora é só ler o resumo da bobagem e pronto.
Uma dica, de 19 de agosto até 02 de outubro, economize uns trocados, no horário da
propaganda eleitoral, desligue a tv e o rádio.

Anônimo disse...

NAUFRÁGIO!

Conforme eu havia previsto, a bancada do JN pegou muito leve com a candidata do Lula da Silva, tanto no que diz respeito às perguntas formuladas, que deixaram de lado os lances mais escabrosos desse inacreditável desgoverno, quanto em relação aos apartes nas respostas da candidata, que praticamente não existiram ou foram tímidos demais, contrariamente ao que se deu nas entrevistas com Aécio Neves e Eduardo Campos. Eles não estavam entrevistando uma candidata, nas mesmas condições das outras candidaturas, como deveria ser, mas, sim, a presidente da república, no território dela e, como se viu ao longo da entrevista, nas condições que o marqueteiro dela tentou impor, e que lhe permitiriam fugir de qualquer resposta minimamente válida.

A Patrícia Poeta, que foi bastante incisiva e irônica nas entrevistas anteriores, quando cumpriu um importante papel, sempre cortando as rotas de fuga dos candidatos, praticamente não interveio. O Bonner, por sua vez, deixou que a candidata se evadisse numa discurseira que a nada respondia. Houve, visivelmente, por parte dos entrevistadores, um excesso de respeito com a presidente que, no entanto, não os respeitou, assim como não respeitou a formatação da entrevista e os expectadores. E tome aquela xaropada toda, a cada pergunta, como se a PF, o TCU e a CGU (criada no governo FHC, mentirosa!), aparelhadíssimos, pudessem conter, apenas pelo fato de existirem, a corrupção que jorra aos borbotões dos porões desse desgoverno que envergonha o Brasil há doze longos anos! Como se o “Mais Médicos”, que importou agentes cubanos, muito mal formados, para trabalhar aqui em regime análogo ao da escravidão, sem revalidação de diplomas e sem nenhum dos suportes que a boa prática médica exige, pudesse resolver o problema da saúde num país que vem perdendo milhares de leitos hospitalares nos últimos anos e que investe muito menos do que seria necessário na área. Seria cômico, se não fosse trágico.

O auge da pantomima ocorreu no momento em que a candidata fugiu de responder à pergunta do Bonner sobre como ela se posicionava diante da condenação de destacados representantes da cúpula do governo e do seu partido à prisão. A pergunta foi feita por quatro ou cinco vezes, sem que nenhuma resposta fosse dada. A candidata fingia que o Bonner perguntara acerca da sua opinião sobre o julgamento pelo STF. Ou seja, era a resposta que ela havia decorado caso fosse perguntado algo remotamente semelhante, e pronto dá-lhe a resposta decorada! Foi simplesmente patético. Um caso típico de vergonha alheia. Até o Lula da Siva, que também prima pela obtusidade córnea, se sairia melhor.

Para arrematar, tendo excedido o tempo que lhe fora concedido e tendo recebido um tempo adicional, a que novamente excedeu, a candidata teve que ser interrompida até com uma certa aspereza por Bonner. Foi o trágico desfecho de uma entrevista em que entrevistadores e entrevistada afundaram juntos, num naufrágio assistido por milhões de expectadores.Os entrevistadores, por um excesso de cautela ao perguntar e apartear e, a entrevistada, pelo excesso de truculência com que “não respondeu” ao que lhe era perguntado. Foi um completo desastre! Que os expectadores se lembrem bem do que viram e ouviram na hora de votar.

lucas Daniel

Anônimo disse...

Electra JF NO PAÍS DO SIGILO
A presidente Dilma sancionou lei que torna sigilosa a investigação de acidentes aéreas ocorridos no país. É a mesma regra que torna sigilosos os gastos desenfreados dos cartões corporativos distribuídos e utilizados pela Presidência da República. A filosofia do PT é a de proteção ao crime e aos criminosos, haja vista, o salário reclusão ser bem maior que o salário do trabalhador. De se criar uma secretaria de direitos humanos, cuja titular, chora e lamenta pelo bandido ter sido preso ou baleado. A lei impede a investigação de acidentes aéreos, tanto pela polícia quanto pelo Ministério Público. Familiares de vítimas de acidentes aéreos ficam de mãos atadas para reclamarem seus direitos. Impossibilitados de reivindicar indenizações. Alega-se que o Brasil é signatário de convenção da Organização Internacional de Aviação Civil que versa sobre o assunto. Imaginem se lei semelhante, tomada, por exemplo, a citada convenção da OIAC, for utilizada para acidentes automobilísticos, náuticos etc., propiciará, certamente, a prevalência da lei do mais forte, estimulando a indesejável prática de se fazer justiça com as próprias mãos. O governo dissemina a iniquidade, criando condições e regras cada vez mais retrógradas em prejuízo da cidadania.
Eduardo campos foi assassinado. Assim como outros ja foram e outros serão se a população continuar aceitando essas leis absurdas que o pt tem criado.
Eduardo campos foi assassinado.
A quem pode interessar essa lei?
Só mesmo aos terroristas comunistas e as empresas aéreas que agora não terão que pagar indenização as vítimas de acidentes aéreos.

Anônimo disse...

Lamentável a entrevista com Dilma. O estarrecedor foi dizer que estão preparando o Brasil do futuro. É de tirar o sono de qualquer pessoa inteligente. Quanto à classe média, Dilma precisa afinar o discurso com a petista Marilena Chauí, que destratou a classe média e prertende acabar com ela. Tema pra ser explorado na campanha.

Anônimo disse...


NAUFRÁGIO!

Conforme eu havia previsto, a bancada do JN pegou muito leve com a candidata do Lula da Silva, tanto no que diz respeito às perguntas formuladas, que deixaram de lado os lances mais escabrosos desse inacreditável desgoverno, quanto em relação aos apartes nas respostas da candidata, que praticamente não existiram ou foram tímidos demais, contrariamente ao que se deu nas entrevistas com Aécio Neves e Eduardo Campos. Eles não estavam entrevistando uma candidata, nas mesmas condições das outras candidaturas, como deveria ser, mas, sim, a presidente da república, no território dela e, como se viu ao longo da entrevista, nas condições que o marqueteiro dela tentou impor, e que lhe permitiriam fugir de qualquer resposta minimamente válida.

A Patrícia Poeta, que foi bastante incisiva e irônica nas entrevistas anteriores, quando cumpriu um importante papel, sempre cortando as rotas de fuga dos candidatos, praticamente não interveio. O Bonner, por sua vez, deixou que a candidata se evadisse numa discurseira que a nada respondia. Houve, visivelmente, por parte dos entrevistadores, um excesso de respeito com a presidente que, no entanto, não os respeitou, assim como não respeitou a formatação da entrevista e os expectadores. E tome aquela xaropada toda, a cada pergunta, como se a PF, o TCU e a CGU (criada no governo FHC, mentirosa!), aparelhadíssimos, pudessem conter, apenas pelo fato de existirem, a corrupção que jorra aos borbotões dos porões desse desgoverno que envergonha o Brasil há doze longos anos! Como se o “Mais Médicos”, que importou agentes cubanos, muito mal formados, para trabalhar aqui em regime análogo ao da escravidão, sem revalidação de diplomas e sem nenhum dos suportes que a boa prática médica exige, pudesse resolver o problema da saúde num país que vem perdendo milhares de leitos hospitalares nos últimos anos e que investe muito menos do que seria necessário na área. Seria cômico, se não fosse trágico.

O auge da pantomima ocorreu no momento em que a candidata fugiu de responder à pergunta do Bonner sobre como ela se posicionava diante da condenação de destacados representantes da cúpula do governo e do seu partido à prisão. A pergunta foi feita por quatro ou cinco vezes, sem que nenhuma resposta fosse dada. A candidata fingia que o Bonner perguntara acerca da sua opinião sobre o julgamento pelo STF. Ou seja, era a resposta que ela havia decorado caso fosse perguntado algo remotamente semelhante, e pronto dá-lhe a resposta decorada! Foi simplesmente patético. Um caso típico de vergonha alheia. Até o Lula da Siva, que também prima pela obtusidade córnea, se sairia melhor.

Para arrematar, tendo excedido o tempo que lhe fora concedido e tendo recebido um tempo adicional, a que novamente excedeu, a candidata teve que ser interrompida até com uma certa aspereza por Bonner. Foi o trágico desfecho de uma entrevista em que entrevistadores e entrevistada afundaram juntos, num naufrágio assistido por milhões de expectadores.Os entrevistadores, por um excesso de cautela ao perguntar e apartear e, a entrevistada, pelo excesso de truculência com que “não respondeu” ao que lhe era perguntado. Foi um completo desastre! Que os expectadores se lembrem bem do que viram e ouviram na hora de votar.

Anônimo disse...

Finalmente, depois de muitos anos na bancada, senti firmeza no Bonner ontem. Como jornalista, não me satisfaz não, pq ele só apresenta o jornal, já num formato fechado, sem apresentar de fato a sua visão de jornalista, sem crítica. Mas ontem, fez o que tinha q fazer: não foi superficial, foi ao centro das questões mais polêmicas da gestão petista.
E vale dizer que assim foi com todos até o momento. Dilma deveria encarar aquele momento, como uma oportunidade de explicar-se sobre temas tão espinhosos como a corrupção que corroeu a imagem do seu partido. Mas parece q ela tomou as perguntas como um ataque pessoal, e em alguns momentos quis contra-atacar; inclusive questionando a fonte pesquisada por Bonner pra falar de economia. Enfim, ela, como sempre, só enrolou, não disse a que veio, escorregou por entre as perguntas, e ficamos na mesma, porém com uma certeza: Dilma vestiu de vez a carapuça da ignorância, da intolerância e da insegurança. E Bonner, querendo ou não, brilhou.

Augusto disse...

Tarso pressiona Band para não divulgar pesquisa com vitória acachapante de Ana Amélia. Rede repeliu retaliações e denunciou tudo com provas.

https://www.youtube.com/watch?v=h_pV0xWD0RQ

Loumari disse...

A atitude e o comportamento da madame Rousseff Dilma na entrevista se explica. Ela está ela mesma a sabotar a sua própria reeleição. Ela já está de saida. Observem bem nos seus atos e gestos, ela não se esforça com procurar seduzir a gente, mas bem, ela está a fazer o tudo por tudo para amargar o mais possível a gente. Ela deseja que o povo lhe expulse do trono. Envez de lhe detestarem, ajudem a mulher a fazer com que o seu desejo se realize.
Leram acima o texto de Steve Jobs?

Anônimo disse...

A IMPRENSA É A NOSSA MAIS PODEROSA ARMA DO PARTIDO - Lênin.
A entrevista de Dilma foi um vexame total, pois alongou as perguntas recheando de engalobações, sendo a pior de todos os entrevistados até hoje, sendo um borrada total, para desespero do PT e as vaias que recebe justificam sua incompetência, como do seu chefe, outra porcaria, Lula.
Por isso que os comunistas ascendem ao poder, via mídia comprada para os propagar e contarem mentiras de manhã à noite ao povo, contando também com muitos Judas religiosos quer da CNBB supostamente católica, quer de muitas seitas protestantes que também apoiam os comunistas, caso IURD-Edir Macedo em trocas de favores, só poderia ser isso ou então infiltrados se passando por religiosos, o mais certo.

Anônimo disse...

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/08/19/dilma-da-show-em-11-se-nao-abateram-ate-agora/


MERDINHA

Anônimo disse...

Acho que já estava tudo programado.
Marina vai pro 2° turno com Dilma e vence. Esse é o roteiro. Parece mesmo que já esta tudo ensaiado.
Dilma pouco importa com as criticas é o cinismo segue uma agenda do partido.
Ela vai passar o trono para Marina. Aécio não convence, PSDB não tem moral ilibada pra criticar.
Maquiavel já dizia: Se queres fazer o bem faça aos poucos, o mal faça de uma vez...
Esse é o destino do braziú Serrão.
Vamos observar, não há muito há fazer. O povo brasileiro é um ser ignorante começando pela elite, fútil, vulgar...
A mídia , tudo esta aparelhado, foram anos de doutrinação vigarista, temos hoje uma elite imbecilizada, os jovens então nem se fala...

Anônimo disse...

A propaganda eleitoral doravante é que mostrará a diferença entre os candidatos e fará a diferença nas próximas escolhas e mudanças de intenção de votos.
O Pastor Everaldo é de um partido socialista, PSC, inexperiente, e mesmo como pastor evangélico foi ao lado do PT e saiu por falta de espaço, não recebeu cargos, ele reclamou; seria e$paço?
Se o tivessem contemplado, ficaria lá, tipo Edir Macedo!
Marina foi fundadora no Acre da CUT, depois se juntou aos comunistas do PCRB depois por muitos anos do PT, depois PV, era da esquerdista TL, depois evangélica esquerdista, além de complicada e marxista, quer se passar por beata.
Dilma? Dispensam comentários; seu desgoverno e as vaias falam por ela.
Aécio, o melhor preparado sempre foi flexível, 2 vezes governador de MG tem muita experiência e um tipo diplomata. O melhor entre todos.
Dilma de cara já deu o tiro no próprio pé com essa malfadada entrevista que deu, e a proxima a ser massacrada é a melancia e só sobrará Aécio.
Parece que Dilma já estaria até conformada com a derrota, mas não demonstra, seria orgulhosa e altiva.

Jayme Guedes disse...

A diferença no comportamento da bancada do JN, comparadas as entrevistas com a Dilma, ontem, e o Pastor Everaldo, hoje, foram de vomitar. Os dois jornalistas perderam completamente a credibilidade. Ontem, de quatro, em posição submissa, e hoje, arrogantes e implacáveis, desmoralizaram completamente a própria imagem e a imagem da Globo. Foi um espetáculo nojento. Salvou-se o candidato cuja postura esteve entre as melhores entre os massacrados pela dupla, incapaz de exibir uma atitude uniforme diante de todos os entrevistados.