sábado, 25 de abril de 2015

Quem deve desculpas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Merval Pereira

Depoimento de Augusto Mendonça, diretor da SETAL, na CPI reforça a tese de que quando os partidos políticos colocaram na Petrobras  os diretores Renato Duque e Paulo Roberto Costa foi que o esquema de corrupção pode ser empreendido.

As empreiteiras só encontraram respaldo na ideia de fazer um clube, um cartel e combinar preços quando os diretores colocados pelo PT e PP começaram a agir. E acaba com a tese do governo de que foi um roubo que sempre aconteceu.

Roubos individuais, como Barusco confessou, antes de o PT chegar ao poder, devem existir em qualquer empresa, mas roubos com cartel e participação de partidos políticos, só aconteceu depois que esses diretores assumiram.

Se Aldemir Bendine vem a público pedir desculpas pelo que aconteceu na Petrobras nos últimos anos, ele que chegou à presidência da estatal há pouco tempo e nada tem a ver com o que se passou ( tem a ver, sim, com os repasses do Banco do Brasil, que presidia, para pagamentos de programas sociais do governo, ferindo a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei do Colarinho Branco), o que dizer da presidente Dilma ou do ex-presidente Lula, responsáveis diretos pelo descalabro de corrupção e má gestão, uma consequência da outra, que dominou a empresa nos últimos 12 anos?

"Sim, a gente está com sentimento de vergonha por tudo isso que a gente vivenciou, por esses malfeitos que ocorreram. Não temos muito claro se foi de fora para dentro ou de dentro pra fora. Sim, faço um pedido de desculpa em nome dos empregados da Petrobras porque hoje sou um deles". A frase de Bendine reflete bem o clima em que a Petrobras está envolvida, depois de ter que anunciar 50,8 bi de baixa contábil por corrupção e má gestão.

O número que a ex-presidente Graça Foster queria anunciar era de R$ 88 bilhões, o que provocou a ira da presidente Dilma e apressou a entrada de Bendine em seu lugar. Mas se voltarmos no tempo, e com a internet isso ficou mais fácil, vamos ver diversos discursos tanto de Dilma quanto de Lula justificando o que hoje está demonstrado terem sido erros em sequência no planejamento da Petrobras, a começar pela decisão de construir uma série de refinarias pelo país, todas com motivações políticas, hoje ou desaparecidas ou responsáveis por prejuízos sem recuperação.

Há o registro de um discurso de Lula anunciando o plano das refinarias, que é por si só uma explicação da má gestão que dominou a maior empresa brasileira nos anos petistas. Lula tem a desfaçatez de citar até mesmo questões técnicas com rigor científico para justificar o plano, que defenderia o meio-ambiente e agregaria valor ao nosso petróleo. Tudo lorota. 

As refinarias do Ceará e Maranhão não saíram nem sairão do papel e gastaram bilhões de reais na compra de terrenos e planejamentos preliminares que ficaram pelo caminho. A de Abreu e Lima, em parceria com a Venezuela de Chavez que nunca colocou um tostão na obra, foi superfaturada e tornou-se um dos grandes focos de corrupção da Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Já a presidente Dilma, como fez na recente campanha eleitoral, mentiu sobre a gestão da empresa na campanha de 2010, referindo-se à Petrobras como grande conhecedora de suas entranhas, tudo para evitar uma CPI que estava para ser instalada.“ Essa história de falar que a Petrobras é uma caixa-preta… Ela pode ter sido uma caixa-preta em 97, em 98, em 99, em 2000. A Petrobras de hoje é uma empresa com um nível de contabilidade dos mais apurados do mundo. Porque, caso contrário, os investidores não a procurariam como sendo um dos grandes objetos de investimento.

Investidor não investe em caixa-preta desse tipo. Agora, é espantoso que se refiram dessa forma a uma empresa do porte da Petrobras. Ninguém vai e abre ação na Bolsa de Nova York e é fiscalizado e aprovado sem ter um nível de controle bastante razoável”.

Enquanto isso, os diretores nomeados pelo governo Lula e mantidos por seu governo até 2012 faziam funcionar a pleno vapor a máquina de corrupção em que transformaram a Petrobras, sob a supervisão da própria Dilma, que foi a responsável pela área de energia até chegar à presidência da República e, sobretudo, presidente de seu Conselho de Administração durante anos.

O balanço apresentado na quarta-feira pela Petrobras, mesmo se ainda incompleto, é uma demonstração do descalabro administrativo que dominou a Petrobras nos anos petistas, propiciando a devastadora corrupção que está sendo investigada pela Operação Lava-Jato.


Merval Pereira é Jornalista e membro das Academias Brasileira de Letras e de Filosofia. Originalmente publicado no blog do autor.

Um comentário:

Anônimo disse...

Porque a facção criminosa PT iria roubar em apenas duas diretorias?
QUEM NOMEIA DOIS DIRETORES PARA ROUBAR NOMEIA DEZ, ou esses dois diretores
são na verdade bois de Piranhas?
Na verdade o saque continua nas outras diretorias, veja a pressa de Dilma em afirmar que está tudo em sua normalidade.