domingo, 31 de maio de 2015

Vestuário no Bestiário


"Com que roupa eu vou" - clássico de Noel Rosa.

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Uma das formas de ataque à burguesia foi destruir os seus hábitos de vestimenta.

Nos últimos quarenta anos sofremos mais essa decadência.

No auge da elegância mundial (de 1900 a 1940 aproximadamente) usavam-se roupas adequadas às diferentes cerimônias e ou situações. Tentamos estabelecer uma tabela dos trajes, em ordem decrescente de formalidade, nos diferentes idiomas:

Português Inglês Francês Espanhol Italiano
traje attire tenue atuendo vestito,veste

casaca swallow tail frac frac marsina
(white tie) (grand tenue)
fraque morning dresses ? vestidura giubba a coda

“smoking” black tie tenue de soiré ? ?
passeio suit tenue de ville ambo àbito
(costume:paletó,
calça e, às vezes,
colete[terno]
do mesmo tecido+
gravata
“blazer” blazer paletot saco giacca
(paletó azul
marinho e
calça cinza,
sem gravata)
esporte fino
calça comprida,
camisa de manga
comprida,sapato
e meia

Pedimos aos amáveis leitores eventuais correções e ou explicações.

Os jovens de hoje, mesmo os de famílias distintíssimas, talvez nunca venham a usar um sapato de couro ou uma gravata; pobres vítimas da destruição deliberada dos hábitos e tradições civilizadas.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

5 comentários:

Anônimo disse...

Continue livre e pensando como quiser mas precisa saber que houve um tempo neste pais que não tínhamos direito de usar nem uma sandália havaiana era descalço, dai venho a havaiana que era usada até furar e quase todas com um grampo nas tiras arrebentadas depois nos era permitido um tal de conga e o ki chute duas alpargatas de quinta que provocava um chulé do caralho dai mudou era o bamba que era uma botina de lona colorida, e a imitação do vulcabras uma merda de couro sintético que derretia nas primeiras semanas e no exterior ficamos conhecidos como desdentados descamisados descalços e desnutridos tudo nos era negado escola nem pensar e começávamos trabalhar aos seis anos de idade o povo vivia em uma ditadura e uma escravidão total esta era a linhagem do vestuário dos brasileiros....FOME, MISÉRIA, ANALFABETISMO ,MASACRADOS...

Loumari disse...

CLAMA EM ALTA VOZ, E NÃO TE DETENHAS, LEVANTA A TUA VOZ COMO A TROMBETA E ANUNCIA AO MEU POVO A SUA TRANSGRESSÃO, E A CASA DE JACOB OS SEUS PECADOS.
Todavia, ME procuram cada dia, tomam prazer em saber os meus caminhos, como um povo que pratica a justiça, e não deixa o direito do seu DEUS, perguntam-me pelos direitos da justiça, têm prazer em se chegar a DEUS,
Dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que, no dia em que jejuais, achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho.
Eis que para contendas e debates jejuais, e para dardes punhadas impiamente: não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto.
Seria este o jejum que eu escolheria: que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? chamarias tu a isto jejum e dia aprazível do Senhor?
Porventura não é este o jejum que escolhi? que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? e que deixes livres os quebrantados, e despedaces todo o jugo?
Porventura não é, também, que repartas o teu pão com o faminto, recolhas em casa os pobres desterrados? e, vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?
Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda.
Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e Ele dirá: EIS-ME AQUI: se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo e o falar vaidade;
E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita: então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia.
E O SENHOR TE GUIARÁ CONTINUAMENTE, e fartará a tua alma em lugares secos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam.
E os que em ti procederem edificação os lugares antigamente assolados; e levantarás os fundamentos de geração em geração: e chamar-te-ão reparador das roturas, e restaurador de veredas para morar.
Se desviares o teu pé do sábado, e de fazer a tua vontade NO MEU SANTO DIA, e se chamares ao sábado deleitoso, e santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares, não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falar as tuas próprias palavras,
Então te deleitarás no Senhor, e te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacob; porque a BOCA DO SENHOR O DISSE.
( ISAÍAS 58 )

Carlo Germani disse...

Carlos Maurício,

Oportuníssimo e revelador este artigou seu sobre a decadência no vestuário.

Revelador,porque a apresentação de uma pessoa indica como está (ou é) seu estado mental/emocional.

Como gaúcho de nascimento,mas radicado em Minas Geris há mais de 30 anos,cada vez que viajo a Porto Alegre,a serviço profissional,fiquei estarrecido com a inversão dos hábitos e tradições (principalmente as mulheres) no quesito vestuário.

As mulheres,principalmente,no passado tinham a mesma elegância das mulheres europeias.Hoje,é um festival de mau gosto,de moda "escrota",de deselegância,de falta de feminilidade e de classe pessoal.

As revoluções culturais em curso,são um verdadeiro tsunami devastador.
Os valores morais e tradicionais estão sendo destruídos de forma implacável.

E a imensa legião de imbecis coletivos o que faz?

Respondo:como perfeitos "homens-massas" (vide Ortega Y Gasset),aceitam e se submetem integralmente aos padrões impostos.

As gerações do "apocalipse" estão aí,para que a inviabilidade irreversível do Brasil seja um fato inquestionável.





Anônimo disse...

Antes da revolução francesa se deu o mesmo com a nobreza.
Pode pesquisar.

Anônimo disse...

O HABITO NÃO FAZ O MONGE... SE FOSSE MENTIRA NÃO EXESTIRIA TANTO BABDIDO DE COLARINHO BRANCO...