terça-feira, 21 de maio de 2019

Remorso do Morse (Ou seria morsa?)



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Em um artigo recente, elencamos alguns detetives brilhantes. Esquecemos do inspetor Morse.

Sou fã. Sua especialidade era pegar os outros na mentira.

Num episódio, vai interrogar uma distinta senhora, culta e inteligente, sobre onde ela tinha estado na véspera a determinada hora.

A senhora respondeu que esteve no teatro de ópera; para ver cantar uma diva do “bel canto”, elogiando sua performance. Morse agradeceu o depoimento e retirou-se do local.

Sem demonstrar, morria de rir por dentro, porque ele tinha estado no mesmo teatro, no mesmo dia e horário, mas a célebre cantora teve que ser substituída em virtude d'um mal súbito.

Assim está a porcada do cão egresso. Mendaz e ridícula.

Talvez o trecho de ópera (ária) que mais se aplica ao momento presente é “Un bel di vedremo”.

Terminado o período de Tensão pré Intervenção, dona Onça fartar-se-á com carne porcina e/ou de ratos.

“Não sei se fita ou é fato; o fato é que ela me fita mesmo de fato”.
Bons tempos em que amarrava cachorro com linguiça.

Hoje cães didatos o são com oculta gravação.

Bem disse um ilustre patriota: “Vocês não se preocupem com uma aparência de impunidade. Serão pegos, um a um, no tempo oportuno. O Brasil mudou”.
Se for cumprida essa promessa, ergamos as quatro patas aos céus!


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

jomabastos disse...

Infelizmente ainda existem pessoas como você que não querem(?) distinguir os bons congressistas dos maus congressistas, os congressistas que têm contas a prestar à justiça dos que estão limpos a nível criminal. E no STF passa-se o mesmo, existem bons e maus juízes. Quando você pensa desse modo, só está a misturar os bons e os maus no mesmo caldeirão. Erro crasso!

Se o Presidente quer fazer sair legalmente os maus congressistas e os maus políticos, que elabore um PL que acabe de vez com o Foro Privilegiado, para que os políticos com contas a prestar à justiça, sejam suspensos ou retirados de seus cargos, para poderem finalmente ser julgados pela justiça.

"“Vocês não se preocupem com uma aparência de impunidade. Serão pegos, um a um, no tempo oportuno. O Brasil mudou”.". Se não for criada uma lei que impeça os acusados por crimes e os criminosos de exercerem cargos políticos ou de gestão pública, de um modo ou de outro sempre estarão sentados em cargos relevantes. Sairá um corrupto e entrará outro corrupto ou potencial corrupto, devido à inexistência de uma lei que não permita a impunidade.