sábado, 20 de setembro de 2014

O céu não é o limite

Elon Musk
Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Heitor Machado
Como empreendedor, busco também fomentar em outras pessoas essa cultura. Para tal, precisamos de bons exemplos. Quando pensamos em grandes empreendedores, alguns nomes vêm a cabeça de primeira: Michael Dell, Steve Jobs, Bill Gates. Claro que esses são excelentes exemplos para nós, e essas pessoas começaram sua busca com alguns milhares de dólares e muita vontade. Porém, hoje gostaria de falar sobre Elon Musk, um sul-africano que tem certeza que o céu não é o limite.
Musk começou a empreender com 11 anos, criou seu primeiro videogame que foi vendido a uma empresa sul-africana por US$ 500,00. Mais tarde criou uma empresa chamada Zip2 que era basicamente um site que reunia as principais notícias dos grandes sites e vendeu para a Compaq por 307 milhões de dólares, isso em 1999. Em seguida criou o Paypal, que foi vendido por 1,5 bilhão de dólares.
Parece muito para você? Para Musk não é. Com esse capital em mãos, ele está empreendendo duas empresas. As duas serão alvos de comentários, já que ambas mostram viés altamente liberal, e vão de encontro ao que as militâncias anti-capital pregam. Uma delas é a Tesla Motors, uma empresa que produz carros elétricos a um custo realmente acessível, a outra é a SpaceX, uma empresa de exploração espacial.
A Tesla Motors tem uma visão muito ousada, assim como seu criador. O primeiro projeto da empresa foi um carro esportivo e que fosse também totalmente elétrico. Primeiramente, eles criaram apenas a propulsão do carro, e todo o restante vinha de um carro convencional, o Lotus Elise. O que realmente importava era conseguir que um carro fosse esportivo e ao mesmo tempo elétrico, já que os carros elétricos acessíveis no mercado ou eram feios demais ou lentos demais. De fato, faltava um quê de genialidade de Elon.
Eles conseguiram, tornaram o carro que era ao mesmo tempo atraente e sem emissões. Em seu segundo projeto, o Modelo S, eles queriam ousar ainda mais, criar um sedã de luxo que fosse capaz de ter a luxuosidade de um carro europeu e a esportividade de um genuíno carro esportivo e, além disso, tivesse um preço acessível. Hoje, o modelo S começa seu preço em 50 mil dólares. Não se espante se esse carro chegar (se chegar) ao Brasil, custando 400 mil reais. Hoje, esse carro ainda não tem um preço muito comercial já que os carros populares nos EUA custam em torno de 20 mil dólares, mas aí que o Sulafricano surpreende a todos.
Recentemente, Musk informou que estavam abertos TODOS os projetos da Tesla. Ele simplesmente abriu todos os segredos para quem quisesse ver. E quando questionado sobre a concorrência, disse “meus concorrentes são todos os carros movidos a gasolina”. Musk não tem nenhum respeito pelo Status Quo. Agora, caro leitor, a concorrência será fomentada, os preços fatalmente abaixarão, pois muito mais empresas estarão vendendo e quem ganhará com isso? Todos aqueles que querem de fato obter o produto. Percebam que em busca de lucro e motores sem emissão, Musk deixa os ambientalistas anti-capitalismo com a pulga atrás da orelha. Quem fez mais pelo meio ambiente, Elon Musk em busca de lucro ou o Greenpeace e sua militância?
Sua segunda, mas não menos importante, iniciativa é a SpaceX. Quando perguntarem para você quem manda pessoas para o espaço, você depois desse artigo vai responder “Estados Unidos, Rússia, China e ELON MUSK”. Sim, não achando que a Terra era o suficiente, ele está desenvolvendo uma empresa que prestará esse serviço aos países que mandam astronautas à estação espacial. Atualmente, está em testes o foguete Falcon 9 que levará a cápsula Dragon até fora da atmosfera terrestre e levará até 8 pessoas ao espaço. Musk não é o único nessa investida, a Virgin Galactic está organizando viagens ao espaço tripuladas para os que quiserem pagar.
Ao desenvolver esse tipo de empreendimento, essas empresas mostram que as administrações estatais não são necessárias nessas áreas. E muito em breve, estarão levando viagens espaciais aos consumidores, aqueles que quiserem pagar, além de desenvolverem tecnologia que antes era restrita nos cofres super secretos. Essas tecnologias estarão disponíveis a mais pessoas e o desenvolvimento de materiais serão barateados. Nas mãos do estado, jamais estariam disponíveis para o grande público. Para a iniciativa privada, o céu não é limite.


Heitor Machado é Empreendedor e especialista do Instituto Liberal.

Um comentário:

Anônimo disse...

ESSE CARA SERA ASSASINADO EM BREVE, ASSIM COMO TESLA (o VERDADEIRO) PERDEU SEU MAIOR FINANCIADOR NO TITANIC.
eSTE MUNDO NÃO PRESTA