domingo, 26 de abril de 2015

Xenofobia


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Salvatore D´Onofrio

Visitei a África do Sul, quando ainda perdurava o apartheid, regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994, que descriminava os pretos locais, em favor dos brancos europeus, que lá foram para explorar as minas de ouro. Naquela época, a África do Sul, junto com Austrália e Nova Zelândia, passou a integrar o Commonwelth, a Comunidade Britânica, países de Primeiro Mundo. Na sua capital Joanesburg foi realizado o primeiro transplante de coração por Christian Barnard, em 1963, o país sul-africano atingindo altos níveis de desenvolvimento humano.

Mas, com a ascensão ao poder de Nelson Mandela, descendente de uma tribo do rei zulu, e a conseqüente expulsão dos ingleses, começou um processo de decadência, fazendo regredir a África do Sul do primeiro para o terceiro mundo. Com a progressiva deterioração da economia e o alto nível de desemprego, neste último mês, violência e selvageria se espalharam pelas principais cidades: Durban, Cidade do Cabo, Joanesburg, Pretória.

A revolta popular aponta como culpados pela miséria os imigrantes africanos de países vizinhos (Moçambique, Zimbábue, Burundi), que lá chegam em busca de trabalho e liberdade civil e religiosa. Ironia do destino: cidadãos da África do Sul, que por décadas se sentiram vítimas dos brancos considerados discricionários, agora oprimem gente da mesma raça e pelo mesmo motivo: ódio aos estrangeiros.

Nelson Mandela, figura excepcional, defensor dos direitos humanos, merecedor do Prêmio Nobel da Paz, pecou, como Presidente da República, por não estimular seus concidadãos ao trabalho, aproveitando a herança industrial e civilizacional deixada pelos ingleses. Ele deveria ter ensinado que uma nação se constrói não apenas sobre direitos, mas, principalmente, com os deveres dos cidadãos: estudo, trabalho, honestidade, prática da justiça social, planejamento familiar.

No Brasil está se firmando uma xenofobia diferente, dividindo o país pelo ódio entre Nós e Eles, conforme a oposição estabelecida pelo grande chefe Lula. “Nós” seriam os petistas que chegaram ao poder, ocupando postos-chave do Estado sem competência e reelegendo-se sucessivamente pelo voto oportunista da massa necessitada e desinformada. “Eles” seriam os “elites” de olhos azuis e a classe média, os trouxas que trabalham e pagam impostos, produzindo a riqueza do país.

Sem meritocracia, justiça social, sentimento de responsabilidade do homem perante a sociedade, nenhuma democracia terá um futuro de prosperidade.

Salvatore D' Onofrio, Doutor pela USP e Professor Titular pela UNESP, é
Autor do: Dicionário de Cultura Básica (Publit), Literatura Ocidental e Forma e Sentido do Texto Literário (Ática), e Pensar é preciso e Pesquisando (Editorama).

3 comentários:

Loumari disse...

Moçambique é também membro da Commonwealth, porque fala inglês além do português e também o francês. Portanto os brancos que tinham colonizado a Africa do Sul na sua maioria são Holandeses não Britânicos. E são estes que cuja língua é o Afrikans.

Recebi imagens fotos vindos da África do Sul, não sei como o ser humano chegou a tais extremos?

Acede a este link para ler a carta que o escritor Moçambicano Mia Couto dirigiu ao presidente da Africa de Sul, Jacob Zuma

http://www.miacouto.com.br/category/noticias/

Anônimo disse...

AQUI O RICO SEMPRE ROUBOU O POBRE O RICO NUNCA GOSTOU DO POBRE E ANTES O POBRE NAO PODIA NEM PROCESSAR O RICO SEMPRE MASSACRADO AGORA O POBRE NAO CONSEGUE PENSAR E IMAGINA QUE O RICO VAI MUDA XENOFOBIA AINDA E O ASCO QUE O RICO TEM DO POBRE E O MEDO DO POBRE FICAR RICO O POBRE NUNCA E OUVIDO MAS AS URNAS ACABARAM COM O RICO ENTAO ELES NOS E ISSO ME DEVOLVAM O QUE ME ROUBARAM E QUEM ROUBOU NAO FOI O PT DEPOIS DO PT OPTEI...

Anônimo disse...

FRASES DE UM POLITICO DO PSDB E MEMBRO DA MAÇONARIA .O POBRE GOSTA DO LULA PORQUE ANTES COMIA BOSTA AORA TA COMENDO ARROZ COM FEIJAO .UM TAL DE HELIO BIAGIONE NUNCA ESQUECI ESTE MERDA...POIS FEZ MUITO POBRE COME MERDA...E ROUBOU MUITOS POBRES...