terça-feira, 26 de agosto de 2014

Tortura contra as Forças Armadas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Armando Luiz Malan de Paiva Chaves

A mídia politicamente engajada – ou comprada -  não descansa no afã de dar voz aos derrotados e acusar os militares de torturadores.

A acusação é coletiva, abrangente, indiscriminada. Abjeta, generaliza para a totalidade dos integrantes desse numeroso segmento da população. Envolve ativa, reserva e reformados. Computa os que ainda não vestiam farda ou serviam em unidades sem qualquer ingerência no enfrentamento da subversão terrorista.  Ao buscar aviltar a instituição, ignora que, em muitos anos corridos, conserva os maiores índices de aprovação da opinião pública.

Por sua coesão, pela uniformidade de atitudes, pelo regime de trabalho e de vida a que se submetem voluntariamente, pela farda que vestem, os militares não são avaliados como indivíduos e sim como integrantes de sua coletividade, para elogios ou condenações. Aqueles eventuais, essas contumazes.

A condenação coletiva é uma falácia, uma injustiça.

O exame aprofundado do Estatuto dos Militares revela um Código de Honra. Sua base institucional é a hierarquia – ordenação da autoridade - e a disciplina – rigorosa observância e integral acatamento das leis e regulamentos - traduzindo-se pelo perfeito cumprimento do dever.

Dentre os preceitos da Ética Militar, estão os de respeitar a dignidade da pessoa humana e proceder de maneira ilibada na vida pública e particular. Os Deveres Militares compreendem, a mais de outros, a probidade e a lealdade em todas as circunstâncias, bem como a obrigação de tratar o subordinado dignamente e com urbanidade.

A tortura, como apregoada pelos que foram presos por envolvimento na subversão, não tem lugar nesse Código de Honra.

Um pai que pressiona o filho para dizer a verdade exerce uma ação psicológica. Um interrogador que exerce o dever de obter a confissão de um preso não pode sentar-se à sua frente e esperar que confesse. Vale-se de recursos psicológicos para induzi-lo a tal. A variedade desses meios corre por conta do interrogador, mas lhe é vedado desrespeitar a dignidade do interrogado, submetendo-o a sevícias e castigos corporais. Os militares respeitaram a dignidade dos suspeitos. Ainda que tenham ocorrido exceções, foram investigadas quando chegaram ao conhecimento das autoridades e, sempre que comprovadas, receberam as devidas punições.

As milionárias indenizações pagas com o dinheiro do povo aos subversivos que roubaram, mataram inocentes, assassinaram representantes da lei e “justiçaram” companheiros, sequestraram embaixadores e os maltrataram em cárcere privado, tiveram sempre como argumento convincente a tortura aplicada por militares. 
Mentiram, como até hoje mentem, valendo-se da técnica gramsciana e dos mandamentos de Lenin, na tentativa de esconder a fragorosa derrota e implantar o socialismo marxista por que lutaram e ainda lutam.

A História, e não uma comissão adrede constituída para distorcê-la, restabelecerá a Verdade.


Armando Luiz Malan de Paiva Chaves é General de Exército na reserva.

5 comentários:

Anônimo disse...

A milicada bolivariana do Brasil merece todo tipo de achincalhe, pois já mostrou que não tem dignidade e que não honra a história das instituições militares e nem o sacrifício dos colegas de farda das gerações passadas, muito menos observa seu dever de lealdade à pátria. Em breve estarão cantando o hino da Internacional Socialista, se é que já não o fazem.

A História reserva a essa geração de militares o limbo e a execração. Traidores da nação brasileira! Não têm vergonha na cara e nem hombridade de assumir a responsabilidade e terminar o serviço mal feito no passado! É triste ver uma instituição que já teve heróis como Olympio Mourão Filho nas mãos de melancias, asquerosos pigmeus morais.

Anônimo disse...

Resumindo em poucas palavras, é o meio de jogar a população contra os militares pelo o pavor desesperador que esta volte a pedir uma intervenção devido aos desmandos e violência que estes "coitados" psicopatas provocam na sociedade. Estes psicopatas não torturam apenas os militares, mas qualquer pessoa que presa pelos bons costumes. Essa praga quer por tudo acabar com qualquer resquício dos valores morais. E o pior, eles nos xingam do que eles são e nos acusam do que eles fazem, ou seja, tudo o que eles atribuem aos militares, são da própria índole perversa de psicopatas que a petralhada tem. Vejam a situação de quebradeira e violência que vive o país.

Veronica Ruzzi disse...

Prezado General
Nasci em 1945, portanto acompanho sempre com interesse o que acontece em meu país, conheço bem a história politica brasileira, que infelizmente sempre foi corrupta e com pouco ou nenhum interesse em melhorar a vida do cidadão, principalmente no item educação, a história se repete exaustivamente ao longo dos seculos. Porem: devido a falta da educação tão importante para o pleno desenvolvimento de uma nação grande parte da população brasileira é incapaz de reconhecer que durante os ditos anos de chumbo viviamos um dos períodos mais democráticos no Brasil. Desde o estouro do escândalo do mensalão o Brasil passou a viver um período dos mais vergonhosos e imoral jamais ocorrido em toda a sua história, não à uma estância que não esteja corrompida neste Pais. A meu ver nossa unica esperança é AS FORÇAS ARMADAS DO BRASIL que tem o dever de proteger os seus cidadãos cumprindo a risca a nossa constituição que é respeita-la devolvendo a nossa dignidade e direitos que nos são tirados por um bando de ladrões que já nos enfiaram num buraco tão profundo que nos leva a apreender novamente o que é viver com dignidade respeitando o seu próximo, trabalhar pagar seus impostos, sermos respeitados como cidadãos novamente.

Anônimo disse...

O exército brasileiro prestou um serviço a pátria baixando o cacete
Nesses comunistas e psicopatas a época eu trabalhava hoje aposentado com 2800 reais uma bandida que se diz 'presidenta' que nunca trabalhou ou estudou 30000.

waldyr armentano martins disse...

Parabens Chefe pela feliz redação.Clara,precisa e concisa espelha toda a verdade que sentimos.Gostaria de ter sido eu a escreve-la mas permito´me apoiar integralmente e difundir a todos quantos eu ´possa atingir.Deus queira que a luz volte a brilhar na cabeça dos brasileiros.Assino com satisfação.Gen Waldyr A.Martins