domingo, 26 de abril de 2015

Nada muda e tudo se transforma

Marta e Lula: tudo mudou...

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Márcio Accioly

Há algum tempo (não muito distante), a simples publicação de um artigo como o veiculado em The Economist deste sábado (25), teria sido suficiente para fazer com que a presidente Dilma Roussef perdesse as estribeiras, jogasse aparelho celular na parede, agredisse a arrumadeira do Palácio da Alvorada e cuspisse fogo em quem passasse por perto. Sua excelência faz inimigos por onde passa.

Conhecida por seu temperamento intempestivo, além da brutal ignorância sobre todo e qualquer assunto, Dilma, semialfabetizada e estúpida, foi chamada de “O Fantasma do Planalto” pela publicação que retratou com precisão a sua perda de poder, apeada por conta do desmonte econômico e dos sucessivos escândalos comandados pela gangue petista. A única coisa que faz agora é viajar e gastar com cartões corporativos.

Num país de analfabetos diplomados às pencas (e de vigaristas que se passam por honestos à espera de oportunidade para o exercício do instinto criminoso), os que fazem rodízio nos altos cargos da República não perdem o timing de fazer valerem as suas “habilidades”. Exemplo mais recente é o da ex-deputada federal, ex-prefeita de São Paulo e atual senadora, Marta Suplicy (PT), que acaba de descobrir, vejam só!, ser o PT uma legenda formada por ladrões, assaltantes dos cofres públicos e bandidos impunes.


Quando era ministra do Turismo (2007), na gestão do alcoólatra, salteador dos cofres públicos, Lula da Silva, o Lularápio, Marta Suplicy, no bojo de uma das maiores crises aéreas vividas por este país, foi indagada a respeito de possíveis alternativas diante dos problemas nos aeroportos. E respondeu a contento, dizendo: “- Relaxa e goza porque você vai esquecer os transtornos”.

Depois dessa declaração digna de lupanar do mais baixo nível, sua excelência cuidou então de exaltar as vantagens do Plano Nacional do Turismo (lançado na ocasião), enquanto o chefe da quadrilha, Lularápio, que comandava toda a roubalheira que só agora vai sendo descoberta (uma parte), proferia discurso em que atacava mais uma vez a imprensa. Todos os presentes riram muito e se deleitaram aplaudindo nove dedos, inclusive sua então ministra.

É bom lembrar o que afirmou Lularápio, pois os problemas de hoje são os mesmos daquela época, tão somente acrescidos. Vejam:

“- O que a gente vê de bonito na imprensa brasileira? Não tem. Se fala em Pernambuco, é morte. Se fala do Ceará, é morte. Se fala da Bahia, é morte. Daí, o turista fala: ‘Espera aí, eu não vou sair daqui. Vou ficar dentro de casa’. Ele ainda olha para ver se tem uma fresta para não vir uma bala perdida. Essa é uma parte histórica do país, mas há outra parte que nos motiva a viajar”, complementou.

Depois disso, sua então excelência voltou para Brasília onde, certamente, reuniu-se com o cúmplice, Zé Dirceu, acertando valores que roubavam aos montões, inclusive da Refinaria Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife, de onde sacaram bilhões de dólares destinados a contas sabe-se lá onde.

Mas a onda de crimes continuou e o número de mortes anualmente chega a quase uma centena de milhar sem que se tome qualquer providência com relação à segurança, construção de presídios ou a inevitável necessidade de se mudar radicalmente a atual legislação penal. Quem irá mudar? Os parlamentares envolvidos em tantas falcatruas?

A The Economist acertou em cheio: Dilma preside, mas não governa (até mesmo por desconhecimento e falta de articulação intelectual). A economia está nas mãos de Joaquim Levy, a política nas de Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha, enquanto que o país vai sendo corroído pelos ladrões de sempre.


Márcio Accioly é Jornalista.

Um comentário:

Anônimo disse...

ESTE FILINHO DE PAPAI ESTA QUERENDO QUE NINGUEM DESCUBRA EM QUE MAFIA ELE ATUA POIS SE A MAMAE NAO BANCA VAI MORRE DE FOME QUE PARA JORNALISTA ESTE PORRA NAO SERVE SO FALO MERDA DE UM PARTIDO E RESTO VAI FALA QUE NAO SABE ENTAO VOCE E OUTRO BEBUM OU TA MAL MACONHADO CHERANDO TUDO IGUAL O SEU IDOLO ...