sábado, 15 de novembro de 2014

Petrobras

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gelio Fregapani

A campanha pela nossa autonomia no campo do petróleo foi das mais polêmicas da história A partir. de 1947 o país dividiu-se entre aqueles que achavam que o petróleo deveria ser explorado por uma empresa estatal brasileira os que defendiam que deveria ser  explorado por empresas privadas, estrangeiras ou brasileiras. Os nacionalistas argumentavam que se o Brasil não criasse uma empresa estatal, aquele produto estratégico para o desenvolvimento econômico, seria oligopolizado pelas grandes corporações internacionais. Pelo país afora os debates se ascenderam. A campanha nacionalista foi liderada pelo escritor Monteiro Lobato.

Em 1953 encerrava-se uma CPI que desvendou centenas de assassinatos, ligações ocultas da ESSO com políticos e as propinas pagas a colaboradores que a ajudaram a ocultar por duas décadas a descoberta do petróleo. A ESSO recebera fortunas para pesquisar o petróleo no solo brasileiro. Mapeou o petróleo do Recôncavo, mas negou a sua existência por 20 anos. Os nacionalistas, a favor do monopólio estatal, foram taxados de comunistas pela grande imprensa que defendia os interesses privatistas, mas mesmo assim a oficialidade do Exército mostrou-se simpática a estatização do petróleo,. Finalmente, depois de uma batalha parlamentar de 23 meses, o Senado terminou por aprovar a criação da Petrobrás, sancionada por Vargas em outubro de 1953.

Sob ataques, a Petrobras:  quase virou  Petrobrax . FHC encaminhou ao congresso a alteração do estatuto da Petrobras para possibilitar a posse de um presidente estrangeiro (Reischtull), que colocou cerca de 35% das ações da Petrobras a baixos preços na bolsa de Nova Yorque, fazendo um início de “desnacionalização" . Entre 1996 e 2002 a Petrobras  teve a terrível baixa nos quadros de funcionários. Cerca de 15 mil profissionais experientes, pressionados por ameaças de demissões, saíram em  desligamentos voluntários, desmontando a estrutura organizacional. 

Forçada pelo genro David Zilbersztajn ( presidente da ANP)  "  a Petrobras teve que entregar para a ANP os mapas do petróleo que a empresa lutou mais de 40 anos para obter e a investiu bilhões nas descobertas e os mapas foram dados de graça para as companhias estrangeiras, que compraram os blocos a preços de banana nos leilões dos blocos petrolíferos. Mais um pouco de tempo daquele governo a Petrobrás teria o mesmo destino da VALE – a desnacionalização.

Durante os governos do PT diminuiu significativamente as desnacionalizações, mas iniciou a era das grandes corrupções e gestão deficiente. Entretanto, a Petrobrás tem avançado e ainda há muito idealismo em seus quadros. Na gestão de Graça Foster, contra as expectativas, alguns dos malfeitos vão sendo corrigidos. A exposição das milionárias corrupções claro que lhe abalou a credibilidade, mesmo assim tem seguido avante.

A guerra contra a Petrobrás tem sido contínua, mas ao que pesem os superfaturamentos, fez muitos investimentos para se preparar para o pré-sal. Ultrapassará a atual crise e as extrações de Petróleo devem se quadruplicar nos próximos três anos. É importante que não se permita a desnacionalização, especialmente agora que estamos próximos da vitória.

Incoerência

Não se comemora a Revolução de 30, movimento popular que rompeu com o atraso da política do café com leite. Proíbe-se comemorar a Revolução de 64, um movimento popular legítimo que elevou o nosso País a uma potência. Certamente se comemorará a Proclamação da República, uma traiçoeira sedição militar que vergonhosa e ilegalmente acabou com o melhor governo que já tivemos e lançou o nosso País no caos, causando diversas revoluções e rebeliões, inclusive genocídios.

Contudo, serve para lembrar que nenhum governo se sustenta sem ao menos o consentimento de suas Forças Armadas. Fiquem cutucando a onça com as falsidades da Comissão da “Verdade”e vejam o que acontecerá.


Gelio Fregapani é Escritor e Coronel da Reserva do EB, atuou na área do serviço de inteligência na região Amazônica, elaborou relatórios como o do GTAM, Grupo de Trabalho da Amazônia.

Nenhum comentário: