domingo, 28 de setembro de 2014

Política e Políticos


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

A política é parte integrante da atividade humana.

Invariavelmente, grupos de pessoas dispostas a formular projetos que visam ao benefício comum, confrontam ideias e decidem ações para o atingimento dos respectivos objetivos.
Num processo dito democrático, obtém-se o consenso pela manifestação da maioria dos presentes. Tal dinâmica é desenvolvida com facilidade quando o número de participantes é pequeno.

Se, porém, as questões envolvem países e populações, adotam-se variações nas quais a sociedade, desde que não submetida a regimes de exceção, é chamada a se pronunciar através de eleições a fim de escolher representantes, já que é impossível conferir diretamente o ponto de vista de cada cidadão, como ocorria na velha Grécia, berço da democracia.


É aí que entra o político profissional que deveria funcionar como uma espécie de corretor das aspirações da coletividade.

Mas essa linearidade acaba quando se verifica que o eleito quase nunca exerce a esperada corretagem.

Observa-se, ao contrário, que passa a trabalhar em proveito próprio, colocando os anseios de quem os escolheu no retrovisor e aumentando a velocidade do carro, não só para manter o emprego conseguido, muito bem remunerado, mas também para continuar a gozar o poder, que é gostoso e prazeroso.

Ou seja, tão logo diplomado, o político deixa de fazer política.

É assim que funciona, e o pobre do eleitor continua a achar que o voto é a sua arma.

É razoável afirmar que o quadro descrito reproduz com exatidão o que ocorre num certo pais abaixo do equador?


Paulo Roberto Gotaç é Capitão de Mar e Guerra, reformado.

Um comentário:

Anônimo disse...

Depoimento do Coronel Moézia não divulgado pela Comissão Nacional da Verdade

http://youtu.be/DuVQFQUiOcQ