sexta-feira, 24 de maio de 2019

Estrebuchos Finais



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Se formos analisar sem limitações de qualquer espécie, o cenário atual do Brasil, encontraremos resultados surpreendentes.
Décadas de políticas econômicas “burras”, praticamente liquidaram o empresariado nacional.

Os que não quebraram, venderam suas empresas para grupos multinacionais.

O consumo reduziu-se a níveis impensáveis até poucos anos atrás.

O investimento privado quase desapareceu. O público, geralmente é mal feito e não alcança nenhum resultado positivo.

O setor bancário está prestes a sofrer uma brutal transformação. Os “dinossauros” estão fadados à extinção.

Se for concretizada a “independência” do Banco Central, voltaremos ao período colonial. Escravos seremos dos implantadores da Nova Ordem Mundial.

O brasileiro médio é inculto mas não é bobo.

Em pouco tempo todos verão que o perigo é o governo.

No passado, bruxas e aprendizes de feiticeiro, “confiscaram” a poupança e bloquearam todas as contas-correntes dos depositantes.

A confiança foi quebrada. Só jovens inexperientes voltam a comprar títulos públicos. É fácil recuperá-la. Basta fuzilar os bandidos com PHD que urdiram o desastre.

Raras pessoas sabem as diferenças entre dinheiro e moeda. Em menor número, as que distinguem valor de uso, valor de estima, valor de troca.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

jomabastos disse...

A GRANDE VERDADE é que NECESSITAMOS urgentemente do FIM DO FORO PRIVILEGIADO, para que no Brasil a corrupção fique debilitada em todos os seus segmentos políticos. Mas este Congresso e o atual governo, ainda não se debruçaram sobre este assunto fundamental para o desenvolvimento desta Nação.

E o Brasil, embora viva em algo parecido com a democracia, continua a ser reconhecido diariamente como um dos países mais politicamente confusos e corruptos do mundo. Até quando?

A mim parece-se que a globalização está envelhecida, mas tomando outras formas por ora confusas. Ou seja, que essa velhinha ordem mundial está tomando outras formas de desenvolver-se e embrenhar-se cada vez mais no tecido econômico e social dos países.

A moeda digital, invisível para todos aqueles que desejam viver em transparência econômica, política e social, está a tomar conta do mundo. Neste Brasil atual, ao contrário do mundo desenvolvido, até os Bancos não têm dinheiro para emprestar àqueles que desejam empreender a nível privado.
A verdade é que os Bancos têm a maioria do seu investimento em títulos públicos, que lhes pode render até quase 10%. E os empréstimos a pequenos e médios investidores privados, só existe com juros elevadíssimos, impossíveis para um investimento.

E muitos de nós temos investimento em títulos públicos, pois estes rendem bem e sem nos preocuparmos investir em um empreendimento material. E assim o investimento privado quase desapareceu. E a socioeconomia brasileira continua em profunda crise. Até quando as instituições governamentais permitirão que o Brasil continue estagnado e subdesenvolvido?

E o mais absurdo: "Podemos dizer que o nosso problema é que uma minoria que ganha 500 mil por mês conseguiu convencer os grupos que ganham 50 mil por mês de que o problema do país são as pessoas que ganham mil reais por mês. Acredite quem quiser."

Anônimo disse...

O perigo vem principalmente dos bancos, porque o sistema financeiro internacional força os governos a se dobrarem a suas demandas. Os que tentam ser independentes, como o dos Estados Unidos, sofrem campanhas internacionais massacrantes, e o povo americano está sempre buscando candidatos que não tenham sido cooptados pela banca, o que é muito difícil porque os banqueiros escolhem candidatos que pareçam se preocupar e representar o povo, como Barack Obama, para melhor controlarem as decisões governamentais e destruírem por dentro a soberania norteamericana (último bastião de liberdade opondo resistência à governança global).