quarta-feira, 13 de agosto de 2014

O Voto consciente: um exercício de cidadania


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

É inexpressivo o número de parlamentares oriundos das Forças Armadas, e vários fatores concorrem para esta pífia participação na política do País. Por razões legais, aos militares da ativa, é praticamente impossível conciliar aspirações profissionais e ambições políticas.
Os que se atrevem, da Ativa ou, em geral, os da Reserva, fracassam por vários motivos, e um deles é o de não contarem com o apoio de seus companheiros de farda.
Na verdade, a própria formação castrense, de total afastamento das atividades políticas, quando não ojeriza, tem concorrido para a falta de sensibilidade que ainda perdura no consciente de muitos militares.
Lamentavelmente, desatentos à realidade atual e transparente, de que nenhum setor da sociedade pode prescindir de representatividade política, e nenhum segmento pode abrir mão de seu direito democrático de se fazer ouvir em todos os plenários municipais, estaduais ou federais, não exercem, com plenitude, o direito do voto.
No entanto, podemos captar as aspirações de parcela significativa de militares e dependentes, prosseguindo o pensamento dos pioneiros que perceberam que o caminho futuro passa, necessariamente, pela eleição de candidatos militares ou civis, que de fato estejam compromissados com os interesses da Nação, das Forças Armadas e da Família Militar.
Hoje, considerando - se que o nível de canalhice atingiu os seus maiores índices e, portanto, diante de tamanho infortúnio, clamamos, não somente por representantes que se preocupem com o futuro das Forças Armadas; na verdade, exigimos mais, urge uma devassa, impõe - se uma renovação, e que um grito de revolta percorra o seio da classe política e atemorize os canalhas, poltrões e ladrões.  
Impõe - se o surgimento de uma nova casta de homens públicos, de parlamentares que assumam a hercúlea tarefa de moralizar e limpar a nódoa de permissividade que permeia e mancha a política nacional, hoje um covil de bandalhas e de falta de decoro. Certamente, homens públicos com esta determinação, oriundos ou não das Forças Armadas, seriam bem - vindos.
Felizmente, a consciência de que a formação de uma representatividade autêntica, cujo discurso seja pela moralidade, pelo cuidado com a coisa pública, com o respeito ao cidadão e com a preservação da soberania nacional, é uma aspiração positiva que começa a germinar no seio da população.
Os novos representantes, porta - vozes de uma parte da população que está desvalida poderão ser os cidadãos probos, que se proponham a legar aos brasileiros os valores que foram esquecidos. Eles não precisam envergar qualquer tipo de farda, basta que tragam no coração, arraigado, o nacionalismo, que persigam e preservem o seu idealismo, e que cultivem a cidadania como um dever.
Alguns, céticos, afirmam “mas isto levará tempo”.
Sem dúvida, para uma mudança de mentalidade, após décadas de incúrias, de malversação, de todas as espécies de falcatruas, de impunidade e de levar vantagem sem esforço; somente uma depuração, desde já, que redunde numa reviravolta no ensino, num chacoalhar em hábitos mesquinhos, que desperte brios, enalteça a dignidade, valorize a correção, o caráter e a probidade, poderá, em médio prazo, sacudir esta Nação.
Hoje conclamamos a todos, para que fiquem alertas, pois militares e civis de reconhecidas qualidades se propõem a moralizar o cenário político nacional, e eles dependem de nosso voto.
Por oportuno, é melhor começar agora. Antes tarde do que nunca.
Em São Paulo, o General da Reserva, Peternelli é candidato (2022) à Deputado Federal, e, pelo Brasil afora, outros como ele, militares de diferentes postos e graduações lançam - se corajosamente como candidatos.
Certamente, de mesmo porte, inúmeros civis de elevados propósitos de representar condignamente os seus eleitores aventuram - se na árdua tarefa de concorrer às eleições.
Não desperdicem o seu voto e ajam com cautela, mirem com bons olhos aqueles militares e civis, que por sua conduta ilibada merecem a sua atenção e, se possível, o seu voto.
Votem conscientes e ajudem a acabar com a esbórnia política que os maus representantes criaram na ânsia de se locupletarem e de utilizar o voto dos incautos como seu passaporte para as mordomias abusivas, para o mando sem freios, para o acesso às negociatas, à corrupção e à impunidade.
Brasileiros, acordem que ainda dá para endireitar este País.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira é General de Brigada reformado.

7 comentários:

CEL CESAR PINTO - averdadedasmentiras-unknown disse...

CARO JORNALISTA SERRÃO
SR. GENERAL COM TODO O RESPEITO QUE O SR. MERECE DO POVO INOCENTE ÚTIL, QUE CONCORDA EM PARTE COM A SUA POSTAGEM.
"Impõe - se o surgimento de uma nova casta de homens públicos, de parlamentares que assumam a hercúlea tarefa de moralizar e limpar a nódoa de permissividade que permeia e mancha a política nacional, hoje um covil de bandalhas e de falta de decoro. Certamente, homens públicos com esta determinação, oriundos ou não das Forças Armadas, seriam bem - vindos".
Os novos representantes, porta - vozes de uma parte da população que está desvalida poderão ser os cidadãos probos, que se proponham a legar aos brasileiros os valores que foram esquecidos. Eles não precisam envergar qualquer tipo de farda, basta que tragam no coração, arraigado, o nacionalismo, que persigam e preservem o seu idealismo, e que cultivem a cidadania como um dever.
Alguns, céticos, afirmam “mas isto levará tempo”.
Votem conscientes e ajudem a acabar com a esbórnia política que os maus representantes criaram na ânsia de se locupletarem e de utilizar o voto dos incautos como seu passaporte para as mordomias abusivas, para o mando sem freios, para o acesso às negociatas, à corrupção e à impunidade.
Brasileiros, acordem que ainda dá para endireitar este País".
Valmir Fonseca Azevedo Pereira é General de Brigada reformado.
ENTRETANTO DISCORDA DO "VOTO CONSCIENTE", VAMOS SIM EXERCER O EXERCÍCIO DE CIDADANIA DA SEGUINTE FORMA.
"Brasileiros, acordem que ainda dá para endireitar este País".
NÓS ACORDAMOS E NO DIA 5 DE OUTUBRO VAMOS VENCER ESTA BATALHA DO BEM CONTRA O MAL (POLÍTICO).
GOSTARIA DE VER NO DIA 5 DE OUTUBRO DE 2014 AS MESAS DAS ZONAS ELEITORAIS VAZIAS DE ELEITORES, E SEM FILAS PARA DAREM OS SEUS VOTO.
SERIA UM FATO INÉDITO E MOSTRARIA AOS POLÍTICOS QUE O PODER EMANA DO POVO.
LOUMARI DISSE:
"Vero. O povo brasileiro não é vítima, mas sim, responsável e cúmplice da situação atual. A quanto se estima o número dos que governam o país hoje? Se eles estão no poder é graças a quem?

"O Victor Hugo disse: ENTRE UM GOVERNO QUE FAZ O MAL E O POVO QUE O CONSENTE, HÁ UMA CERTA CUMPLICIDADE VERGONHOSA.

Povo brasileiro, fizeram merda? Agora é tempo de passar o KÂRCHER para decapar a sujeira na qual vós mesmos sois responsáveis. Aquele que quer ser respeitado há que saber impor o respeito".
O QUE ESTAMOS PREGANDO NÃO É A DESOBEDIÊNCIA TÁCITA A LEI ELEITORAL.

É A RESTAURAÇÃO DE UM PODER QUE É NOSSO.

DO POVO ELEITOR.

QUEM VALE MAIS O ELEITOR OU O ELEITO? O ELEITO É EFEITO DA VONTADE DO ELEITOR.

VAMOS APROVEITAR ESTA OPORTUNIDADE ÚNICA E REORDENAR O BRASIL.
A HORA É ESSA E NÃO VAMOS PERDÊ-LA.
GOSTARIAMOS QUE O SR. GENERAL NOS AJUDASSE NESTE EMPREITADA NÃO COMPARECENDO PARA VOTAR NO DIA 5 DE OUTUBRO DE 2014 E AGUARDAR O PRÓXIMO PLEITO EM 2015 COM NOVOS CANDIDATOS.

CEL CESAR PINTO - averdadedasmentiras-unknown disse...

Li no post de CEL CESAR PINTO o seguinte:

AS SANÇÕES APREGOADAS PELOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO E PELO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL(TSE), A TODA HORA SÃO: O NÃO RECEBIMENTO DE PAGAMENTO, NÃO PODER TIRAR PASSAPORTE, NÃO PODER TIRAR EMPRÉSTIMOS, NÃO PODER TIRAR CARTEIRA DE TRABALHO E TANTAS OUTRAS.

Vos confesso que caí de bem alto. Pensei estar a alucinar, mas sacudi a minha cabeça, esfreguei bem os meus olhos mas vi que está belo e bem ai escrito. Quer dizer que é com chantagem que querem obter o que se propõem??? Se sobrasse algo de inteligência no povo brasileiro, provocariam um verdadeiro seímo. Abstenção massiva provocaria um verdadeiro seísmo, não só no interior do Brasil, mas Brasil viria a ser um number one em pôr foram todo um regime e dizer não ao sequëstro da sua liberdade. Enviem uma mensagem forte a comunidade internacional, tomando-lhe por testemunha da realidade que se vê confrontado o povo brasileiro. Para estes gajos serem dirigentes é porque há povo. E se o povo lhes repudiar, eles filipam. Há alguém que pode falar no vazio? Povo brasileiro, esta é a vossa última carta a jogar. Cabe a vós de como vão jogar o vosso jocker.



E também li as seguintes palavras:

TIRANDO DÚVIDAS DO ELEITOR
O ERRO NÃO É DOS POLÍTICOS, CORRUPTOS CONIVENTES E OU OMISSOS E SIM DO POVO INOCENTE ÚTIL


Vero. O povo brasileiro não é vítima, mas sim, responsável e cúmplice da situação atual. A quanto se estima o número dos que governam o país hoje? Se eles estão no poder é graças a quem?

"O Victor Hugo disse: ENTRE UM GOVERNO QUE FAZ O MAL E O POVO QUE O CONSENTE, HÁ UMA CERTA CUMPLICIDADE VERGONHOSA.


Povo brasileiro, fizeram merda? Agora é tempo de passar o KÂRCHER para decapar a sujeira na qual vós mesmos sois responsáveis. Aquele que quer ser respeitado há que saber impor o respeito.

CEL CESART PINTO - averdadedasmentiras-unknown disse...

Caro jornalista serrão
O COMENTÁRIO ANTERIOR É AINDA COMPLEMENTANDO E COM REFERÊNCIA A POSTAGEM DO SR. GENERAL, PARA SEU CONHECIMENTO DE COMO O POVO INOCENTE ÚTIL PODE RESTAURAR A DIGNIDADE DAS ELEIÇÕES NO BRASIL.


HOJE ESTA É A VERDADE BRASILEIRA.


Revolução já.


SEM VIOLÊNCIA

"Para fazer a revolução que o País precisa basta que no dia 05 de outubro de 2014 a maioria dos eleitores brasileiros não compareçam na sua sessão eleitoral. Torne-se um revolucionário Votar em branco significa que o eleitor não quer votar em nenhum dos candidatos inscritos e tal decisão deveria ser respeitada pela Justiça Eleitoral e não inventar este desrespeito ao eleitor que é o voto válido. Em vez de votar em branco ou anular seu voto vá passear com a família, vá para a praia e se estiver chovendo vá a um cinema ou um teatro. Se você é idoso ou idosa não compareça para votar, mostre que não aceita o roubo legalizado que é feito mensalmente na sua aposentadoria. . Se a maioria dos eleitores não comparecer para votar está feita a revolução sem nenhuma violência. Em consequência deste resultado a Eleição deve ser anulada. Não argumentem com essa bobagem de voto válido o que significa valorizar o voto de uns sobre o voto de outrem.


Não acreditem nas pesquisas que não deveriam ser divulgadas, pois, seu resultado pode ser facilmente manipulado além de influenciar o eleitorado


O que fazer para o Estado brasileiro continuar funcionando após 1º de janeiro de 2015 é assunto para outro artigo".

AUTOR BRIGADEIRO ERCIO BRAGA

CEL CESAR PINTO - averdadedasmentiras-unknown - no google disse...

CARO JORNALISTA SERRÃO

SR. GENERAL, VAMOS NOS UNIR EM TORNO DESTE PONTO CRUSCIAL PARA OBTERMOS UMA NOVA ELEIÇÃO LIMPA EM 2015.

Loumari disse...


Porque ímpios se acham entre o meu povo: cada um anda espiando como se acaçapam os passarinhos;
armam laços perniciosos, com que prendem os homens.
Como uma gaiola cheia de pássaros, são as suas casas cheias de engano: por isso se engrandeceram, e enriqueceram.
Engordam-se, alisam-se e ultrapassam até os feitos dos malígnos; não julgam a causa dos órfãos, para que eles prosperem;
nem julgam o direito dos necessitados.
Não castigaria eu estas coisas? diz o Senhor; não se vingaria a minha alma de uma nação como esta?
Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra.
(JEREMIAS 5:26)


Beijai o Filho, para que se não ire, e pereçais no caminho, quando, em breve, se inflamar a sua ira;
bem-aventurados todos aqueles que nele confiam. (SALMO 2:12)



Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amen!
Ora vem, Senhor JESUS!
A graça do nosso Senhor JESUS CRISTO seja com todos vós! Amen.
(APOCALIPSE 22:20)

Anônimo disse...

"Brasileiros, acordem que ainda dá para endireitar este País."

Só se houvesse alguma forma de arrancar do poder a petralhada e toda a sua influência. Pelo voto, isso não será possível, uma vez que continuarão, paralelamente, 10governando (pisoteando a Constituição) com as mãos do STF vermelho.

Anônimo disse...

O voto só será um exercício de cidadania legítimo quando o sistema for confiável, ou seja, passível de auditoria. Enquanto tivermos urnas eletrônicas, sem voto impresso para posterior conferência, seremos palhaços:

http://www.fraudeurnaseletronicas.com.br/

Deputado Fernando Chiarelli denuncia fraude nas eleições brasileiras via urnas eletrônicas.wmv

"Não existem milhões de eleitores no Brasil, e sim, milhões de palhaços."

https://www.youtube.com/watch?v=K7MfCx-h_Cc