quarta-feira, 22 de maio de 2019

Hora “H”



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio José Ribas Paiva

Dilma era presidente, não falava coisa com coisa e o crime governava o Brasil. A solução era a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, mas o comando do Exército não quis, preferiu o impeachment e entronizou Michel Temer. Trocou 6 por meia dúzia, porque o crime continuou manobrando o Poder do Estado, tanto que Michel depois até preso foi, mas cumpriu o mandato até o fim.

Pergunta-se: É essa a tal normalidade democrática, que o então comandante defendia?

Para não intervir, como determina a Constituição, o comandante apoiou a eleição de Bolsonaro. 

Sabíamos,  que o processo eleitoral não seria a solução, porque eleger o Presidente não tem qualquer reflexo no Judiciário e nem no legislativo, que sobrevivem do toma lá dá cá.

Apoiamos com empenho o presidente Bolsonaro, que ganhou no primeiro turno, mas foi roubado, porque o “sistema” não queria perder o PT como instrumento do jogo eleitoral.

Como era previsível, Bolsonaro, nem ninguém, consegue governar, sem “satisfazer” o Judiciário e o Legislativo.

Estamos chegando ao previsível impasse, ou Bolsonaro convoca a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DEMOCRÁTICA, ou seu governo e o Brasil estarão perdidos, porque essa gosma política elegerá candidatos do PT ou do PSDB, para que siga o baile!

Esperamos, que o Presidente Bolsonaro salve o Brasil, convocando a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DEMOCRÁTICA, para limpar os Três Poderes, reformar as instituições e punir os culpados, pelas mazelas do povo.

Esperamos que o atual comandante do Exército entenda a tragédia brasileira e apoie o Presidente Bolsonaro nas difíceis decisões que deverá tomar.

BRASIL ACIMA DE TUDO!!!

Antônio José Ribas Paiva, Jurista, é Presidente do Nacional Club.

6 comentários:

jomabastos disse...

GASTA QUE É NOSSO(DO POVO)

Se o Congresso não votar um crédito suplementar de R$ 249 bilhões, o Brasil para. Os parlamentares sabem que a crise é brava. Mas o Senado já contratou algumas dezenas de novos assessores. E a Câmara se prepara para gastar mais R$ 30 milhões com serviço de segurança privada para deputados. Já existe segurança na Câmara (o apelido é Polícia Legislativa), há a Federal. Com mais 274 contratações, daqui a pouco será preciso ampliar os prédios do Congresso, ou o exército de assessores e seguranças não caberá nos atuais.

ducamillo disse...


Com todo respeito que lhe cabe mas, achar que as FFAA podem salvar o Brasil é a mesma coisa que acreditar que o lobo vai guarda bem o galinheiro. Depois dos militares passarem 15 anos batendo continência para petistas, andarem de pinico na mão recolhendo migalhas dadas pela esquerda governante, agora acham que podem governar este País?
Lamento mas quando vocês tiveram condições de mostrarem-se honrados, patriotas, verdadeiros botões dourados, ficaram jogando damas aquartelados.
O Povo já não crê mais, como antes, em vocês. O tempo de vocês passou e Carolina não viu.

sergio soares disse...

Concordo 100%, mas temos que depurar as FFAA,principalmente nos altos cargos,cheios de infiltrados.FORA TODOS OS POSITIVISTAS (talvez uma utopia,nada além disso).

ducamillo disse...

Concordo plenamente Sr. Sérgio, principalmente sobre a utopia, infelizmente.

Anônimo disse...

Capitão Durval Ferreira disse que as FFAA não intervieram nos governos Lula e Dilma porque a devolução do poder aos civis foi uma demanda da sociedade. Eles, ao aceitarem as regras do jogo democrático, cumpriram as leis feitas pelos governantes eleitos por essa mesma sociedade. A lei, ao criar o ministério da Defesa, subordinou as FFAA a um civil, e os militares são legalistas. O capitão Durval diz que o povo anda no trilho da justiça, mas as FFAA andam no trilho da lei; caso contrário, seriam milícias. Portanto, é hora de os civis assumirem sua responsabilidade no atual estado da sociedade, inclusive os que se omitiam porque diziam que tinham que cuidar da própria vida e de seus negócios.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Apoiadíssimo,Dr. Ribas Paiva.