segunda-feira, 1 de junho de 2015

Políticos preparam novo golpe de Estado


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por A. C. Portinari Greggio

Quando em 1964 milhões de pessoas saíram às ruas a exigir a deposição de João Goulart, que notoriamente tramava um golpe comuno-populista, as Forças Armadas, depois de muita hesitação e diante de fatos consumados, agiram. João Goulart foi legitimamente afastado pelo Congresso Nacional. Não obstante, até hoje teimam em tratar o movimento de 1964 como golpe de Estado.

Em 1986 elegeu-se o primeiro Congresso após o fim do regime militar. Em 1987 seus membros, extrapolando a letra da Constituição e sem consultar a vontade do povo, nomearam-se a si mesmos Assembleia Constituinte, com totais poderes de zerar a ordem jurídica e inventar nova constituição em causa própria. E ninguém percebeu que a usurpação era, sim, golpe de Estado, e a constituição de 1988 foi o instrumento desse golpe.
É por isso que o título deste artigo fala em novo golpe de Estado. O antigo foi o de 1988. O novo está sendo cozinhado neste momento em Brasília.
Em termos de Realpolitik, o Brasil tem apenas duas forças políticas fundamentais.

Uma delas, na oposição, é a que tem saído às ruas em manifestações de protesto nos últimos meses. Vamos chamá-la de Direita. A Direita sempre existiu, mas esteve entorpecida e afastada. Antigamente, podia ser contada como maioria, mas devido ao processo de degeneração demográfica das últimas décadas, é hoje minoria. Não obstante, é a mais capaz, que estuda, trabalha, produz e paga impostos. Naturalmente apegada à ordem e ao progresso, ela é adversária e vítima do crime, do caos social e do atraso. Seus valores coincidem com os das Forças Armadas.

Do lado oposto, a outra força é o eleitorado cativo da Esquerda. Anômicas, mal qualificadas para o trabalho, suas comunidades se caracterizam pela baixa renda, baixo rendimento escolar, desagregação familiar e propensão ao crime. Incapaz de protagonismo político, essa população, contudo, é facilmente cooptada pelos políticos mediante subsídios, favores, cumplicidade no crime e exploração do seu natural ressentimento contra quem a sustenta.

No meio, existe grande população que hesita, desorientada, sem opinião. É parte do eleitorado, vota, decide os resultados, mas não pode ser considerada força política.

E os políticos? A qual população pertencem? Evidentemente, à primeira. Mas nela não se integram. São arrivistas que utilizam os currais eleitorais como alavanca para dominar a e extorquir a população produtiva. Embora divididos, os políticos podem ser considerados, para efeito de análise, como uma só oligarquia. Evidentemente, seu esquema de domínio só funciona na “democracia” da constituição de 88. Daí o empenho deles e dos e seus sócios – a mídia e a intelectualha – em defender a constituição de 88.

É esse, em poucas linhas, o mecanismo do regime. O golpe de Estado em será o afastamento do petê, destruição de suas lideranças, marginalização da militância e transferência dos currais para novos donos. O petê tornou-se estorvo capaz de pôr tudo a perder. Em vez de se enturmar na oligarquia, o petê tem megalomanias ideológicas, aquele projeto da URSAL, e a intenção de, um dia, trair seus sócios e estabelecer a ditadura. Enquanto parecia invencível, os demais engoliam. Essa fase passou. Inácio perdeu a mágica. Dilma já está anulada.

O processo de neutralizar o petê é dos mais complicados. Não por causa de Inácio que, desesperado, tenta radicalizar, mas dificilmente conseguirá levar o povão às ruas. A complicação está nas Forças Armadas e na revolta da população produtiva. Até que ponto a radicalização não poderá exacerbar a guerra civil que de fato já está a acontecer?

Talvez a oligarquia consiga dar o golpe. Não será espetacular, não haverá estado de sítio nem violência. Na surdina, mudarão as regras. Quanto à oposição de Direita, cogitam usar a Lei de Segurança Nacional para amordaçá-la (e talvez fechar duma vez este incômodo jornal Inconfidência).

Façam o que fizerem, os problemas continuarão. A população produtiva, uma vez desperta, dificilmente aceitará a continuação desse jogo. Os tucanos perderam a capacidade de enganá-la. Frustração e desespero. E o grande contingente revoltado, sentindo-se excluído da política, buscará saída. Qual? Se examinar os mapas eleitorais, o leitor verificará que a mais óbvia seria a secessão. É fatalidade geopolítica: o Brasil já está dividido. Ninguém fala, mas aí está, enorme e ignorada, tal como o proverbial elefante na sala de reuniões. Se a “democracia” de 1988 se encastelar no poder, o monstro clandestino, sem saída, poderá escapar ao controle.

Dentro desse quadro confuso, Bolsonaro.


A. C. Portinari Greggio é Especialista em Assuntos Estratégicos. Originalmente publicado no jornal Inconfidência, de junho de 2015.

4 comentários:

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O nobre articulista tem toda a razão. Mas não foi só a Constituição de 88 que foi um golpe de estado. Todas elas foram. Começando pela primeira,de 1824,que estabeleceu a monarquia,dando um golpe em Portugal,do qual o Brasil se independenciou. Mas também foi golpe a seguinte,a republicana,de 1891,que "despachou" a de 1824. As seguintes,todas elas (1934/37,1946,1967/69) também foram golpes de estado. Substituíram as anteriores que não admitiam essa substituição. E alguns ainda tem a cara de pau de alegar as tais de "cláusulas pétreas" da constituição,ou seja,disposições constitucionais que não podem ser alteradas. Mas esquecem que também as constituições em si mesmas são "pétreas". Mo entanto essas "pedras" foram retiradas sempre com muita facilidade. Ora,isso não é nem nunca foi "estado-de-direito". Portanto o novo golpe que pretendem dar na Constituição vigente (1988) não é nenhuma novidade nesse "estado-de-antidireito".Sérgio A.Oliveira.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O nobre articulista tem toda a razão. Mas não foi só a Constituição de 88 que foi um golpe de estado. Todas elas foram. Começando pela primeira,de 1824,que estabeleceu a monarquia,dando um golpe em Portugal,do qual o Brasil se independenciou. Mas também foi golpe a seguinte,a republicana,de 1891,que "despachou" a de 1824. As seguintes,todas elas (1934/37,1946,1967/69) também foram golpes de estado. Substituíram as anteriores que não admitiam essa substituição. E alguns ainda tem a cara de pau de alegar as tais de "cláusulas pétreas" da constituição,ou seja,disposições constitucionais que não podem ser alteradas. Mas esquecem que também as constituições em si mesmas são "pétreas". Mo entanto essas "pedras" foram retiradas sempre com muita facilidade. Ora,isso não é nem nunca foi "estado-de-direito". Portanto o novo golpe que pretendem dar na Constituição vigente (1988) não é nenhuma novidade nesse "estado-de-antidireito".Sérgio A.Oliveira.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O nobre articulista tem toda a razão. Mas não foi só a Constituição de 88 que foi um golpe de estado. Todas elas foram. Começando pela primeira,de 1824,que estabeleceu a monarquia,dando um golpe em Portugal,do qual o Brasil se independenciou. Mas também foi golpe a seguinte,a republicana,de 1891,que "despachou" a de 1824. As seguintes,todas elas (1934/37,1946,1967/69) também foram golpes de estado. Substituíram as anteriores que não admitiam essa substituição. E alguns ainda tem a cara de pau de alegar as tais de "cláusulas pétreas" da constituição,ou seja,disposições constitucionais que não podem ser alteradas. Mas esquecem que também as constituições em si mesmas são "pétreas". Mo entanto essas "pedras" foram retiradas sempre com muita facilidade. Ora,isso não é nem nunca foi "estado-de-direito". Portanto o novo golpe que pretendem dar na Constituição vigente (1988) não é nenhuma novidade nesse "estado-de-antidireito".Sérgio A.Oliveira.

Celso Chini disse...

a nação BRASIL acabou!

só não sei colonia de QUEM o aglomerado geográfico virará ? china, rússia, ?!